Edição nº 1125 14.06 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Thomas Buberl, ceo global da Axa

A Europa precisa de uma nova narrativa

Claudio Gatti

A Europa precisa de uma nova narrativa

Uma das maiores do mundo, a seguradora de origem francesa AXA tem uma presença discreta no Brasil, mas quer crescer nas apólices corporativas e no mercado de seguro-saúde

Cláudio Gradilone
Edição 07/06/2019 - nº 1124

O trabalho diário do economista alemão Thomas Buberl, CEO da seguradora francesa AXA, é avaliar riscos. Não é uma tarefa simples. Presente em 61 países, a companhia emprega 126 mil pessoas e faturou € 103 bilhões (R$ 450 bilhões) no ano passado. Cerca de 60% dos negócios estão na Europa, 24% deles na França. O Brasil ainda tem uma participação discreta nesse universo. Mesmo assim, é considerado um mercado estratégico. Em sua cuidadosamente planejada passagem de 12 horas pelo País — até o tempo para caminhar de sua suíte até o heliponto no hotel foi cronometrado — Buberl disse estar otimista. “É um mercado imenso, que tem uma população jovem e com grande potencial.”

DINHEIRO – Por que o Brasil é relevante para a AXA?

THOMAS BUBERL O Brasil é um dos nossos seis mercados prioritários. Tem uma população jovem de mais de 200 milhões de pessoas, e a participação dos seguros ainda é pequena. Estamos interessados em dois segmentos. Um deles é o de riscos empresariais. Começamos a atender esse negócio fazendo seguros grandes, e complicados. Segurando aeronaves, embarcações e grandes riscos.

DINHEIRO – Quais mercados a empresa quer disputar?

BUBERL – Pretendemos aproveitar a experiência e o conhecimento para segurar empresas menores, como lanchonetes e pet-shops. O executivo de uma companhia grande e o de uma companhia de menor porte são clientes de seguros do tipo D&O [directors and officers, que protegem contra ações judiciais]. Outro ramo é o de seguros mais massificados, como garantia estendida, para o varejo. E também pensamos em entrar no seguro-saúde, vendendo planos corporativos. Estamos entre os líderes desse mercado na França, e temos muito conhecimento que pretendemos aproveitar aqui.

DINHEIRO – Esse é um seguro bastante problemático, devido ao aumento dos custos médicos. Muitas seguradoras brasileiras estão saindo dessa atividade. Quais as suas vantagens?

BUBERL – Além da França, vemos um bom potencial para o seguro-saúde no Brasil, na China e nos Estados Unidos. Nosso diferencial é a tecnologia. Na França, por exemplo, tínhamos um problema de falta de médicos em cidades menores e mais distantes dos grandes centros. Os médicos locais ficavam velhos, se aposentavam, e não havia substitutos para eles. Desenvolvemos, então, algo chamado telemedicina. Com isso, as pessoas podem entrar em contato com o médico por telefone ou por vídeo chamada. Somos capazes de resolver 70% dos problemas de maneira remota. Com isso, mantermos os custos sob controle.

DINHEIRO – Sua atividade principal é calcular riscos. Como é fazer isso agora que há tantas mudanças em potencial na Europa, como o Brexit, por exemplo? A turbulência aumentou os riscos?

BUBERL – É preciso fazer um esclarecimento importante. Instabilidade política não quer dizer, necessariamente, instabilidade para os negócios. Veja, por exemplo, nossas atividades na França, que é o nosso maior mercado individual. Apesar de toda a turbulência política e das manifestações das ruas, estamos mantendo nossas margens de lucro ao redor de 10% ao ano. Não vejo fragilidade nem crise no modelo de negócio. Mas é fato que a situação está menos estável do que há alguns anos. No entanto, o que está em questão é o processo de construção da Europa.

“Há tantos protestos nas ruas porque as pessoas já não se sentem representadas pela estrutura da Comunidade Europeia” (Crédito:Frederick Florin)

DINHEIRO – Por quê?

BUBERL – A Comunidade Europeia é um processo que começou há mais de 60 anos. O sentido desse processo mudou com o tempo. Duas gerações atrás, o objetivo era evitar uma nova guerra entre os países europeus. A geração seguinte já não tinha medo da guerra. Então, o esforço foi para construir uma unidade europeia, e esse processo não está ameaçado. Posso falar em primeira pessoa. Eu viajo muito. Para mim, é impensável ter de mostrar um passaporte para ir da França à Alemanha. E isso não é impensável apenas para mim, mas é um absurdo para a maioria das pessoas da Comunidade. Por isso, eu acredito que não será possível reverter esse processo e tirar a liberdade de movimento das pessoas. No entanto, é preciso ouvir os sinais de alerta.

DINHEIRO – Quais?

BUBERL – Os protestos, por exemplo. Há tantos protestos nas ruas porque as pessoas já não se sentem representadas pela estrutura da Comunidade Europeia. Todos estão convencidos de que não haverá mais guerras, que há segurança institucional. Porém, quando você busca uma visão para o que será a Europa em 2030, isso não existe. A Europa precisa de uma nova narrativa. As pessoas querem contribuir para algo comum, querem ficar engajadas em algo que seja significativo. Mas então eles olham para Bruxelas [a sede do Parlamento Europeu] e veem uma enorme burocracia, que dificulta as coisas. Por isso, o sentimento mais comum do europeu é que 90% do que existe na Comunidade está certo e apenas 10% estão errados. Então, o desejo é jogar fora os 10% e preservar os 90% que funcionam.

DINHEIRO – Como as empresas podem participar disso?

BUBERL – Elas já estão participando. Veja, por exemplo, o movimento dos coletes amarelos. É um sinal de que as pessoas não estão satisfeitas com as propostas de reforma dos governos. Então, nós, da Axa, criamos uma alternativa. Sabemos que as pessoas de renda mais baixa dependem muito da educação para a sua mobilidade social. Por isso, desenvolvemos um seguro e plano de pensão dedicado apenas para mães solteiras. Se a mãe não puder trabalhar, se ficar doente ou se vier a falecer, a educação dos filhos está garantida. Todos os anos, nós doamos alguns desses planos para mães. E não estamos sozinhos nisso.

DINHEIRO – Há outras companhias fazendo isso? Quais?

BUBERL – Uma delas é a Danone, que foi uma das que começou o movimento. Hoje, são mais de dez empresas. Os CEOs dessas companhias em geral não se conheciam, pois as atividades são diferentes. Porém, graças à tecnologia das redes sociais, todos puderam entrar em contato em poucos dias e estabelecer uma rede de atuação. Porque é muito fácil chamar a imprensa e fazer um anúncio bonito. Mas é muito mais complicado dar continuidade a esses processos.

DINHEIRO – Como os CEOs fazem para que o processo não seja interrompido?

BUBERL – A cada dois anos, realizamos um jantar de gala. Convidamos os CEOs e outras pessoas importantes. Exibimos em um telão o que a empresa se comprometeu a fazer nos últimos dois anos, e o que ela efetivamente realizou. Como é extremamente dolorido que muitas pessoas fiquem sabendo que você prometeu algo e não cumpriu, isso garante que o processo não pare.

“As pessoas estão vivendo muito mais tempo, chegando aos 100 anos, e isso afeta muito os preços das apólices” (Crédito:Robert Daly)

DINHEIRO – Parece divertido.

BUBERL – É muito divertido [risos].

DINHEIRO – A AXA é uma empresa aberta que tem de dar satisfações aos acionistas. Vocês não estão fazendo isso apenas para serem simpáticos. Qual a motivação?

BUBERL – Garantir a sustentabilidade do negócio no longo prazo. Seguro não é apenas uma atividade que está apoiada na diversificação de riscos. Também é uma atividade que depende de coesão social. Quanto menos pessoas, quanto menor a diversidade, pior a nossa diversificação. Por isso, contribuir para as pessoas viverem melhor é algo positivo para a nossa companhia. Por exemplo, temos atividades em países da África e em regiões da Índia que são extremamente pobres. Um dos nossos produtos lá é uma apólice muito barata, destinada às mães de família. Nessas regiões, as mães são as principais provedoras. Se a mãe fica doente e não consegue trabalhar, isso significa que a família toda fica sem comida na mesa. Assim, temos um seguro-doença que permite pagar a alimentação. Se você está doente, damos dinheiro para sua família comer. Essa ideia começou na África mas, com algumas alterações, ela pode ser usada na França com resultados muito interessantes.

DINHEIRO – Como toda seguradora, a AXA tem reservas financeiras que precisa investir. Quais os desafios para manter a rentabilidade dos ativos com juros tão baixos por tanto tempo ao redor do mundo?

BUBERL – Definimos claramente nosso apetite pelo risco, qual é o risco financeiro que desejamos correr. O fato de os juros estarem sistematicamente baixos há vários anos não quer dizer que vamos aumentar nosso apetite pelo risco. Não vamos surfar na curva do crédito e investir em títulos mais arriscados em busca de mais rentabilidade. Porém, somos beneficiados pelo nosso perfil como investidores. Pensamos no longo prazo. Então, o que temos de renovar do nosso portfólio todos os anos são 10%, 11% do total. A maior parte de nossos ativos tem uma rentabilidade garantida no longo prazo, o que vem nos dando tempo para nos adaptarmos às mudanças no mercado de investimentos. Temos uma vantagem. Controlamos a AXA Investimentos, que é uma das maiores plataformas de investimento da Europa. Com isso conseguimos facilmente acesso a aplicações diversificadas que garantem a sustentabilidade do nosso portfólio.

DINHEIRO – Quais foram as mudanças que vocês já implantaram?

BUBERL – Temos olhado para investimentos alternativos. A maior parte dos nossos novos investimentos está no mercado imobiliário e em finanças estruturadas. Somos um dos maiores investidores em imóveis da Europa. E também mudamos um pouco o foco do nosso negócio. Há dois anos, decidimos reduzir um pouco a ênfase em seguros de vida e passamos a vender mais proteção contra riscos corporativos. Isso diminuiu a necessidade de hedge e reduziu bastante a sensibilidade dos nossos resultados às oscilações do mercado financeiro. Além disso, nos tornou menos suscetíveis ao impacto das mudanças na longevidade. As pessoas estão vivendo muito mais tempo, chegando aos 100 anos, e isso afeta muito os preços das apólices. Temos de nos adaptar a essa e a outra mudanças, para preservar a continuidade do negócio no longo prazo.


Internacional


Irã afirma ter derrubado drone americano em seu território; Trump reage

Irã afirma ter derrubado drone americano em seu território; Trump reage

México ratifica tratado de livre comércio com EUA e Canadá

Acordo

Acordo

México ratifica tratado de livre comércio com EUA e Canadá

Xi escreve carta de amizade para Coreia do Norte antes de visita

Diálogo

Diálogo

Xi escreve carta de amizade para Coreia do Norte antes de visita

Conselho militar sudanês pede a manifestantes negociação ‘sem condições’

Tensão

Tensão

Conselho militar sudanês pede a manifestantes negociação ‘sem condições’

Economia & Política

Por unanimidade, Copom decide manter a Selic em 6,50% ao ano


Ibovespa sobe 0,90% e supera marca inédita dos 100 mil pontos

Mercado financeiro

Ibovespa sobe 0,90% e supera marca inédita dos 100 mil pontos

‘Eu saio’, vaga no Supremo e ‘escândalo do século’: veja 10 frases de Moro na CCJ

Ministro da Justiça

‘Eu saio’, vaga no Supremo e ‘escândalo do século’: veja 10 frases de Moro na CCJ


Negócios e Tecnologia


KLM fecha intenção de compra para até 35 jatos E195-E2, diz Embraer

Novo pedido

KLM fecha intenção de compra para até 35 jatos E195-E2, diz Embraer

Google irá doar US$ 1 bi para construção de casas populares

Gigante de buscas

Google irá doar US$ 1 bi para construção de casas populares

A região próxima ao Vale do Silício foi impactada pela hiper valorização dos imóveis com a instalação de grandes empresas de tecnologia nas últimas décadas


Blogs e Colunas

Por que o vinho entrou na pauta econômica?

por suzana barelli

por suzana barelli

Por que o vinho entrou na pauta econômica?

Além das discussões sobre a substituição tributária, a bebida é tema do acordobilateral entre Mercosul e União Europeia


Entrevista

Alexandre de Juniac, CEO da IATA

Alexandre de Juniac, CEO da IATA

"Combustível responde por cerca de 23% do custo total das aéreas. No Brasil chega a 30%, devido aos pesados impostos"

O principal executivo da Associação de Transporte Aéreo Internacional falou à DINHEIRO sobre como o País deve conduzir as privatizações de aeroportos


Negócios

Fusão entre Aliansce e Sonae cria uma gigante no mercado brasileiro de shopping centers

Shopping

Fusão entre Aliansce e Sonae cria uma gigante no mercado brasileiro de shopping centers

A fusão entre Aliansce e Sonae cria uma gigante no mercado brasileiro de shopping centers e deve reaquecer a disputa por ativos e a consolidação do setor

“Empresas sem consciência da responsabilidade humanística ficarão para trás”

Dante Gallian

“Empresas sem consciência da responsabilidade humanística ficarão para trás”

10 perguntas para Dante Gallian

Das pranchetas de arquitetura a prêmios internacionais e faturamento bilionário

Athié Wohnrath

Das pranchetas de arquitetura a prêmios internacionais e faturamento bilionário

Há 25 anos, eles criaram uma firma de arquitetura para escritórios. Hoje, celebram o faturamento bilionário, com prêmios internacionais, 800 funcionários e uso de Inteligência Artificial na tomada de decisões


Editorial

A moeda do “sur-real”

por carlos josé marques

por carlos josé marques

A moeda do “sur-real”

Com o objetivo de dar um aceno ao parceiro argentino Mauricio Macri e estimular a sua campanha eleitoral, o mandatário brasileiro tirou dos escaninhos embolorados que remontam a origem do Mercosul a malfadada ideia de uma moeda única a servir para todos as nações do bloco


Mercado Digital


Saiba por que os EUA estão contra Amazon, Apple, Facebook e Google

blitzkrieg

Saiba por que os EUA estão contra Amazon, Apple, Facebook e Google

Em movimento raro na história americana, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário se unem Na maior ofensiva contra gigantes da área tecnológica

Deepfake, técnica de manipular vídeos e áudios, já engana 3 em 5 pessoas

tendência perigosa

Deepfake, técnica de manipular vídeos e áudios, já engana 3 em 5 pessoas


Economia


O homem das concessões de São Paulo

Vice-governador

O homem das concessões de São Paulo

O vice-governador Rodrigo Garcia lidera um ambicioso programa de redução da máquina pública que inclui resgatar os trens de passageiros e licitações para que a iniciativa privada administre de presídios às marginais dos rios Tietê e Pinheiros. A meta é levantar R$ 40 bilhões

O lado sujo da Lava Jato

conversas vazadas

O lado sujo da Lava Jato

Vazamento de conversas entre peças-chave da maior operação anticorrupção do País coloca em xeque a lisura das investigações. Sem o esclarecimento dos diálogos, está aberto o caminho para empresas pedirem a revisão de suas penas


Finanças

Os novos pilares do crédito imobiliário da Caixa

Banco estatal

Banco estatal

Os novos pilares do crédito imobiliário da Caixa

Líder do segmento, Caixa Econômica Federal busca aproximação com o mercado de capitais para obter mais recursos


Estilo

A grife brasileira das Arábias

vincenzo visciglia

vincenzo visciglia

A grife brasileira das Arábias

O arquiteto e designer paulista Vincenzo Visciglia está transformando o cenário fashion no Oriente Médio com a AAVVA, marca de roupas ousadas e luxuosas cujas peças chegam a 100 mil euros


Colunas


Supermercado sem sair do sofá

moeda forte

Supermercado sem sair do sofá

5G na América Latina tende para Huawei

dinheiro em bits

5G na América Latina tende para Huawei

MapBiomas: 4,5 mil focos de desmatamento em 6 meses

sustentabilidade

MapBiomas: 4,5 mil focos de desmatamento em 6 meses

Um cruzeiro privativo pelas Maldivas por € 900 mil

cobiça

Um cruzeiro privativo pelas Maldivas por € 900 mil

Petrobras vai investir US$ 105 bilhões até 2024

dinheiro em ação

Petrobras vai investir US$ 105 bilhões até 2024


Artigo

A importância de reconquistar o acesso aos meios de produção e de consumo da cultura

por gisele jordão

por gisele jordão

A importância de reconquistar o acesso aos meios de produção e de consumo da cultura

“A privatização dos interesses culturais é resultado da dependência que os atores dessa cadeia produtiva têm do capital financeiro”


Premiação

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

ranking setorial

ranking setorial

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

A 16ª edição reconhecerá as empresas que se destacaram nas suas áreas de atuação

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Impacto positivo abrange profissionais, empresas e organizações governamentais.

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Atlas Quantum apresenta:

Atlas Quantum apresenta:

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Muito recente, mercado de criptomoedas ainda não tem estratégias claras de precificação; diante disso, especialista recomenda método de arbitragem automatizada

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Robbyson apresenta:

Robbyson apresenta:

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Tenho um bom número de pessoas para gerir, muitos deles são Millennials, conectados, ágeis, com universo e linguagens próprios. E agora?