Estilo DINHEIRO

A grande lição do Chile para o ensino brasileiro

Crédito: Divulgação

Se medida for adotada, escolas terão de aumentar as horas das aulas por dia (Crédito: Divulgação)

O desempenho do Brasil nas avaliações internacionais que medem o desempenho dos estudantes costuma ser pífia – e retrata o descaso do País com a educação. Investir no setor deveria ser a prioridade de qualquer governo. Mas o presidente Bolsonaro acredita que é cortando verbas para o ensino e a pesquisa que se constrói uma nação. Pois ele deveria aprender o básico com o vizinho Chile. Na mesma tarde em que o Brasil anunciou o corte de 5.613 bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado (o terceiro deste ano, em que já foram eliminadas 11 mil bolsas apenas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior, a Capes), o Chile aprovou, por lei, a gratuidade do ensino superior. Para a porta-voz do governo chileno, Paula Narváez, a lei “dá tranquilidade aos jovens para que seus talentos, suas capacidades e sua inteligência possam se desenvolver em um Estado que lhes dá oportunidades”. Oportunidades que faltam a nós brasileiros.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?