Edição nº 1129 12.07 Ver ediçõs anteriores

A Foxconn reclama de regras na China

A Foxconn reclama de regras na China

Depois de várias acusações de violação às leis trabalhistas ao longo dos anos, a Foxconn resolveu se manifestar. Maior empregadora privada da China com cerca de 1 milhão de funcionários, a empresa que fabrica ou já fabricou produtos de gigantes do mercado de tecnologia como Apple, Amazon, HP, Dell, entre outras, disparou contra as normas que garantem os direitos dos trabalhadores no país. De acordo com Terry Goy, presidente da companhia, essas restrições, no que diz respeito ao limite de horas extras permitidas, são “pouco razoáveis” e afetam a renda dos empregados, que desejam trabalhar em turnos mais longos. “A China tem regras mais duras para as horas extras do que os EUA e a União Europeia”, disse o executivo, que defende que sua empresa seja regida por leis ocidentais, já que opera como uma fabricante terceirizada. “Neste momento, estamos seguindo as normas chinesas. Mas, na alta temporada, vamos seguir as leis americanas.”

(Nota publicada na Edição 1076 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Bill Gates soltou a língua. Há duas semanas resolveu dizer numa entrevista qual foi o maior de todos os erros que cometeu na carreira [...]

Por violação de dados, British Airways é multada em US$ 230 milhões

O Information Commissioner’s Office (ICO), agência que trata da proteção de dados e informações no Reino Unido, aplicou uma multa [...]

Robô enfermeiro supre demanda nos EUA

Dados do escritório de estatísticas de trabalho dos Estados Unidos mostram que a profissão de enfermeiro está em alta no país e que [...]

Informação online

(Nota publicada na Edição 1129 da Revista Dinheiro)

US$ 500.000

Este é o valor do prejuízo causado por hackers a cerca de 900 clientes da rede 7-Eleven Japan por meio de ataque a um aplicativo de pagamentos recém-lançado pela empresa. O serviço foi suspenso e os clientes serão ressarcidos. (Nota publicada na Edição 1129 da Revista Dinheiro)

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.