Edição nº 1083 17.08 Ver ediçõs anteriores

A energia que vem do lixo

A energia que vem do lixo

A startup brasileira Rewater desenvolveu uma tecnologia capaz de gerar energia a partir do chorume, como é conhecido o líquido resultante da decomposição do lixo. No sistema, parte do gás produzido no tratamento desse material é reaproveitado para abastecer a demanda energética das próprias estações de esgoto. “A tecnologia consegue suprir até 50% do consumo de energia de uma unidade”, afirma Sérgio Groba, CEO da Rewater. Fundada em 2016, a partir de um aporte de R$ 2 milhões da Salix Investimentos e Participações, a companhia nasceu de um sistema criado pelo diretor técnico Caius Camargo.

A solução remove boa parte dos componentes tóxicos no tratamento do chorume e reduz, em média, de 30% a 40% nos custos desse processo. Em alguns casos, é possível descartar o material em rios, sem rejeitos e dentro dos parâmetros estabelecidos pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Depois de um trabalho de quase dois anos de desenvolvimento, a empresa começa a conquistar os primeiros contratos de fornecimento. O portfólio inclui a Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento de Campinas (Sanasa), que, desde março, adota a tecnologia em 23 estações, além de projetos em Guarulhos, na Grande São Paulo, e em Mogi Guaçu e Tremembé, cidades do interior paulista. “Estamos em um momento de comprovação. A meta é fechar 2018 com pelo menos dez contratos”, diz Groba.

Um dos próximos passos da companhia é escalar a oferta de geração de energia. Para isso, a principal estratégia é participar de um edital da Estação de Tratamento de Esgoto de Barueri (SP), a maior do Estado de São Paulo . A licitação está prevista para o segundo semestre deste ano e incluirá a oferta de alternativas energéticas como um dos seus requisitos. “Estamos buscando parceiros para formar um consórcio. Uma iniciativa desse porte deve exigir um investimento entre R$ 70 milhões e R$ 100 milhões”, diz Erick Herbert Thau, CEO da Salix e diretor financeiro da Rewater. A empresa também está negociando a implantação de um projeto-piloto do sistema com a Sanasa.

(Nota publicada na Edição 1069 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A derrota da Monsanto

Quando anunciou a aquisição da americana Monsanto, em 23 de maio de 2016, a alemã Bayer se tornou um dos principais alvos de denúncia [...]

O drone do plástico

A organização inglesa The Plastic Tide (A Maré Plástica) está mapeando a quantidade de lixo encontrada nos oceanos para buscar formas de minimizar os seus impactos. Para fazer isso está utilizando um drone Phantom 4, da empresa chinesa DJI, adaptado com inteligência artificial, que captura imagens e classifica objetos recolhidos. A ONG estima que a […]

Sempre teremos fumaça

Nas capitais europeias, assim como em diversas grandes cidades do mundo, passear pela rua equivale a fumar diversos cigarros. Segundo [...]

Greenpeace X Temer

A ONG Greenpeace afirmou que o governo brasileiro não cumpriu a meta de redução de desmatamento de 80% na Amazônia para diminuir o [...]

Ecologia na rede

O Mercado Livre promoveu, neste ano, a maior edição da Ecofriday, campanha para promover produtos de consumo sustentável. Entre os dias [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.