A caminho de 2021

A caminho de 2021

A GuardeAqui, a maior empresa de self storage do Brasil, anunciou recentemente a aquisição da SelfStok, de Brasília, e chegou ao número de 24 unidades no mercado nacional. Mas a expansão não vai parar por aí. Allan Paiotti, CEO da companhia que tem entre os sócios o Equity International, do investidor Sam Zell; e o Patria Investimentos, já deixou claro que tem mais R$ 150 milhões reservados para abrir mais oito unidades até o fim do ano. “Ou vamos comprar empresas do setor ou vamos comprar e reformar outras unidades”, diz Paiotti. A meta é atingir 50 unidades até 2021. “Com isso, pretendemos garantir a liquidez dos sócios, seja vendendo a empresa ou abrindo o capital na Bolsa.”

(Nota publicada na Edição 1074 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Pedro Arbex)


Mais posts

Um turnaround à brasileira

O executivo brasileiro Antonio Cassio dos Santos, CEO da seguradora italiana Generali para Américas e Sul da Europa, orquestrou uma [...]

Multiplicação canadense no Brasil

A rede de escolas Maple Bear, de ensino bilíngue, faturou R$ 712 milhões no ano passado, mais que o dobro dos R$ 350 milhões do [...]

Quem manda é o coração

No mundo dos negócios, a razão tem menos importância do que a emoção. É o que afirma Pedro Superti, tido como um papa do marketing de [...]

Zendesk faz em 4 horas o trabalho de 10 dias

A Zendesk, empresa americana de tecnologia, com operação em 17 países, está eufórica com suas ferramentas de Inteligência Artificial, como o Guide e o Answer Bot. As duas soluções combinadas, adquiridas pela empresa de recrutamento Gupy, tem capacidade de analisar os perfis de 8 mil candidatos em apenas quatro horas, trabalho que antes demorava dez […]

O primeiro bilhão da Indie Capital

A gestora de investimentos Indie Capital, de Daniel Reichstul e Felipe Montagna, registrou em 2019 seu melhor ano. Com rendimento [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.