Giro

Reuters. EUA e China entram em acordo para encerrar batalha de 15 meses

Reuters. Estados Unidos e China acertaram nesta sexta-feira a primeira fase de um acordo para encerrar a guerra comercial iniciada por Washington, o que levou o presidente Donald Trump a suspender uma elevação de tarifas de importação. Autoridades disseram, no entanto, que o entendimento ainda precisa ser oficializado e que uma finalização do pacto ainda demandará mais trabalho.

No Brasil os reflexos foram imediatos. O dólar recuo a R$ 4,09 e o ibovespa teve alta de 1,98% (na semana fechou com elevação de 1,25%).

O acordo, ainda parcial, tratou de compras agrícolas, moeda e alguns aspectos de proteção à propriedade intelectual. Mas foi o maior passo para resolver a guerra tarifária iniciada há 15 meses entre as duas maiores economias do mundo – o que levou a atingir a produção e os mercados financeiros pelo mundo, desacelerando o crescimento global.

O anúncio, contudo, não incluiu vários detalhes e Trump disse que levará cinco semanas para que o acordo seja redigido. “Não vamos assinar um acordo a não ser que ele esteja no papel, e possamos dizer isso ao presidente”, afirmou o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, enquanto os dois lados se reuniam com Trump na Casa Branca.

Com o vice premiê da China, Liu He, sentado à sua frente no Salão Oval, Trump disse a jornalistas que os dois lados estavam muito perto de colocar um fim à guerra comercial. “Houve muita fricção entre os Estados Unidos e a China, e agora é amor. Isso é uma coisa boa”, afirmou.