Edição nº 1112 15.03 Ver ediçõs anteriores
Fernanda Barroso

Entrevista

Fernanda Barroso, presidente da consultoria Kroll Brasil

A corrupção não está apenas nos grandes contratos, está nos pequenos atos do cotidiano

Marco Ankosqui

A corrupção não está apenas nos grandes contratos, está nos pequenos atos do cotidiano

Cláudio Gradilone
Edição 13/04/2018 - nº 1065

Uma das maiores autoridades em compliance no Brasil, a executiva Fernanda Barroso, presidente da consultoria Kroll no País, está enxergando uma profunda mudança cultural nas empresas brasileiras pós-Lava Jato. Para ela, o combate à corrupção nunca esteve tão em pauta no mundo corporativo como nos dias atuais. Além de desenvolverem mecanismos próprios de transparência, as companhias estão aprimorando seus conhecimentos nesse quesito e recrutando especialistas de fora. “Só vamos virar esse jogo se conseguirmos mudar nas pequenas ações do nosso dia-a-dia”, afirmou Fernanda à DINHEIRO. Confira, a seguir, sua entrevista:

DINHEIRO – Estamos em um momento em que todos estão muito mais atentos ao risco, com receio de processos e de descumprimento de compliance. Os empresários querem saber também quais cuidados tomar para não paralisar o negócio?

FERNANDA BARROSO – Do ponto de vista de governança corporativa, depois que a lei anticorrupção começou a funcionar efetivamente, em janeiro de 2014, as empresas passaram a ter uma preocupação maior em estabelecer controles internos mais efetivos. Houve, então, a implementação de programas de compliance. A lei, de certa forma, foi um reconhecimento da responsabilidade e do papel das empresas em atuar contra ilícitos. Ao mesmo tempo, a legislação permitiu que as companhias recebessem benefícios por ter programas de compliance bem implementados.

DINHEIRO – Suponhamos que uma construtora foi pega pagando propina para autorizar uma obra. Tudo foi provado, inclusive com gravações. Como ela pode reduzir esse dano?

FERNANDA – Isso depende muito se a construtora já tinha programa de compliance e controles internos implantados. Isso iria permitir a veficação da fraude. Desde 2014, as investigações da Lava Jato vêm colocando sanções administrativas sobre as empresas. Muitos executivos estão sendo presos. Então, quando você pergunta o que as empresas podem fazer, na verdade, a resposta é o que elas já estão fazendo. Isso é reflexo dos programas de compliance. Porque uma das coisas que a lei anticorrupção também coloca é que, quando qualquer parceiro de negócio atua em benefício daquela empresa, a companhia passa a ser responsabilizada juridicamente. Com isso, passou a ser essencial para as companhias verificar se o seu parceiro de negócio é idôneo, se possui algum tipo de sanção administrativa, litígio ou contrato obscuro com o setor público. Deve-se saber também que tipo de relacionamento as companhias mantêm com pessoas politicamente expostas.

DINHEIRO – Isso vale pra qualquer fornecedor?

FERNANDA – Isso vale principalmente para os fornecedores que são importantes para a sua cadeia de valor. Independentemente do preço do produto ou da receita que você paga para o fornecedor, ele pode ser um risco para você. Outra questão é fazer uma auditoria interna na sua empresa. É necessário conceder aos clientes o direito de entrar na empresa parceira e avaliar se houve desvio de recursos ou de conduta. Temos clientes que pedem auditorias periodicamente, de seis em seis meses. O objetivo é ver se o fornecedor está oferecendo algum tipo de risco comercial relacionado à lei anticorrupção.

DINHEIRO – Muitas multinacionais que são companhias abertas não divulgam dados sobre o Brasil. Mesmo elas estão tendo de revelar números?

FERNANDA – Sim. Mas vejo que tem sido difícil para algumas empresas aceitar esse tipo de cláusula e conceder essa prerrogativa para alguém que pode trabalhar com um concorrente. São dados sensíveis. Mas a realidade é que hoje é preciso aceitar essa auditoria para garantir determinados contratos.

DINHEIRO – Onde isso está acontecendo com mais frequência?

FERNANDA – Acontece mais no setor setor público e no varejo.

DINHEIRO – Quais são as principais irregularidades que a cadeia de varejo estaria procurando?

FERNANDA – Se algum fornecedor pagou propina para alguma prefeitura, por exemplo. Isso pode acontecer. Ela quer saber se todo dinheiro que saiu daquele fornecedor para pagamentos teve uma destinação específica. No momento em que vivemos, a corrupção não está apenas nos grandes contratos com empresas públicas, mas também está nos pequenos atos do cotidiano.

DINHEIRO – Quais são os cuidados que uma empresa que lida com isso frequentemente deve adotar?

FERNANDA – A empresa pode denunciar às autoridades, se desconfiar de algo. A lei de improbidade administrativa impede corrupção passiva. É crime. Se tem um funcionário público pedindo propina para fazer algo, isso pode ser denunciado. Existem saídas para fazer um contrato acontecer, sem que seja necessária uma ilegalidade. A empresa pode operar na legalidade.

“Desde 2014, com a Lava Jato, as empresas estão colocando sanções administrativas sobre os executivos”Agente da Polícia Federal recolhe documentos em empresa investigada por corrupção na operação Lava Jato (Crédito:Jose Lucena/Futura Press)

DINHEIRO – Mas empresários reclamam, informalmente, que é impossível fazer negócios com o poder público na legalidade.

FERNANDA – Acredito que é possível operar na legalidade, sempre. Como disse, a corrupção não existe só nos grandes contratos públicos, com grandes empresas. A corrupção existe nos pequenos atos do cotidiano entre pessoas físicas e instituições. Só vamos conseguir virar esse jogo se conseguirmos mudar nas pequenas ações do nosso dia-a-dia. Uma coisa que as empresas estão fazendo agora para averiguar a idoneidade das pessoas que irão trabalhar lá é a due dilligence também nos funcionários. As empresas hoje têm essa preocupação, por conta da corrupção, por conta do cenário que estamos vivendo, nos campos político, econômico e jurídico. Há a necessidade de verificar se a pessoa passou por processos que envolvem alguma atividade que possa ser ilícita, se ela tem alguma sanção administrativa, se ela pode ser uma boa administradora de empresa, do ponto de vista de honestidade e de idoneidade. Acho que as empresas estão mais preocupadas em contratar pessoas honestas nesse momento. Além disso, companhias que não fazem due dilligence têm mais dificuldades em abrir o capital.

DINHEIRO – Os problemas acontecem geralmente no departamento de
compras?

FERNANDA – Temos um relatório global que mostra exatamente isso. O departamento de compras sempre esteve em primeiro lugar do ranking de corrupção em todo o mundo. Neste ano, houve uma mudança interessante nesse dado. Agora, o item número um é o roubo de dados e de informações. Temos visto muitos vazamentos por meios digitais. Os hackers entram, têm acesso às suas informações pessoais e de cartão de crédito. Houve uma mudança de algo que era mais tangível, como um contrato de prestação de serviço, para algo mais intangível, que é o mundo digital.

DINHEIRO – Como combater isso?

FERNANDA – O caso precisa ser reportado às autoridades públicas, da mesma forma. Porque hoje, a denúncia voluntária é algo que as empresas também têm optado fazer como forma de mostrar que estão colaborando com as autoridades públicas, que são vítimas de fraude e que não tinham conhecimento dos fatos ilícitos. Diante do cenário de um desvio contábil ou mesmo digital, é fundamental reportar voluntariamente o fato, afastar as pessoas e fazer algum tipo de ajuste interno para corrigir a falha.

DINHEIRO – No mercado financeiro, isso já acontece?

FERNANDA – O mercado financeiro, do ponto de vista de compliance, sempre foi mais avançado. Os bancos já seguiam a regulamentação que era internacional e cujas sanções eram e são muito severas. Como passamos por diversas mudanças de políticas econômicas e monetárias, os bancos tiveram também que se proteger de alguma forma e definir controles internos rígidos para enfrentar as turbulências. O que temos visto agora é que as empresas e os grandes grupos familiares estão preocupados em administrar de forma profissional, até mesmo afastando um pouco a família da administração direta.

“Empresas que não fazem due dilligence têm mais dificuldades em abrir o capital”Abertura de capital da rede de fast-food Burger King, em 2017 (Crédito:Divulgação)

DINHEIRO – Até porque há o exemplo da Odebrecht, um grande grupo familiar, cujo principal executivo passou um tempo na cadeia. A empresa diminuiu bastante o seu tamanho e isso deve ter assustado muitas empresas…

FERNANDA – Sim. O que as pessoas estão vendo é que a aplicação da lei está acontecendo. Independentemente de qual é a empresa e qual é o setor. Depois desse caso, há várias companhias fornecendo serviços de canal de denúncias e fazendo a investigação interna, especialmente as consideradas graves.

DINHEIRO – Há uma enorme pressão para bater metas. Qual uma boa regra de decisão para saber se o que foi feito é irregular ou não?

FERNANDA – Tem várias questões que a empresa tem de levar em consideração. Essas questões estão na lei. A gravidade da situação, o tamanho do contrato, tudo isso é definido para chegar no valor da sanção que vai ser aplicada. Reportar o que ocorreu voluntariamente, afastar as pessoas, fazer algum tipo de ajuste contábil, por exemplo, por conta do desvio que aconteceu, ou tudo isso junto.

DINHEIRO – Qual é o pior caso que leva à punição mais pesada?

FERNANDA – A não cooperação e a ausência de controles internos. Não estamos falando somente dos administradores em si, mas da proteção a todos os acionistas que se beneficiam dos rendimentos daquele negócio. Então, os casos mais graves se dão quando a administração não está defendendo os direitos dos acionistas minoritários e está deixando de implantar controles internos para verificar se existe fraude.

DINHEIRO – Na dúvida, coopere com as autoridades?

FERNANDA – Acho que não tem que existir dúvida sobre isso.

DINHEIRO – A maior rigidez com relação às regras também vale para as empresas chinesas, quando elas buscam investir em companhias locais?

FERNANDA – As empresas que querem ser vendidas vão precisar de compliance. Mesmo as empresas chinesas que estão vindo comprar aqui têm essa preocupação. Há uma mudança grande na China, nos últimos anos, com o programa anticorrupção. Prova disso é que as pessoas do governo têm sido condenadas por casos de corrupção. Os chineses estão avaliando, em primeiro lugar, se a empresa tem ferramentas para identificar a fraude. Depois, analisam qual a estrutura ela tem para promover uma investigação. Isso tudo é levado em conta no processo pré-compra da companhia, e acaba sendo uma condição determinante para que o negócio seja concretizado.

DINHEIRO – Quero vender minha empresa para um investidor. É considerado corrupção convidá-lo para passar um fim de semana em um resort?

FERNANDA – Agente público não pode receber nenhum tipo de benefício, segundo a lei de improbidade administrativa. Existem algumas limitações que é melhor conversar com um advogado. Há também alguns limites financeiros. Por exemplo, acima de tantos reais não posso receber um presente. As políticas internas de cada órgão público tentam reduzir as subjetividades, definindo quais são os limites.


NEGÓCIOS


Confiança na Previdência leva Ibovespa aos 100 mil pontos pela 1ª vez

Mercado financeiro

Confiança na Previdência leva Ibovespa aos 100 mil pontos pela 1ª vez

 Uber fará IPO de US$ 120 bilhões em abril

Abertura de capital

Uber fará IPO de US$ 120 bilhões em abril

O IPO da empresa deve acontecer em abril de 2019, poucas semanas após a oferta inicial de ações da Lyft, sua principal concorrente

Governo corre para protocolar Previdência dos militares no dia 20

reforma

Governo corre para protocolar Previdência dos militares no dia 20

Gillette lança campanha inédita para a reciclagem de lâminas de barbear

sustentabilidade

Gillette lança campanha inédita para a reciclagem de lâminas de barbear

Movimento está sendo feita em parceria com a Terracycle e transformará os materiais bicicletários, bancos para praças e tigelas de alimentos para animais.

Setor cervejeiro tem melhor resultado de vendas no carnaval em 4 anos

crescimento

Setor cervejeiro tem melhor resultado de vendas no carnaval em 4 anos

Para fugir dos juros do cartão, brasileiro ressuscita crediário

boletos

Para fugir dos juros do cartão, brasileiro ressuscita crediário

Projeção de superávit comercial em 2019 cai para US$ 50,00 bi, mostra Focus

comércio internacional

Projeção de superávit comercial em 2019 cai para US$ 50,00 bi, mostra Focus

Conheça os programas exclusivos do streaming da Apple

entretenimento

Conheça os programas exclusivos do streaming da Apple

Apesar de poucos detalhes do serviço terem sido divulgados, filmes e séries exclusivas da plataforma tiveram alguns detalhes vazados


Mercado financeiro


Dólar cai abaixo de R$ 3,80 com cenário externo positivo e fluxo estrangeiro

Câmbio

Dólar cai abaixo de R$ 3,80 com cenário externo positivo e fluxo estrangeiro

Previsão do BC para câmbio permanece em R$ 3,70 em 2019

boletim focus

Previsão do BC para câmbio permanece em R$ 3,70 em 2019


Blogs

Gloria Collell, a mulher que cria as linhas especiais da Freixenet

Por Suzana Barelli

Por Suzana Barelli

Gloria Collell, a mulher que cria as linhas especiais da Freixenet

Natural de uma família que produz vinho na Catalunha, ela chegou à enologia depois de desistir de um curso de direito. Na Freixenet, trabalha como enóloga, mas com um pé no marketing e na criação


Negócios


América Móvil quer comprar Nextel Brasil por US$ 905 milhões

Dona da Claro

América Móvil quer comprar Nextel Brasil por US$ 905 milhões

Disney constrói usina solar e espera diminuir 50% de suas emissões até 2020

Energia limpa

Disney constrói usina solar e espera diminuir 50% de suas emissões até 2020

A energia gerada é suficiente para atender a demanda de dois dos seus quatro parques do complexo Walt Disney World, na Flórida


Internacional


Boeing paga o preço de um gerenciamento de crise fracassado

737 MAX 8

Boeing paga o preço de um gerenciamento de crise fracassado

O herói que queria salvar ‘quantas vidas possível’ na Nova Zelândia

exemplo

exemplo

O herói que queria salvar ‘quantas vidas possível’ na Nova Zelândia

Trump é criticado por silêncio sobre supremacia branca

polêmica

polêmica

Trump é criticado por silêncio sobre supremacia branca

Caixas-pretas de avião da Ethiopian mostram semelhanças com acidente da Lion Air

acidentes

acidentes

Caixas-pretas de avião da Ethiopian mostram semelhanças com acidente da Lion Air


Colunas


A força do frango

moeda forte

A força do frango

Sinal verde para a moda brasileira

sustentabilidade

Sinal verde para a moda brasileira


Facebook muda o foco

dinheiro em bits

Facebook muda o foco

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire

cobiça

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire


Editorial

O que esperar do encontro Trump/ Bolsonaro

por Carlos José Marques

por Carlos José Marques

O que esperar do encontro Trump/ Bolsonaro

Bolsonaro parte para o encontro sob um vendaval de críticas por ter descartado o plano de uma comitiva mais técnica e empresarial, que poderia trazer negócios promissores ao País depois de longa e custosa temporada de distanciamento do parceiro norte-americano


Entrevista

John Rodgerson, CEO da Azul Linhas Aéreas

John Rodgerson, CEO da Azul Linhas Aéreas

"A prioridade do governo deveria ser reduzir (o custo alto do País)"

Com 10 anos de operação e voando para 105 cidades, empresa fatura R$ 7 bilhões, é eleita a melhor aérea da América Latina e faz acordo para comprar Avianca. Otimista com o Brasil, o CEO Rodgerson diz que seu foco é o mercado doméstico


Finanças


Marfrig compra frigorífico nos EUA

dinheiro em ação

Marfrig compra frigorífico nos EUA

Vale a pena investir em fundos de recebíveis?

investidores

Vale a pena investir em fundos de recebíveis?

CVM estuda facilitar o acesso dos pequenos investidores aos fundos de recebíveis, cujo patrimônio cresceu 36,8% em 12 meses


Economia


Donald Trump e Jair Bolsonaro: namoro ou amizade?

diplomacia

Donald Trump e Jair Bolsonaro: namoro ou amizade?

Em sua primeira visita bilateral, Bolsonaro reforçará o alinhamento ideológico com o governo Trump e negociará acordos comerciais. O clima favorece

Brexit por um fio. Proposta de Theresa May não tem apoio do Parlamento

divórcio europeu

Brexit por um fio. Proposta de Theresa May não tem apoio do Parlamento

Proposta de Theresa May para saída negociada da UE não tem apoio do Parlamento Britânico e o caos impera na terra da rainha


Calote de R$ 2 bi em negócios com Venezuela, Cuba e Moçambique

Brasil

Calote de R$ 2 bi em negócios com Venezuela, Cuba e Moçambique

Venezuela, Moçambique e Cuba não pagaram financiamentos do BNDES feitos durante os governos Lula-Dilma. A dívida pode recair sobre o Tesouro

O polêmico leilão de presídios paulistas. Estado tem déficit de 108 mil vagas

Cárceres privados

O polêmico leilão de presídios paulistas. Estado tem déficit de 108 mil vagas

Programa de privatizações do governo paulista abrange 30 projetos de concessões, investimentos de R$ 40 bilhões — e um polêmico leilão de unidades carcerárias


Mercado Digital

Conheça Q, o assistente de voz sem gênero, nem mulher, nem homem

Conheça Q, o assistente de voz sem gênero, nem mulher, nem homem

Apresentado no SXSW, evento que mais discute os hypes tecnológicos pelo olhar da cultura e da política. Por isso é tão bacana


Negócios


Na contramão do streaming, o cinema ainda é a maior diversão

recorde de bilheteria

Na contramão do streaming, o cinema ainda é a maior diversão

Na contramão do streaming e alavancada pela rede mexicana Cinépolis, Brasil bate o recorde de salas e caminha para superar a marca de 185 milhões espectadores ao ano

Vinícolas criam estratégias para elevar exportações do espumante brasileiro

Mercado externo

Vinícolas criam estratégias para elevar exportações do espumante brasileiro

De olho na adequação do espumante brasileiro ao gosto dos consumidores de EUA, China e América Latina, vinícolas e Ibravim criam estratégia que pode aumentar as exportações em 30% este ano


Estilo

O passaporte para esquiar o ano todo

ikon pass

ikon pass

O passaporte para esquiar o ano todo

Lançado pela Alterra, o Ikon Pass permite esquiar em 38 montanhas, dos Estados Unidos à Austrália


Artigo

O futuro das telecomunicações: no espaço ou fundo do mar?

por António Nunes

por António Nunes

O futuro das telecomunicações: no espaço ou fundo do mar?

Os 2,7 mil satélites em órbita têm a vantagem de alcançar áreas remotas onde os cabos não chegam. Por outro lado, os mais de 400 cabos submarinos contam com maior capacidade de banda larga


A roda da fortuna da Iochpe-Maxion

Expansão

A roda da fortuna da Iochpe-Maxion

Líder global do segmento, com operações em 14 países, a brasileira Iochpe-Maxion agora quer conquistar a China

Nivea lucra com produtos para homens

beleza

Nivea lucra com produtos para homens

A linha masculina já representa 25% do negócio da empresa, que pretende ampliar ainda mais seu portfólio de produtos para esse público

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.