Investidores

139

Foi o número de pontos-base (centésimos de ponto percentual) do risco Brasil, medido pelo prêmio dos contratos de credit default swap (CDS) com prazo de cinco anos no fechamento da terça-feira 9. Esse número indica um prêmio de 1,39% ao ano em relação aos títulos do Tesouro americano de prazo equivalente, e é o menor nível desde 11 de setembro de 2014, antes do início da turbulência política e quando o Brasil ainda possuía grau de investimento. Em setembro de 2018, durante o período pré-eleitoral, o CDS atingiu o pico recente de 311 pontos. O que vem sustentando a queda consistente do prêmio de risco é a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência. Com a possibilidade de saneamento das contas públicas, o risco de calote dos papéis brasileiros diminui. Isso amplia o apetite dos investidores internacionais e derruba o prêmio de risco exigido por eles para investir. A consequência é a baixa na taxa dos CDS.

0,63% – Foi a inflação de junho medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), informou a FGV na terça-feira 9. A variação dos preços subiu ante os 0,40% registrados em maio, devido principalmente à alta de preços das commodities, como o minério de ferro, que subiu 9,95%. Em junho, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que representa 60% do IGP-DI, registrou uma inflação de 0,83%, ante os 0,52% de maio.

64% – É o percentual de famílias brasileiras que disseram estar endividadas em junho, informou a Confederação Nacional do Comércio (CNC) na terça-feira 9. O indicador registrou uma leve alta ante os 63,4% registrado em maio, e um avanço mais significativo em relação aos 58,6% registrados em junho de 2018. O patamar de junho é o mais elevado desde os 65,2% registrados em julho de 2013.

1,82% – Foi o ganho dos fundos de hedge internacionais em junho, informou a consultoria especializada EurekaHedge na segunda-feira 8. Segundo a consultoria, que acompanha 29,4 mil fundos ao redor do mundo, a distensão nas negociações comerciais entre China e Estados Unidos e a perspectiva de queda dos juros sustentaram a valorização dos fundos.