Giro

5G: entenda quando sua internet vai ficar mais rápida

Crédito: Pexels

Corrida pelo 5G já começou em todo o mundo e Brasil iniciou processo nesta semana (Crédito: Pexels)



Iniciado nesta quinta-feira (4) e finalizado nesta sexta (5) – embora com lotes sem ofertas -, o leilão do 5G no Brasil ainda vai se desdobrar em muitos negócios até que as operadoras iniciem o processo de instalação da infraestrutura necessária para a tecnologia chegar às pessoas.

Pelo cronograma da Anatel, o 5G deve começar a funcionar nas capitais do País até julho de 2022, mas a malha é extensa e muitas cidades devem receber a tecnologia ainda mais para frente.

+ Leilão 5G: Conheça as 4 novas operadoras de telefonia celular

Esse é o caso de cidades com mais de 30 mil habitantes, que devem receber o 5G somente em julho de 2029, ou seja, daqui 8 anos. Em setembro, um dos ministros do Tribunal de Contas da União, Aroldo Cedraz, comentou que o Brasil carece de estações rádio base (ERB) – as antenas – espalhadas para a implantação de um projeto deste tamanho, tornando o prazo para a chegada do 5G no ano que vem “para inglês ver”.




Dessa forma, grandes cidades terão a tecnologia em breve, mas municípios mais distantes ainda vão levar um bom tempo para desfrutar dos benefícios da nova rede de telecomunicações.

Quando o 5G vai chegar na minha cidade?

O calendário da Anatel para a implementação da tecnologia em todas as regiões do País é o seguinte:

– 31 de julho de 2022: capitais e Distrito Federal (DF) tendo uma estação rádio base (ERB, ou antena) a cada 100 mil habitantes;


– 31 de julho de 2023: capitais e DF tendo uma ERB a cada 50 mil habitantes;

– 31 de julho de 2024: capitais e DF tendo uma ERB a cada 30 mil habitantes;

– 31 de julho de 2025: capitais e DF e cidades com mais de 500 mil habitantes tendo uma ERB a cada 10 mil habitantes;

– 31 de julho de 2026: cidades com mais de 200 mil habitantes tendo uma ERB a cada 15 mil habitantes;

– 31 de julho de 2027: cidades com mais de 100 mil habitantes tendo uma ERB a cada 15 mil habitantes;

– 31 de julho de 2028: pelo menos 50% das cidades com mais de 30 mil habitantes tendo uma ERB a cada 15 mil habitantes;

– 31 de julho de 2029: 100% das cidades com mais de 30 mil habitantes tendo uma ERB a cada 15 mil habitantes.