Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

A Amazon entra para o clube do trilhão

A Amazon entra para o clube do trilhão

A Amazon é a terceira empresa do mundo a atingir valor de mercado de US$ 1 trilhão. O feito foi registrado na terça-feira 4, quando as ações da varejista tiveram alta de 1,9% e chegaram a ser negociadas por US$ 2.050,26 cada. O recorde não empolga apenas Jeff Bezos, fundador e CEO da companhia e homem mais rico do planeta, com fortuna estimada em US$ 150 bilhões pela Bloomberg. Os acionistas da Amazon também têm motivos de sobra para comemorar. Em setembro do ano passado, a empresa estava avaliada em US$ 469 bilhões, o que mostra um crescimento de 113% no período. O clube do trilhão foi inaugurado em 2007 pela chinesa Petrochina – que, na terça, valia US$ 210,1 bilhões. No mês passado, a Apple se tornou a primeira empresa de tecnologia a registrar valor de mercado de 12 dígitos. A empresa da maçã está avaliada em US$ 1,1 trilhão.

(Nota publicada na Edição 1086 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O mea culpa do Google

Demorou, mas o Vale do Silício parece estar finalmente tomando atitudes mais rigorosas em relação a casos de assédio. O CEO do Google, [...]

Do console à nuvem

(Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Começo promissor

A startup brasileira Olho do Dono foi considerada a mais promissora do continente na primeira edição TechCrunch Battlefield com [...]

A Ameaça alemã ao Tesla

A Volkswagen quer competir de frente com a Tesla, fabricante americana de automóveis elétricos. A empresa alemã pretende discutir um [...]

1,455 bilhão

É a queantia de smartphones serão vendidos no mundo em 2018, queda de 0,7% sobre 2017. mas a curva voltará a subir. estima-se 1,646 bilhão de aparelhos em 2022. (Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.