Edição nº 1112 15.03 Ver ediçõs anteriores

A aposta na maçã

A aposta na maçã

O bilionário americano Warren Buffet (à esq.) tem motivos de sobra para comemorar a valorização de mercado da Apple, que ultrapassou a marca de US$ 1 trilhão. O investidor e responsável pela holding Berkshire Hathaway tem 5,1% da participação nos negócios da fabricante do iPhone, o que dá a ele uma fatia de US$ 51 bilhões na companhia. Se Buffet está feliz da vida com o resultado de seu investimento, quem deve estar arrependido de não ter acreditado na empresa da maçã é Ronald Wayne (à dir.). Sócio dos fundadores da Apple, Steve Jobs e Steve Wozniak, o engenheiro tinha 10% das ações da empresa. Em 1976, porém, ele vendeu a fatia de volta para a empresa por US$ 800. Hoje, essa participação valeria cerca de US$ 100 bilhões.

(Nota publicada na Edição 1082 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Facebook muda o foco

Em cinco dias, o post de Mark Zuckerberg sobre a mudança estratégica do Facebook para uma plataforma baseada em privacidade já teve 39 [...]

O que vem por aí em 2050

A Aerospace Industries Association (AIA, associação de empresas aeroespaciais) lançou um relatório intitulado What’s Next for Aerospace and Defense: A Vision for 2050, em parceria com a McKinsey. Foram entrevistados 70 líderes da indústria aeroespacial, entre cientistas e especialistas, para criar um painel de quatro eixos sobre como será o segmento daqui a 30 anos. […]

Frase da semana

“Não podemos culpar a tecnologia quando cometemos erros” Tim Berners-Lee, criador da WWW (Nota publicada na Edição 1112 da Revista Dinheiro)

Inteligência Artificial na sala de aula

Alef Education, uma empresa nascida nos Emirados Árabes Unidos há apenas quatro anos e que atua em 57 escolas públicas locais, [...]

Israel deve regular criptomoedas

A ISA Securities Authority (Autoridade de Valores Mobiliários de Israel) deve lançar uma plataforma de emissão de criptomoedas [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.