2020 será o ano do crédito. Isso é bom?

2020 será o ano do crédito. Isso é bom?

O crédito será o combustível da economia em 2020

Olá, pessoal! Tudo bem? No apagar das luzes de 2019, gostaria de escrever algumas linhas sobre 2020. Conforme tenho repetido em artigos e palestras, eu estou otimista com o futuro econômico do Brasil, embora jamais deixe de ressaltar que as turbulências políticas podem atrapalhar tudo. No meu último artigo aqui, na ISTOÉ Dinheiro, salientei que o Brasil já está crescendo o dobro do Pibinho de 1% registrado nos últimos anos. Vamos iniciar 2020 no ritmo de 2%, podendo chegar a uma expansão média de 2,5% no ano graças ao crédito mais farto e barato. Não se trata de nenhum crescimento chinês, mas é um alívio para os brasileiros que vivenciaram, nesta década, a maior recessão da história do País.

O grande motor da retomada econômica tem sido o consumo das famílias, enquanto o governo se esforça (felizmente) para cortar os seus gastos. O mercado de trabalho formal começa a dar sinais de recuperação, mas o drama social permanece para 11,9 milhões de desempregados e 4,7 milhões de desalentados (pessoas que desistiram de procurar emprego). Sem falar nos 26,6 milhões de subutilizados…

Com a retomada gradual do emprego, a renda dos trabalhadores tende a melhorar, mas, em 2020, o verdadeiro combustível aditivado para o motor da economia será o crédito. Por um lado, os bancos liberam mais empréstimos ao enxergar um horizonte promissor. O raciocínio é simples: se o mercado de trabalho está melhorando, o risco de calotes (inadimplência) diminui. Por outro lado, os consumidores ficam mais confiantes na manutenção dos seus empregos ou na conquista de uma nova vaga. Essa confiança se traduz na decisão de contrair um financiamento.

Conversei sobre esse tema com Nicola Tingas, um dos mais renomados especialistas em crédito do Brasil. Tingas, que é economista-chefe da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), ressalta a importância de a queda dos juros básicos (a Selic está no menor patamar da história: 4,5% ao ano) chegar até a ponta, atraindo consumidores e empresários de todos os portes. “A expansão da oferta de crédito tem sido bem mais robusta que outros indicadores de recuperação econômica, por conta do estímulo do Banco Central para a ampliação das condições de competição e oferta de crédito ampliada do Sistema Financeiro Nacional”, diz o economista-chefe da Acrefi.

Conforme enuncia o título deste artigo, 2020 será, sim, o ano do crédito. Aliás, o crédito já começou a brilhar em 2019 e foi um dos responsáveis pelo ótimo desempenho do comércio neste Natal. Deixei no ar a seguinte pergunta: isso é bom? Para que essa expansão acelerada do crédito seja realmente positiva e não se transforme numa bolha de inadimplência, é fundamental que o mercado de trabalho não pare de gerar emprego e renda. Caso contrário, o consumo financiado de hoje se transformará na dívida impagável de amanhã. Para que o ciclo econômico seja completo, sem bolhas, é fundamental que os investimentos acompanhem essa onda de consumo. Como bem nos ensina o economista Tingas, “recuperação cíclica é diferente de crescimento sustentável”. Se os políticos não atrapalharem, desta vez, a recuperação pode ser sustentável.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Luís Artur Nogueira é jornalista, economista e palestrante. Está no mercado há mais de 20 anos


Mais colunas e blogs


Mais posts

Dá para ser otimista com o 2º semestre?

Olá, pessoal! Tudo bem? No nosso último artigo, eu salientei que o ano havia começado com um quadro ruim em relação à pandemia – [...]

Os juros precisam subir em 2021?

Olá, pessoal! Tudo bem? O ano começou com notícias ruins em relação à pandemia – explosão de casos e baixo volume de vacinas. Na minha [...]

Brincar com a inflação é brincar com fogo

Olá, pessoal! Tudo bem? O Plano Real completará 27 anos em 2021. Para os mais experientes, que vivenciaram o período da hiperinflação, [...]

O grande desafio econômico de 2021

Olá, pessoal! Tudo bem? O jogo econômico de 2020 já está em sua reta final. Não há mais tempo para evitar uma derrota acachapante – no [...]

Guedes liberal, sim! CPMF, não!

Olá, pessoal! Tudo bem? Gostaria de abordar neste artigo dois assuntos que estão pegando fogo. O enfraquecimento do ministro Paulo [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.