Edição nº 1117 18.04 Ver ediçõs anteriores

A festa do padroeiro dos vinhateiros

Na Borgonha, todos os anos, no final de semana depois de 22 de janeiro, que é o dia do padroeiro, se comemora a festa de Saint Vincent

A festa do padroeiro dos vinhateiros

Vinho é cultura, ao menos na França. Se é que havia alguma dúvida disso, a certeza vem com a festa de Saint Vincent, ou São Vicente de Zaragoza, o padroeiro dos vinhateiros. Na Borgonha, todos os anos, no final de semana depois de 22 de janeiro, que é o dia do padroeiro, se comemora a festa de Saint Vincent. Neste ano, a festa ocorreu em Vézelay, no norte desta região vinícola, neste último final de semana.

Santos no altar durante a missa

Há mais de 70 anos, a festa ocorre nesta data, em um dos vilarejos locais. Em 2020, vale colocar na agenda, será em Gevrey- Chambertim. E todos os anos a cidade escolhida se prepara para os festejos, decorando as casas com flores e imagens relativas às uvas e os vinhos. As comemorações começam na manhã bem cedo de sábado, com uma procissão, que passa pelos vinhedos. Cada vilarejo leva a sua imagem do santo nesta romaria, alguns se fantasiam com as roupas de suas confrarias. O cortejo segue animado até a igreja principal da cidade. Em Vézelay, que faz parte da rota francesa do Caminho de Compostela, a basílica fica no alto de uma colina, o que testa também o preparo físico dos vinhateiros.

As imagens de São Vicente são colocadas no altar, e a missa começa, celebrada por um bispo e vários padres. Na homilia, o celebrante faz uma emocionante pregação, comparando a vida do homem à da vinha, dos cuidados que a planta precisa, do respeito, de sua importância. E agradece a Deus pelo ano em pela safra que virá. Até no altar, e não apenas na consagração cristã do vinho em sangue, o vinho é parte da cultura francesa.

Santos saindo da basílica

Terminada à missa, a festa vira profana. Confrades passeiam pelas ruas, há animadas bandinhas de música desfilando por suas subidas e descidas, comida de rua, com muitas salchichas e demais embutidos, vendidas no local. O vinho, claro, é bem presente, mas há um controle na venda dos tíquetes que dão direito a cada dose para evitar que as pessoas passem dos limites.

Santos no final da missa

E como Vézelay é uma região de vinhos branco, é o chardonnay que é vendido nas taças, mesmo com a temperatura beirando o zero grau. Porque no país que respira vinho, branco também é uma bebida de inverno.

Suzana Barelli está na Borgonha a convite da Anima Vinum e da Anima Vinum Brasil


Mais posts

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Os dois países vão reconhecer a certificação válida no país de origem

Por que a Salton é a marca número 1 de vinho do Brasil?

Pesquisa da inglesa Wine Intelligence aponta que a vinícola é a marca de vinhos mais forte no País

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Annas, Gabrielas, Jô, Marias, Julianas são exemplos de mulheres que estão escrevendo a história do serviço do vinho em nosso país

Viviana Navarrete e os desafios das mulheres nas vinícolas chilenas

Principal enóloga da Viña Leyda, ela conta como venceu os desafios para chegar à liderança após muito trabalho, dedicação e perseverança,
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.