Edição nº 1143 21.10 Ver ediçõs anteriores

A gente não quer só salário

A gente não quer só salário

Em um processo seletivo, só o salário oferecido não basta para atrair bons profissionais. Para 40% dos entrevistados pelo 8º Índice de Confiança Robert Half (ICRH), a possibilidade de crescimento é o principal ponto levado em consideração, seguido por pacote de benefícios (20%) e valores e propósitos da empresa (17%). Outros aspectos considerados são: a distância entre casa e trabalho (5%), autonomia (5%), flexibilidade de horário (4%) e reputação da empresa (4%). Apenas 2% levam em consideração a possibilidade de trabalhar remotamente e 1% questiona a carga horária. E mesmo com o cenário econômico desafiador, 40% dos profissionais com nível superior atualmente empregados trocariam de empresa se tivessem possibilidade de desenvolvimento na carreira. “A valorização de benefícios não-financeiros evidencia o quanto o perfil do profissional vem mudando ao longo do tempo. Hoje eles buscam uma relação de ganha-ganha com o empregador”, diz Fernando Mantovani, diretor geral da Robert Half. “É claro que dinheiro ainda é importante e fundamental para a vida das pessoas, mas os empregadores agora têm um grande desafio de estruturar um bom plano para atrair e reter os melhores talentos.”

(Nota publicada na Edição 1126 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A fábrica de inovação da Visa

As peças de Lego espalhadas sobre a mesa de reunião dão a entender que a empresa recebeu a visita dos filhos dos funcionários. Nada [...]

A alegria dos juros baixos

O Banco Inter, do CEO João Vitor Menin, filho caçula de Rubens Menin, da MRV, está sorrindo à toa com a queda dos juros. A avaliação é [...]

O peso da saúde

Não é só no bolso dos trabalhadores que pesa o custo dos convênios médicos. Principal benefício oferecido pelas empresas a seus empregados, o plano de saúde representa 13,1% em média da folha de pagamento da indústria brasileira. Pesquisa inédita do Serviço Social da Indústria (Sesi), realizada pela FSB Pesquisa, para averiguar a realidade e os […]

Novo comando na VLI

Uma das maiores empresas de logística do País, com faturamento R$ 5,5 bilhões no ano passado, terá um novo comandante. A partir do [...]

A aposta segura de Neeleman

O empresário David Neeleman (foto à dir.), fundador da Azul Linhas Aéreas e sócio da portuguesa TAP, segue apostando parte de sua [...]
Ver mais