Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

A Copa da Diversidade

A Copa da Diversidade

Uma das frases que costuma encerrar meus depoimentos e palestras, quando falo sobre diversidade, é o exemplo que o Brasil tem dado para todo o mundo no esporte mais popular do planeta, que é o futebol. Áreas do esporte, da música e outros ramos da cultura e entretenimento onde a habilidade, a inteligência, a rapidez e o talento são avaliados independentemente da cor de pele, origem étnica e social ou religiosa, o Brasil é um dos países mais diversos do mundo e se mostra quase invencível.

Não é por acaso que o Brasil participou de todas as Copas do Mundo e também não é mera coincidência que somos o único país do planeta a ser penta campeão nesse esporte. Quando rememoramos a formação étnica e racial de todas as nossas participações, encontraremos desde os tempos de Garrincha e Pelé, e até mesmo antes, que a principal marca da nossa seleção sempre foi a diversidade étnica de seus atletas. E essa talvez seja a principal razão de todo o nosso sucesso.

Porém, quando comparado a outras áreas das nossas atividades como nação em relação a outros países, onde não competimos com time diverso, ficamos sempre nos últimos lugares. Um bom exemplo são as competições acadêmicas, pois o Brasil nunca ganhou um prêmio Nobel. A quase centenária Universidade de São Paulo (USP), exemplo de branquitude, onde a discussão sobre diversidade só começou a tomar corpo há pouco tempo, não se configura nem mesmo entre as 20 melhores universidades do mundo.

Enquanto isso outros países até apontados como pouco diversos, caso dos europeus, mostraram ao mundo o quanto a diversidade em conjunto são sinônimos de sucesso. Equipes como a França e Bélgica, com sua diversidade étnica, chegaram bem mais longe que equipes pouco diversas como, por exemplo, a Argentina.

Esperamos que o futebol continue dando exemplos para o mundo e, principalmente para o Brasil, de que qualquer atividade humana, seja no mundo corporativo ou na academia, onde o esforço seja medido pelo trabalho, competência, talento e inteligência independentemente dos aspectos físicos, de raça, cor, gênero ou crença religiosa, a genialidade floresça e continuemos assistindo e aplaudindo prodigiosidades demostradas nessa Copa de negros, brancos e amarelos de todos os cantos do mundo.


Mais posts

Diversidade na indústria 4.0

Ao analisarmos um dos pilares da indústria 4.0 que é IA -  Inteligência Artificial, é assustador a falta de diversidade em quem [...]

Diversidade deve ir além das fronteiras das companhias, diz Verônica Cook-Euell

Verônica Cook-Euell, gerente do programa de diversidade de fornecedores da Kent State University, ressalta importância da luta pela [...]

Mães, na era da diversidade

Como retratar as mães de hoje, independentes, muitas solteiras, e que por vezes têm até trocado de papel com seus companheiros, de [...]

Diversidade nas empresas: produtividade X marketing

Tentando acompanhar essa tendência empresas brasileiras, em sua maioria, entraram nesse processo de forma atrasada e algumas [...]

Contra números não há argumentos

Separando o IDH de brancos e negros, temos dois países: um rico e desenvolvido, que figuraria entre as 50 maiores economias, e o outro [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.