Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

A Foxconn reclama de regras na China

A Foxconn reclama de regras na China

Depois de várias acusações de violação às leis trabalhistas ao longo dos anos, a Foxconn resolveu se manifestar. Maior empregadora privada da China com cerca de 1 milhão de funcionários, a empresa que fabrica ou já fabricou produtos de gigantes do mercado de tecnologia como Apple, Amazon, HP, Dell, entre outras, disparou contra as normas que garantem os direitos dos trabalhadores no país. De acordo com Terry Goy, presidente da companhia, essas restrições, no que diz respeito ao limite de horas extras permitidas, são “pouco razoáveis” e afetam a renda dos empregados, que desejam trabalhar em turnos mais longos. “A China tem regras mais duras para as horas extras do que os EUA e a União Europeia”, disse o executivo, que defende que sua empresa seja regida por leis ocidentais, já que opera como uma fabricante terceirizada. “Neste momento, estamos seguindo as normas chinesas. Mas, na alta temporada, vamos seguir as leis americanas.”

(Nota publicada na Edição 1076 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O mea culpa do Google

Demorou, mas o Vale do Silício parece estar finalmente tomando atitudes mais rigorosas em relação a casos de assédio. O CEO do Google, [...]

Do console à nuvem

(Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Começo promissor

A startup brasileira Olho do Dono foi considerada a mais promissora do continente na primeira edição TechCrunch Battlefield com [...]

A Ameaça alemã ao Tesla

A Volkswagen quer competir de frente com a Tesla, fabricante americana de automóveis elétricos. A empresa alemã pretende discutir um [...]

1,455 bilhão

É a queantia de smartphones serão vendidos no mundo em 2018, queda de 0,7% sobre 2017. mas a curva voltará a subir. estima-se 1,646 bilhão de aparelhos em 2022. (Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.