A crise no Oriente Médio e o carro elétrico

A crise no Oriente Médio e o carro elétrico
Divulgação

A escalada do confronto entre Estados Unidos e Irã pode colocar o preço do barril na estratosfera, pois cerca de 20% do fornecimento mundial de petróleo passa pelo Estreito de Ormuz que, se for bloqueado pelos iranianos, afetará diretamente dezenas de países. Essa crise, no entanto, pode alavancar o desenvolvimento e produção de veículos elétricos, o que reduzirá a dependência dos combustíveis fósseis. No Brasil, o impacto do conflito tende a ser um pouco menor porque parte considerável da frota é movida a etanol. No entanto, a substituição de gasolina por álcool faria o produto de origem vegetal subir de preço por conta da lei da oferta e da procura. Ou seja, que venham os carros elétricos.

(Nota publicada na edição 1153 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Consciência ambiental à mesa

Se beleza não se põe à mesa, consciência ambiental, sim. Aos poucos, produtos plásticos de uso único vão sendo tirados de circulação em [...]

Programa ajuda indígenas com deficiência visual

A Fundação L’Occitane está ajudando indígenas brasileiros por meio do Amazonian Cataract Project, da Associação Médicos da Floresta. O [...]

Valor não é preço

Pesquisa realizada em 28 países, incluindo o Brasil, pela IBM em parceria com a National Retail Federation (NRF), aponta mudanças no [...]

Doações rastreáveis para causas sociais

A plataforma de impacto social eSolidar, fundada em 2014 pelo português Marco Barbosa para ser um mecanismo de apoio a entidades sem fins lucrativos angariarem fundos de forma rápida e com baixo custo, já levantou cerca de R$ 2 milhões. Com 50 mil usuários cadastrados, a startup conta com mais de 800 entidades de solidariedade […]

Norma visa reduzir risco de contaminações em edifícios

O Green Building Council Brasil, organização internacional que representa as construções sustentáveis no País, faz parte da comissão da [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.