Edição nº 1083 17.08 Ver ediçõs anteriores

A aposta na maçã

A aposta na maçã

O bilionário americano Warren Buffet (à esq.) tem motivos de sobra para comemorar a valorização de mercado da Apple, que ultrapassou a marca de US$ 1 trilhão. O investidor e responsável pela holding Berkshire Hathaway tem 5,1% da participação nos negócios da fabricante do iPhone, o que dá a ele uma fatia de US$ 51 bilhões na companhia. Se Buffet está feliz da vida com o resultado de seu investimento, quem deve estar arrependido de não ter acreditado na empresa da maçã é Ronald Wayne (à dir.). Sócio dos fundadores da Apple, Steve Jobs e Steve Wozniak, o engenheiro tinha 10% das ações da empresa. Em 1976, porém, ele vendeu a fatia de volta para a empresa por US$ 800. Hoje, essa participação valeria cerca de US$ 100 bilhões.

(Nota publicada na Edição 1082 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Dados mais seguros

Em evento na terça-feira 14, o presidente Michel Temer sancionou a Lei Geral de Proteção de Dados no Brasil. Baseado no projeto [...]

Crédito, débito ou maçã?

(Nota publicada na Edição 1083 da Revista Dinheiro)

Receita Internacional

Com 20% de sua receita de R$ 412 milhões no exterior, a brasileira Bematech, empresa do grupo Totvs, segue reforçando sua atuação nos [...]

Mineradores anônimos

Pelo menos 200 mil roteadores vendidos no Brasil pela empresa MikroTik, com sede na Letônia, foram afetados por uma falha que permitia [...]

US$ 5,3

É o valor em bilhões que foram gastos por brasileiros em compras pela internet no exterior, no primeiro semestre de 2018. Isso equivale a 56% de um total de US$ 8,8 bilhões em aquisições pelo e-commerce Fonte: Visa Consulting & Analytics e Banco Central (Nota publicada na Edição 1083 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.