AS MELHORES DA DINHEIRO 2021

A crise virou oportunidade

Num ano em que o mundo mudou para sempre, os seguros se tornaram uma necessidade essencial e a abertura do mercado trará ainda mais novidades.

Crédito: Divulgação

A empresa aproveitou as chances que surgiram com a pandemia para oferecer novos produtos. (Crédito: Divulgação)

Desde que foi declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em março de 2020, a pandemia provocada pelo coronavírus mudou a dinâmica de vários setores. Um dos mais afetados foi o dos seguros. Um número é suficiente para contar a história. Segundo dados da Federação Nacional de Vida e Previdência (Fenaprevi), as seguradoras pagaram R$ 3,7 bilhões em indenizações às famílias brasileiras vítimas da Covid-19. O avanço da doença elevou a urgência por proteção, o que gerou uma grande oportunidade para as empresas do setor ofertarem apólices de vida, saúde, previdência e patrimônio. “As pessoas perceberam o real significado de ter seguro em um momento de incerteza”, afirmou o presidente da Bradesco Seguros, Ivan Gontijo.

Foi aí que a Bradesco Seguros se fortaleceu. Por ter uma forte presença nacional, além da sinergia com o Bradesco, a empresa conseguiu absorver os impactos da Covid-19, reduzindo os impactos da pandemia sobre o grupo. Também ampliou e aprimorou coberturas de riscos, e facilitou a contratação de produtos e serviços ao oferecer novos canais digitais. Tudo isso garantiu a conquista do título de melhor empresa no setor de seguros no anuário AS MELHORES DA DINHEIRO 2021.

“Em um cenário de pandemia, o desafio foi constante e tivemos de ajudar o cliente, tornando sua experiência mais ágil, além de oferecer novas soluções para este momento”, disse Gontijo. Com isso, as vendas por meio dos canais digitais cresceram 80% de janeiro a junho de 2021, com aumento de 62% na quantidade de itens distribuídos. Além disso, 94% dos reembolsos de saúde e 77% das vistorias de sinistros de seguro automotivo foram concluídos por processo digital. No período, 91% das vendas de Previdência Privada foram assinadas digitalmente por meio do aplicativo Bradesco, Internet Banking e biometria.

IVAN GONTIJO EMPRESA: Bradesco Seguros. CARGO: Presidente. PRINCIPAL REALIZAÇÃO NA COMPANHIA: Liderou a empresa na transição para meios digitais. Mas ainda acredita num mundo híbrido, que chama de “fisidigital”. (Crédito:Divulgação)

Na divisão Saúde, o foco ficou com a expansão do produto regional, o Bradesco Saúde Efetivo, com presença em 14 estados e no Distrito Federal. O serviço Saúde Digital, disponível 24h, completou um ano superando a marca de 400 mil atendimentos em telemedicina. E no Seguro Auto os investimentos foram para a implantação da inteligência artificial na apuração de sinistros, visando expandir a possibilidade de autoatendimento do segurado, com dispensa de vistoria presencial e redução do tempo para liberação de reparos.

Paralelamente, a empresa também precisou adequar seus produtos voltados para o ramo empresarial e residencial, com vistas ao novo cenário de trabalho. Criou coberturas para os mais variados formatos de negócios e, no residencial, optou por personalizar a proteção, de acordo com o estilo de vida e moradia do consumidor, que passou a trabalhar em sua casa. Os novos parâmetros também ajudaram a nortear as ofertas para o segmento de Previdência, com desenvolvimento de opções tanto para planos individuais como empresariais.

“Em um cenário de pandemia tivemos de ajudar o cliente, tornando sua experiência mais ágil, além de oferecer novas soluções para este momento” Ivan Gontijo, presidente da Bradesco Seguros.

Para cobrir tantos segmentos, a inovação e a tecnologia foram fundamentais. “Trabalhamos para conhecer melhor esse novo cliente, com perfil mais digital e precavido, a fim de proporcionar uma jornada mais conveniente”, afirmou o executivo. Para isso, a Bradesco intensificou os investimentos no digital e desenvolveu processos mais aderentes à nova realidade, sem esquecer o lado humano. “Sempre tivemos claro que viveremos num mundo híbrido, que costumo chamar de fisidigital. Embora a transição para o digital seja irreversível, não podemos esquecer que uma grande parcela permanece no mundo analógico”, afirmou.

E a tecnologia não foi direcionada apenas aos clientes. Corretores também precisaram ser treinados para poder oferecer produtos de forma digital. Para isso, foi criada uma plataforma de ensino, a Universo do Conhecimento do Seguro. Conhecida como Universeg, ela funciona como um streaming e ajuda na capacitação, inclusive dos funcionários. Foram mais de 300 mil participações em atividades para manter a produtividade e engajamento dos cerca de 7 mil funcionários do grupo.

Agora, a empresa mira o Open Insurance e busca associações com startups para ganhar agilidade. “O Open Insurance certamente irá proporcionar mais dinamismo ao mercado e precisamos estar preparados”, afirmou Gontijo. “E estar no topo do ranking da DINHEIRO é a prova de que estamos no caminho certo.”