Negócios

A aposta nos bits e bytes

Com um modelo flexível e investimento inicial baixo, as franquias de tecnologia começam a ganhar espaço no mercado

A aposta nos bits e bytes

Durante anos, abrir uma franquia era considerado sinônimo de apostar nos segmentos de alimentação e de beleza. Não por acaso, empresas como McDonald’s, Subway e O Boticário contam com uma grande rede de franqueados. Mas o amadurecimento desse mercado trouxe novas opções para quem está disposto a investir em um negócio próprio. Nesse caminho, a tecnologia é um dos segmentos que começam a atrair os empreendedores. Esse é o caso da ByeByePaper que, em menos de cinco anos, já conquistou 110 franqueados no Brasil e agora mira a expansão internacional.

A marca trabalha com a modernização dos processos de gestão de documentos. Na prática, ela desenvolve softwares que armazenam e gerenciam os documentos digitais de uma empresa para impedir que eles sejam roubados ou editados por pessoas indevidas. Para conseguir seduzir interessados, a franqueadora aposta na redução de gastos e na flexibilização do negócio. “Temos um modelo no qual o franqueado trabalha de sua própria casa”, diz Erick Thau, CEO da empresa. “Ele só precisa ter duas linhas de telefone e um escritório para receber clientes.”

O objetivo da ByeByePaper é fechar 2018 com 150 unidades. Na estratégia de internacionalização, os primeiros alvos são a Bolívia e os Estados Unidos, países nos quais já existem conversas em andamento para a abertura de franquias. A carta na manga para convencer os empreendedores é o preço. Sem precisar contar com uma estrutura específica, abrir uma franquia da marca envolve um investimento inicial de R$ 15 mil e pode render um faturamento entre R$ 5 mil e R$ 15 mil por mês. “O crescimento se dá pela facilidade da distribuição. Qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, pode ter acesso ao negócio”, diz André Matos, fundador da consultoria Enfoque Negócios.

Enquanto a ByeByePaper está consolidada, outra desenvolvedora de softwares busca um lugar ao sol no mercado de franquias. Fundada em 1997, a catarinense Logtec Sistemas cria programas para gerir supermercados e restaurantes. A companhia já inaugurou duas unidades em Santa Catarina e estuda a abertura de novas franquias ainda neste ano. A taxa inicial de investimento é de R$ 20 mil e o faturamento mensal varia entre R$ 250 mil e R$ 350 mil por unidade.

Metas de crescimento de 50% no ano ou de faturamento de centenas de milhares de reais parecem ambiciosas em um primeiro momento, mas realistas quando colocadas lado a lado com os números do mercado de franquias. Se o segmento cumprir a projeção da Associação Brasileira da Franchising (ABF), que prevê uma expansão de 8% para esse ano, o setor irá movimentar cerca de R$ 176 bilhões. Já o mercado de tecnologia faturou R$ 487,8 bilhões em 2017, alta de 5,4% sobre 2016, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). “É um mercado com um potencial gigantesco”, diz José Fugice, fundador da consultoria GoAkira.“E, por enquanto, ain-da estamos engatinhando.”


Leia as matérias do Especial Franquias:

Muito além da crise
O momento é de oportunidades
“O setor de franquias não tem mais espaço para aventureiros”
A força das líderes
Como evitar o fracasso