Edição nº 1091 11.10 Ver ediçõs anteriores

A bomba fiscal

A bomba fiscal

Em ano de eleição não poderia se esperar outra coisa. Está sendo armada e prestes a explodir uma bomba fiscal de efeito devastador e duradouro. Atende por emendas ao orçamento o penduricalho da vez. Dezenas de projetos de renúncia fiscal estão na fila de votação do Congresso – encaminhados, em boa parte, pelas vossas excelências parlamentares que, naturalmente, estão à cata de eleitores e empurram pedidos na conta da viúva para satisfazer sua clientela. No total, soma quase R$ 700 bilhões o impacto dos 555 projetos já em tramitação, que devem representar dívida a pagar até 2020.

Não há Tesouro que aguente. A equipe econômica vai esticando o cobertor como pode, apela a aumento de teto dos gastos, mas nada é suficiente. Propostas estruturais que aliviariam os compromissos, como a Reforma da Previdência, foram para as calendas. Os benefícios tributários, os perdões de dívida e quetais entraram na ordem do dia. A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado registra que, só neste ano de 2018, serão R$ 200 bilhões em emendas de renúncia fiscal. Uma barbaridade. É mais do que o déficit fiscal estimado para o período. Setores de atividade como comércio e serviços lideram os benefícios, com 29% do total.

Na sequência, trabalho (15%), saúde (14%), Indústria (11%) e Agricultura (9%). Por mais que várias dessas demandas sejam justas e inevitáveis, não há como evitar a constatação de que elas inviabilizam o fluxo de caixa do Estado. Para um orçamento quase plenamente comprometido com as chamadas despesas vinculantes o espaço para gordura extra ou queda de arrecadação é mínimo. Em matéria de receita pública, é saudável incentivar a geração de emprego e o empreendedorismo. Mas quando isso se faz à base de inviabilização de caixa, perdem todos. A nova equipe econômica que assumiu nos últimos dias, liderada pelo ministro Eduardo Guardia, já entra com a missão de fixar uma meta fiscal factível e limitada.

A ideia é colocá-la abaixo de R$ 159 bilhões e, para 2019, um número ainda menor. O objetivo segue na direção contrária desse carnaval de renúncias. Recentemente, o mesmo Congresso derrubou vetos presidenciais que limitavam o programa de parcelamento de dívidas do Funrural e para micro e pequenas. A decisão causou um impacto adicional de R$ 13 bilhões no orçamento. Quem vai pagar por esse rombo? Uma discussão que mobilize não apenas o Executivo e o Legislativo como também representantes da iniciativa privada será fundamental para equacionar esse impasse. Na base do cobertor curto, todo mundo está com frio e ninguém tem razão. Resta se buscar o entendimento.

(Nota publicada na Edição 1066 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A banca em festa

O mercado comprou Bolsonaro. Os números e tendências mostram isso. Contabilizada a larga margem de vantagem do capitão reformado nas [...]

Brasil, novo vilão para Trump

Sobrou para o Brasil. Estava até demorando. O incontrolável presidente americano Donald Trump, durante entrevista sobre o Nafta – [...]

O estelionato das propostas eleitorais

O novo temor na praça é o risco de um estelionato eleitoral. Investidores, banqueiros, empresários, todos temem o vendaval de [...]

O rugido de Trump

O urso polar norte-americano, Donald Trump, rugiu mais uma vez em tom de ameaça. Partiu para cima dos chineses. Impôs uma [...]

A economia respira

Nas derradeiras semanas antes da eleição, já prevendo a volta à normalidade do mercado, muitas empresas passaram a falar em [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.