A briga com os estados

A briga com os estados

Passa do limite do aceitável a rinha infantil que o presidente Bolsonaro abriu com governadores estaduais, em sistemáticas provocações nos últimos dias — que foram desde a acusação de que os respectivos Estados eram responsáveis pelo alto preço dos combustíveis até a retirada compulsória da maioria deles do conselho de desenvolvimento da Amazônia (agora comandado pelo vice-presidente, general Mourão). Exatamente até onde o mandatário quer ir com essa queda de braço com as unidades da Federação é uma incógnita. Mas o objetivo por trás do movimento não poderia ser outro que não o de cunho eleitoreiro. Bolsonaro deseja minar a influencia desses políticos nos colégios locais, que devem escolher vereadores e prefeitos para novo mandato. Enquanto a guerra segue, os estados afundam em crise financeira, beirando a falência. Um estudo da Tendências Consultoria apontou que só a metade deles deve fechar 2020 com PIB acima do nível pré-crise e que a situação fiscal da maioria é calamitosa. Disso já se sabia. O que não está em evidência é como o Executivo pretende agir diante dessa realidade. E, necessariamente, ele terá de intervir. A retomada da economia e o plano de um crescimento sustentável no médio e longo prazo passam de maneira inevitável pela saúde financeira de cada região. Não há como imaginar a União carregando essa fatura sozinha. Daí o estranhamento sobre a política belicosa do mandatário. Enquanto ele mergulha nessa troca de acusações e retaliações, o problema se agrava. Muitos governadores alegam que as despesas com pessoal já são quase impagáveis, até porque a arrecadação segue baixa diante da reação tímida do mercado. Está tudo conectado em um ciclo perverso que provoca, inclusive, corte de investimentos públicos. Nesse contexto, a perspectiva de o governo federal refluir em uma proposta de reforma administrativa é ainda mais preocupante. O presidente nunca foi mesmo adepto de ideias radicais nesse sentido. Ao contrário. Manifesta hesitação quando o tema é principalmente o corte de privilégios de servidores. Teme retaliações desse forte grupo de eleitores. Não há por parte de Bolsonaro predisposição, no momento, a embarcar em causas de interesse republicano. Ele está, antes de tudo, movendo sua gestão de olho na reeleição, que passou a ser questão de honra. O problema é que sem o avanço econômico o projeto fica comprometido e, como já dito acima, os estados têm papel relevante nesse sentido. Apenas 12 deles e o Distrito Federal estão em condições, por assim dizer, saudáveis do ponto de vista de variação do PIB. A maioria, como São Paulo, hoje controlada pela oposição.


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

Brasil despenca

Na escala de desempenho econômico, o Brasil acaba de cravar sua pior marca. No universo avaliado de 190 países, ele está ocupando uma [...]

A morte da economia

Pode parecer por demais dramático, mas os números não deixam muita margem a dúvidas. Quando da noite para o dia uma indústria inteira [...]

A salvação das empresas

A convicção está se formando em todos os ramos de atividade. Não há mais como negar o inevitável: a pandemia do coronavírus está [...]

O pró-Brasil dos gastos

Despesas para atender a estratégias populistas sempre estiveram nos planos eleitoreiros de governantes. Em tempos de crise, então, para [...]

O plano de saída

Setores produtivos começam a ficar inquietos. Trabalhadores reclamam da falta de renda. Negócios vão à falência. A roda da economia [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.