A empresa como espaço humanizado

A empresa como espaço humanizado

É interessante observar o processo de transformação dos espaços de trabalho nos últimos tempos. Um processo dinâmico, acelerado, que, com a pandemia, intensificou-se ainda mais.

É cedo para afirmarmos se essa dinâmica permanecerá no contexto pós-Covid ou se certas tendências anteriores serão retomadas, ainda que não da mesma maneira. De qualquer forma, não me parece ociosa, mesmo nesse cenário de incertezas, uma reflexão sobre elementos característicos desse processo à luz das dinâmicas sociais e do desafio da humanização.

Já não é de ontem que o ambiente das empresas deixou de ser um mero espaço laboral. Até algumas décadas atrás, prevaleceu o modelo “escritório”, onde os funcionários encontravam um ambiente estruturado para o desempenho de tarefas profissionais, a serem cumpridas nos intervalos de tempo pré-determinados das horas de trabalho. Aos poucos, a concepção da dinâmica do trabalho profissional foi se modificando, e isso exigiu uma adaptação dos espaços. Assim, os tradicionais escritórios, sisudos e “funcionais”, transformaram-se em ambientes mais “leves” e “descolados”, que lembram mais uma escola ou um clube do que uma repartição ou oficina.

Tal transformação reflete o radical processo de evolução na dinâmica laboral em nossos tempos. Dentre múltiplos aspectos, pode-se destacar, por exemplo, a diluição das fronteiras entre vida pessoal e profissional, educação e trabalho, lazer e labuta. O tempo no ambiente de trabalho alargou-se, e muitas das atividades que antes eram realizadas em outros espaços passaram a ser incorporadas e oferecidas no “escritório” — e, em tempos de home office forçado, o inverso também é verdadeiro. Assim, as casas vão sendo adaptadas em escritórios…

Para além desse fenômeno, entretanto, líderes e gestores comprometidos com a humanização necessitam estar atentos ao impacto que essas transformações causam na vida de seus colaboradores. Num contexto de crescente absorção e comprometimento existencial com a empresa, esta, por meio de seus gestores, deve reconhecer o proporcional incremento de responsabilidade que tal dinâmica representa.

Diante disso, muito além de proporcionar espaços e tempos de relaxamento, de lazer, de “descompressão”, a liderança comprometida com a humanização deve reconhecer na nova realidade uma oportunidade única e potente para promover o crescimento e o desenvolvimento humano de seus colaboradores — crescimento e desenvolvimento que não devem se restringir à dimensão técnica e profissional, mas envolver os múltiplos âmbitos da experiência humana: afetiva, estética, cultural. O espaço da empresa humanizada deve ser o espaço da promoção do humano em sua integralidade.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

A humanização que causa estrabismo

Há pouco mais de 20 anos fui convidado a organizar um Centro de Humanidades numa Escola de Medicina. Estávamos na virada do milênio, e se a aplicação de novas tecnologias científicas já estava consolidada como recurso para o progresso da saúde, começava-se, por outro lado, a considerar o quão prejudicial essa hegemonia técnico-científica poderia ser […]

O fourth bottom line

No início do século 19, Friedrich Engels e Conde de Saint-Simon publicaram artigos que causaram sensação na Europa. Os escritos [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.