Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

A derrota da Monsanto

A derrota da Monsanto

Quando anunciou a aquisição da americana Monsanto, em 23 de maio de 2016, a alemã Bayer se tornou um dos principais alvos de denúncia de movimentos populares e ambientalistas. A data, inclusive, foi adotada por ativistas como o Dia Mundial Contra a Monsanto. Agora, o grupo alemão enfrenta seu primeiro grande desgaste decorrente do acordo. Em 10 de agosto, a empresa americana foi declarada culpada em 1a instância na Corte Superior da Califórnia, em São Francisco (EUA), por conta de um processo aberto pelo ex-jardineiro e zelador de escola Dewayne Johnson. O motivo foi o contato dele com o glifosato, um dos herbicidas mais usados no mundo.

O caso, que teve início em 2016, recebeu prioridade devido à seriedade do linfoma não-Hodgkin’s, um câncer do sistema linfático que teria sido causado pelo contato com os pesticidas Roundup e Ranger Pro, da Monsanto. A empresa foi condenada a pagar uma indenização de US$ 289 milhões, o equivalente a mais de R$ 1 bilhão. O júri decidiu que a companhia falhou em alertar Johnson e outros consumidores sobre o risco de câncer em seus pesticidas. A Monsanto nega, no entanto, que o glifosato cause câncer e afirmou que apelará da decisão. Em junho deste ano, a Bayer concluiu a aquisição da Monsanto e anunciou o fim da marca. Mas os passivos da empresa permanecerão.

(Nota publicada na Edição 1083 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Riqueza natural não é pedra no sapato

O Brasil é um dos países mais ricos em biodiversidade, mas a mudança do uso da terra elevou os índices de degradação ambiental nos [...]

Alunos do ensino básico aprendem a empreender

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vai iniciar um projeto de educação financeira de longo prazo voltado a grupos de crianças que têm entre três e cinco anos. O programa inclui temas como integridade e empreendedorismo e realizará o “teste do marshmallow”, relacionado ao autocontrole, uma das principais características quando se trata de poupar dinheiro. […]

Viver em Nova Déli é como fumar 50 cigarros (por dia!)

A capital da Índia, Nova Déli, é uma das cidades mais poluídas do mundo. Numa pesquisa recente, médicos indianos concluíram que a [...]

Alimento contra a extinção

O grupo francês Carrefour realizou globalmente a primeira edição do Super Eco-Embaixador. A ação é voltada aos colaboradores de todos os hipermercados e supermercados da companhia e pretende estimular o desenvolvimento de soluções sustentáveis para as lojas. No Brasil, o projeto vencedor foi o “Alimentando Espécies em Extinção”, de funcionários de uma unidade em Curitiba […]

Uma Waiãpi na equipe de transição

A indígena Silvia Nobre Waiãpi, 42 anos, é uma das quatro mulheres a fazer parte da equipe de transição do presidente eleito Jair [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.