A Amazon quer jogar

A Amazon quer jogar

A companhia de Jeff Bezos está de olho no mercado de streaming. E isso não significa apenas investir no Prime, o seu serviço de reprodução de filmes e séries pela internet e que rivaliza com a Netflix. De acordo com o site americano The Information, a Amazon conversa com diferentes distribuidoras para criar uma plataforma online focada em jogos. A ideia não é nova. Em outubro do ano passado, a Microsoft lançou o serviço xCloud no mercado para permitir que títulos do console Xbox pudessem rodar também em computadores, smartphones e tablets. Para rivalizar com a gigante de Redmond, a Amazon aposta em sua liderança absoluta no mercado de computação em nuvem. A empresa detém uma fatia de 32% do
segmento, contra 17% da rival.

(Nota publicada na Edição 1104 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Microsoft apoia empreendedorismo feminino no Brasil

As mulheres ainda não têm presença marcante no empreendedorismo digital – e isso não é segredo para ninguém. Elas são apenas 15,7% dos [...]

Celular, o preferido dos americanos para notícias

Cada vez mais usuários de internet leem notícias pelo smartphone, em detrimento de desktop e laptop. Pelo menos entre os [...]

Tubi, na Amazon

A plataforma de streaming de video Tubi agora está disponível nos dispositivos Amazon Echo Show. Claro, por enquanto, nos EUA. É o primeiro serviço de vídeo gratuito (financiado por anúncios) oferecido no streaming da Amazon. Agora, o usuário americano manda o Alexa – comando de voz do mega e-commerce – passar o filme. O Tubi […]

Sustômetro

O guia Mozilla dos dispositivos mais “assustadores” começa com esta pergunta: “O quão assustador (creepy) é aquele alto-falante [...]

Os brasileiros e os influenciadores digitais

A julgar por pesquisa realizada pela Spark, empresa de marketing de influência, em parceria com o Instituto Qualibest, de pesquisas [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.