Estilo DINHEIRO

A grande lição do Chile para o ensino brasileiro

Crédito: Divulgação

Se medida for adotada, escolas terão de aumentar as horas das aulas por dia (Crédito: Divulgação)

O desempenho do Brasil nas avaliações internacionais que medem o desempenho dos estudantes costuma ser pífia – e retrata o descaso do País com a educação. Investir no setor deveria ser a prioridade de qualquer governo. Mas o presidente Bolsonaro acredita que é cortando verbas para o ensino e a pesquisa que se constrói uma nação. Pois ele deveria aprender o básico com o vizinho Chile. Na mesma tarde em que o Brasil anunciou o corte de 5.613 bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado (o terceiro deste ano, em que já foram eliminadas 11 mil bolsas apenas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior, a Capes), o Chile aprovou, por lei, a gratuidade do ensino superior. Para a porta-voz do governo chileno, Paula Narváez, a lei “dá tranquilidade aos jovens para que seus talentos, suas capacidades e sua inteligência possam se desenvolver em um Estado que lhes dá oportunidades”. Oportunidades que faltam a nós brasileiros.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel