Edição nº 1150 09.12 Ver ediçõs anteriores

5G na América Latina tende para Huawei

5G na América Latina tende para Huawei

Não deve ter sucesso as contundentes investidas do governo Donald Trump de brecar a presença da chinesa Huawei na instalação de redes 5G na América Latina. E é justamente o Brasil de Jair Bolsonaro, aliado declarado do presidente americano, quem lidera essa resistência, de acordo com reportagem do Financial Times. Um dos motivos da posição brasileira seria reflexo de pressões do setor agrícola, que tem na China um forte comprador. O vice-presidente, Hamilton Mourão, disse que o País vê a “Huawei com bons olhos”. O Brasil e as outras duas maiores economias da região – México e Argentina – devem decidir até o começo de 2020 se vão permitir que a Huawei participe da infraestrutura móvel 5G. Analistas afirmam que os chineses possuem o melhor equipamento e que não há fornecedor americano capaz de competir com eles na América Latina. Os únicos outros provedores viáveis ​​seriam Ericsson, Nokia e Samsung, que custariam mais. Pesa também aos governos da América Latina, onde o crescimento econômico está instável, os acenos de maciços investimentos e financiamentos partindo dos chineses.

(Nota publicada na Edição 1125 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Microsoft apoia empreendedorismo feminino no Brasil

As mulheres ainda não têm presença marcante no empreendedorismo digital – e isso não é segredo para ninguém. Elas são apenas 15,7% dos [...]

Celular, o preferido dos americanos para notícias

Cada vez mais usuários de internet leem notícias pelo smartphone, em detrimento de desktop e laptop. Pelo menos entre os [...]

Tubi, na Amazon

A plataforma de streaming de video Tubi agora está disponível nos dispositivos Amazon Echo Show. Claro, por enquanto, nos EUA. É o primeiro serviço de vídeo gratuito (financiado por anúncios) oferecido no streaming da Amazon. Agora, o usuário americano manda o Alexa – comando de voz do mega e-commerce – passar o filme. O Tubi […]

Sustômetro

O guia Mozilla dos dispositivos mais “assustadores” começa com esta pergunta: “O quão assustador (creepy) é aquele alto-falante [...]

Os brasileiros e os influenciadores digitais

A julgar por pesquisa realizada pela Spark, empresa de marketing de influência, em parceria com o Instituto Qualibest, de pesquisas [...]
Ver mais