Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

A economia do solo

A economia do solo

O mundo dos negócios precisa prestar mais atenção ao que acontece com um ativo importante, mas ignorado: o solo. Em artigo publicado na revista Nature, a ambientalista e professora da universidade de Lancaster, na Inglaterra, Jessica Davies, afirma que o risco da degradação e do desflorestamento extrapola o setor agrícola e a produção de alimentos. Muitos setores, como o têxtil e o farmacêutico, têm grande dependência de produtos de origem vegetal ou animal em suas cadeias, o que torna a boa gestão do solo, em escala global, uma questão estratégica para os negócios. Nesse sentido, a situação não é das melhores.

Um terço da superfície terrena e mais da metade do chão utilizado para agricultura sofrem moderada ou alta degradação, de acordo com número da FAO, agência da ONU para a agricultura. Anualmente, 12 milhões de hectares de solo, o equivalente a uma Bulgária, são danificados em decorrência da poluição, da urbanização e do uso intensivo. O risco para o empresariado também abrange a água, uma vez que a compactação excessiva da terra prejudica a absorção de água, aumentando a incidência de enchentes e secas. No ano passado, somente isso custou à economia global cerca de US$ 14 bilhões. Para diminuir essa exposição, Davies sugere uma parceria entre empresas e cientistas para o financiamento de pesquisas e de lobby em favor de regulações específicas para a preservação do solo.

DIN1010-sustenta2

(Nota publicada na Edição 1010 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A força da vitamina c

As vendas de suco de laranja nos Estados Unidos, maior mercado mundial do produto, registravam quedas consecutivas há cinco anos. Então [...]

Vitória quilombola

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a validade do decreto que regulamenta a demarcação de terras quilombolas. Foi uma grande [...]

Carnaval biodegradável

A empresa Fulpel Group, fabricante de embalagens biodegradáveis, forneceu 100 mil copos para a Pernod Ricard, dona das marcas Absolut, de vodka, e Ballantine’s, de uísque. Os recipientes foram utilizados nos camarotes da empresa no carnaval da Bahia. Com isso, evitou-se que 266 quilos de plástico fossem para o meio ambiente. (Nota publicada na Edição […]

O valor da árvore

A indústria brasileira de base florestal, que inclui os setores de celulose e madeira, fechou 2017 com um saldo positivo de US$ 7,5 [...]

Chile contra a obesidade

O governo chileno está colocando em prática aquela que é considerada a mais rigorosa legislação contra os alimentos que engordam. A [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.