Economia

242 mil empresas reduziram empregados; 68,4% delas cortaram até 25% do pessoal

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Estudantes de escolas do DF visitam os estandes da 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

Na segunda quinzena de julho, 242 mil empresas reduziram a quantidade de empregados em relação à quinzena anterior, sendo que 68,4% delas diminuíram em até 25% o quadro de pessoal. Os dados são da Pesquisa Pulso Empresa: Impacto da Covid-19 nas Empresas, que integram as Estatísticas Experimentais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A maioria das empresas em funcionamento, 84,6% delas, o equivalente a 2,5 milhões de companhias, manteve o número de funcionários na segunda quinzena de julho em relação à quinzena anterior. Uma fatia de 7,9% indicaram demissões.

+ Taxa de desemprego é de 13,3% na 1ª semana do mês, aponta Pnad Covid-19 do IBGE
+ Taxa de desocupação do País sobe para 13,1% em julho, aponta PNAD Covid 19

Segundo Flávio Magheli, coordenador de Pesquisas Conjunturais em Empresas do IBGE, as empresas ainda enfrentam dificuldades de manter o quadro de funcionários.



“A gente tem um saldo positivo (de vagas) apontado pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), mas os números quantitativos absolutos de desligamentos ainda são elevados”, confirmou.

Na segunda quinzena de julho, 55,0% das empresas em funcionamento não tiveram alteração significativa na sua capacidade de fabricar produtos ou atender clientes, mas 33,1% relataram dificuldades, enquanto 11,6% registraram facilidades.

Quanto ao acesso aos fornecedores, 44,8% não perceberam alteração significativa, mas 45,3% tiveram dificuldades.

Cerca de 38,9% das empresas em funcionamento reportaram dificuldades em realizar pagamentos de rotina na segunda quinzena de julho, enquanto 49,7% consideraram que não houve alteração significativa.

Entre as ações adotadas para atenuar os efeitos da pandemia do novo coronavírus nos negócios, 93,0% das empresas em funcionamento declararam ter implementado ações de prevenção e manutenção de medidas extras de higiene.

Entre as empresas em funcionamento, 34,9% mantiveram funcionários em trabalho domiciliar (teletrabalho, trabalho remoto e trabalho à distância), e 20,3% anteciparam férias dos empregados.

Uma fatia de 29,1% das empresas declarou ter alterado o método de entrega de seus produtos ou serviços, enquanto 16,2% lançaram ou passaram a comercializar novos produtos ou serviços na segunda quinzena de julho.

Entre as companhias em atividade, 30,5% adiaram o pagamento de impostos e 11,4% conseguiram uma linha de crédito emergencial para o pagamento da folha salarial.

Na segunda quinzena de julho, 30,2% das empresas afirmaram que foram apoiadas pela autoridade governamental na adoção de medidas emergenciais contra a pandemia.

Essa percepção de apoio dos governos foi mais elevada entre as companhias que adiaram o pagamento de impostos (60,8% delas) e entre as que conseguiram linhas de crédito para o pagamento da folha salarial (87,4%).

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km