Geral

A íntegra do post de Jeff Bezos em sua guerra contra uma chantagem

A íntegra do post de Jeff Bezos em sua guerra contra uma chantagem

Ser o homem mais rico do mundo (patrimônio de US$ 130 bilhões) não bastou para deixar Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon e dono do jornal The Washington Post, imune a ameaças. No caso, uma suposta tentativa de chantagem e extorsão. Em janeiro, dia 9, ele anunciou no Twitter sua separação de Mackenzie Bezos, com quem tem quatro filhos e um casamento de 26 anos. Imediatamente depois, o veículo sensacionalista The National Enquirer publicou 11 páginas sobre o caso extraconjugal de Bezos e Laura Sanchez, empresária e ex-apresentadora de TV. Nesta semana, o megaempresário escancarou uma história ainda mais profunda. Bezos entrou no ringue. E mostrou que mais que fotos e mensagens íntimas há ingredientes que chegam até a Donald Trump. Reportagem de sexta-feira (8) do The New York Times diz que “ele não se tornou o homem mais rico do mundo ao se recusar a fazer o que é preciso para vencer, e o empresário está mostrando a mesma motivação que o ajudou a transformar uma ideia simples – vender livros na internet – em uma usina multicoisas de US$ 780 bilhões”. Ele atacou a American Media exatamente onde dói – sua posição legal instável. Se a American Media infringir uma lei, qualquer lei, estaria violando um acordo com promotores federais de Nova York. O acordo foi fechado em setembro depois que a American Media admitiu ter pagado durante a campanha presidencial de 2016 para proteger Donald J. Trump das alegações de um caso. Sob o acordo, a empresa não seria processada por seus esforços relacionados a Trump, desde que permanecesse fora de problemas legais pelos próximos três anos. E o primeiro grande tiro de Bezos na luta foi dado quinta-feira (8) em sua conta no Medium, num texto intitulado “No thank you, Mr Pecker”. A seguir, a íntegra do post que já tem mais de 207 mil likes.

Algo incomum aconteceu comigo ontem. Na verdade, para mim não foi apenas incomum – foi a primeira vez. Fiz uma oferta que eu não poderia recusar. Ou pelo menos é o que as pessoas do comando da National Enquirer pensavam. Fico feliz que eles pensassem assim, porque os encorajou a colocar tudo por escrito. Em vez de ceder a extorsão e chantagem, decidi publicar exatamente o que eles me enviaram, apesar do custo pessoal e do embaraço.

A AMI, dona do National Enquirer, liderada por David Pecker, recentemente entrou em um acordo de imunidade com o Departamento de Justiça relacionado ao seu papel no chamado processo Catch and Kill (pegar e matar) em nome do presidente Trump e sua campanha eleitoral. O Sr. Pecker e sua empresa também foram investigados por várias ações que tomaram a favor do governo saudita.

E às vezes o Sr. Pecker mistura tudo:

“Depois que o Sr. Trump se tornou presidente, ele recompensou a lealdade de Pecker com um jantar da Casa Branca para o qual o executivo de mídia trouxe um convidado com laços importantes com a realeza na Arábia Saudita. Na época, o Sr. Pecker estava fazendo negócios lá enquanto também procurava financiamento para aquisições…”

Bezos publica aqui um link para reportagem do The New York Times.

Investigadores federais e meios de comunicação legítimos, é claro, suspeitaram e provaram que o Sr. Pecker usou o Enquirer e a AMI por razões políticas. E ainda assim a AMI continua alegando o contrário:

“American Media rejeita enfaticamente qualquer afirmação de que suas reportagens foram pautadas, ditadas ou influenciadas de qualquer maneira por forças externas, políticas ou de outra forma.”

Claro, a mídia legítima tem desafiado essa afirmação há muito tempo:

Bezos publica link para reportagem da AP.

Eu não sabia muito sobre isso algumas semanas atrás, quando mensagens íntimas minhas foram publicadas no National Enquirer. Contratei investigadores para descobrir como essas mensagens foram obtidas e para determinar os motivos para as muitas ações incomuns tomadas pelo Enquirer. Agora existem várias investigações independentes examinando esse assunto.

Para conduzir minha investigação, mantive Gavin de Becker. Eu conheço o Sr. de Becker há vinte anos, sua experiência nessa área é excelente e ele é um dos líderes mais inteligentes e mais capazes que conheço. Pedi-lhe que priorizasse proteger meu tempo, pois tenho outras coisas nas quais prefiro trabalhar e que usasse qualquer orçamento que precisasse para investigar os fatos sobre esse assunto.

Um contexto: ser dono do Washington Post é um complicador para mim. É inevitável que certas pessoas poderosas que sofrem a cobertura noticiosa do Washington Post concluam erroneamente que eu sou seu inimigo. O presidente Trump é uma dessas pessoas, o que fica óbvio por seus muitos tweets. Além disso, a cobertura essencial e implacável do Post sobre o assassinato de seu colunista Jamal Khashoggi é indubitavelmente impopular em certos círculos.

(Embora o The Post seja um complicar para mim, não me arrependo de nada do meu investimento. O Post é uma instituição crítica com uma missão crítica. Minha administração do The Post e meu apoio à sua missão, que permanecerá inabalável, é algo de que ficarei muito orgulhoso quando tiver 90 anos e olhar minha vida, se tiver a sorte de viver tanto tempo, independentemente de qualquer complexidade que isso crie para mim.)

De volta à história: alguns dias atrás, um dirigente da AMI nos informou que o Sr. Pecker estava “apoplético” sobre a nossa investigação. Por razões que ainda precisam ser melhor entendidas, a questão saudita parece atingir um nervo particularmente sensível.

Alguns dias depois de ouvir sobre a apoplexia de Pecker, fomos procurados, verbalmente a princípio, com uma proposta. Eles disseram que tinham mais mensagens de texto e fotos que publicariam se não interrompêssemos nossa investigação.

Meus advogados argumentaram que a AMI não tem o direito de publicar fotos, já que qualquer pessoa detém os direitos autorais de suas próprias fotos, e uma vez que as fotos em si não acrescentam nada digno de nota.

A alegação de noticiabilidade da AMI é de que as fotos são necessárias para mostrar aos acionistas da Amazon que minhas decisões comerciais são péssimas. Eu fundei a Amazon na minha garagem há 24 anos e levava pessoalmente as encomendas para os correios. Hoje, a Amazon emprega mais de 600.000 pessoas, acaba de concluir seu ano mais lucrativo de todos os tempos, mesmo investindo pesadamente em novas iniciativas, e geralmente fica em algum lugar entre a empresa número 1 e a 5ª mais valiosa do mundo. Eu deixarei esses resultados falarem por si mesmos.

OK, de volta a sua ameaça de publicar fotos íntimas minhas. Eu acho que nós (eu, meus advogados e Gavin de Becker) não reagimos à ameaça com muito medo, então eles enviaram isto:

De: Howard, Dylan [dhoward@amilink.com] (Chief Content Officer, AMI)

Enviada: terça-feira, 5 de fevereiro de 2019 15:33

Para: Martin Singer (consultor jurídico do Sr. de Becker)

Assunto: Fotos de Jeff Bezos & Ms. Lauren Sanchez

CONFIDENCIAL E NÃO PARA DISTRIBUIÇÃO

Marty:

Eu estou saindo do escritório. Eu estarei disponível no meu celular – 917 XXX-XXXX.

No entanto, no interesse de agilizar essa situação, e com o The Washington Post prestes a publicar rumores infundados sobre The National Enquirer, eu gostaria de descrever para você as fotos obtidas durante a nossa apuração.

Além do “abaixo da cintura” Enquirer obteve mais nove imagens:

  • O Sr. Bezos faz uma selfie no que parece ser uma reunião de negócios.
  • Resposta da Sra. Sanchez – uma fotografia dela fumando um charuto no que parece ser uma cena de sexo oral simulada.
  • Sr. Bezos sem camisa, segurando seu telefone na mão esquerda – enquanto usava sua aliança de casamento. Ele está usando calça cargo preta apertada ou shorts – e sua masculinidade semiereta aparece no zíper da dita roupa.
  • Selfie de corpo inteiro do Sr. Bezos vestindo apenas um par de cuecas boxer pretas apertadas, com o telefone na mão esquerda – enquanto usava sua aliança de casamento.
  • Selfie do Sr. Bezos completamente vestido.
  • De corpo inteiro.
  • Uma selfie num banheiro – enquanto usava sua aliança de casamento. Bezos não está usando nada além de uma toalha branca – e o alto de sua região pubiana pode ser visto.
  • Sra. Sanchez usando um vestido vermelho revelando seu decote.
  • Sra. Sanchez usando biquíni vermelho de duas peças com vestido de detalhes dourados revelando seu decote.

Não daria a nenhum editor o prazer de enviar este email. Espero que o bom senso possa prevalecer – e rapidamente.

Dylan

Bem, isso chamou minha atenção. Mas não da maneira que eles provavelmente esperavam. Qualquer constrangimento pessoal que a AMI possa causar me prejudica porque há um assunto muito mais importante envolvido aqui. Se na minha posição eu não posso resistir a esse tipo de extorsão, quantas pessoas conseguem? (Nesse ponto, várias pessoas entraram em contato com nossa equipe de investigação sobre suas experiências similares com a AMI e como precisavam capitular porque, por exemplo, seus meios de subsistência estavam em jogo.)

Nas mensagens da AMI que estou tornando públicas, você verá os detalhes precisos de sua proposta extorsiva: eles publicarão as fotos pessoais, a menos que Gavin de Becker e eu façamos uma declaração pública falsa à imprensa de que “não temos conhecimento ou base para sugerir que a cobertura da AMI é politicamente motivada ou influenciada por forças políticas ”.

Se não concordarmos em divulgar afirmativamente essa mentira, eles publicarão as fotos imediatamente. E há uma ameaça associada: eles manterão as fotos à mão e as publicarão no futuro, se em algum momento nos desviarmos dessa mentira.

Tenho certeza: nenhum jornalista de verdade jamais propôs algo parecido com o que está acontecendo aqui: eu não vou publicar informações embaraçosas sobre você se você fizer X por mim. E se você não fizer X rapidamente, tornaremos públicas as informações embaraçosas.

Nada que eu pudesse escrever aqui poderia contar a história do National Enquirer tão eloquentemente quanto suas próprias palavras abaixo.

Essas conversas consolidam a reputação de longa data da AMI de usar privilégios jornalísticos, escondendo-se atrás de importantes proteções e ignorando os princípios e o propósito do verdadeiro jornalismo. É claro que não quero fotos pessoais publicadas, mas também não participarei de sua conhecida prática de chantagem, favores políticos, ataques e corrupção. Eu prefiro ficar de pé, rolar este post e ver no que dá.

Atenciosamente,

Jeff Bezos

 

De: Fine, Jon [jfine@amilink.com] (vice-conselheiro geral, AMI)

Enviada: quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019 às 17:57

Para: Martin Singer (advogado do Sr. de Becker)

Assunto: Re: EXTERNAL * RE: Bezos e cols / American Media e cols.

Marty –

Aqui estão os nossos termos propostos:

  1. Uma liberação em comum total e completa de todas as reivindicações que a American Media, por um lado, e Jeff Bezos e Gavin de Becker (as “Partes de Bezos”), por outro lado, podem ter uns contra os outros.
  2. Um reconhecimento público, e feito de comum acordo, das Partes de Bezos divulgado através de um comunicado afirmando que eles não têm conhecimento ou base para sugerir que a cobertura da AM foi politicamente motivada ou influenciada por forças políticas, e um acordo que eles deixarão de se referir a tal possibilidade.
  3. AM concorda em não publicar, distribuir, compartilhar ou descrever textos e fotos não publicados (os “Materiais Não Publicados”).
  4. A AM afirma que não realizou escutas eletrônicas relacionadas a seus relatórios e não tem conhecimento de tal conduta.
  5. O acordo é totalmente confidencial.
  6. No caso de uma violação do acordo por uma ou mais Partes do Bezos, a AM é liberada de suas obrigações sob o acordo, e pode publicar os Materiais Não-publicados.
  7. Quaisquer outros litígios decorrentes deste acordo devem primeiro ser submetidos à mediação da JAMS (mediação e arbitragem) na Califórnia.

Obrigado,

Jon

Conselheiro Geral Adjunto

American Media, LLC

Jon P. Fine

Conselheiro Geral Adjunto, Mídia

O: (212) 743-6513 C: (347) 920-6541

jfine@amilink.com

5 de fevereiro de 2019

 

Via email:

mdsinger @ xxxxx

Martin D. Singer

Laveley e Singer

Re: Jeff Bezos / American Media, LLC, et al.

 

Caro Sr. Singer:

Escrevo em resposta à sua mensagem de 4 de fevereiro de 2019 a Dylan Howard, e para tratar das preocupações que temos com relação às contínuas atividades difamatórias de seu cliente e seus representantes em relação às motivações da American Media em suas reportagens recentes sobre seu cliente.

Como questão principal, informamos que nossas apurações de notícias e reportagens sobre assuntos que envolvem seu cliente, incluindo qualquer uso das “fotografias particulares” de seu cliente, foram e continuarão sendo consistentes com as leis aplicáveis. Como você sabe, “o uso correto de um trabalho protegido por direitos autorais, incluindo tal uso por reprodução… para fins como críticas, comentários, reportagens… não é uma violação de direitos autorais.” 17 USC Sec. 107. Com milhões de americanos tendo interesse no sucesso da Amazon, da qual seu cliente continua sendo o fundador e CEO, uma investigação sobre a capacidade de julgamento de Bezos, conforme refletido por suas mensagens e fotos, é de fato de interesse público.

Além das questões de direito autoral que você levanta, também achamos necessário abordar várias declarações difamatórias infundadas e rumores grosseiros atribuídos aos representantes de seus clientes na imprensa, sugerindo que “fortes ligações apontam para motivos políticos” na publicação da história do The National Enquirer. De fato, você mesmo declarou que os “fundamentos politicamente motivados” de nossas matérias são “autoevidentes” em sua mensagem em nome do Sr. de Becker para o Sr. Howard datada de 31 de janeiro de 2019.

Mais uma vez, como eu avisei em minha resposta de 1º de fevereiro à sua correspondência de 31 de janeiro, a American Media rejeita enfaticamente qualquer afirmação de que sua reportagem foi movida, ditada ou influenciada de qualquer maneira por forças externas, políticas ou não. Simplificando, esta foi e é uma notícia.

No entanto, é nosso entendimento que os representantes do seu cliente, incluindo o Washington Post, continuam a buscar e disseminar essas alegações falsas e espúrias de uma maneira prejudicial à American Media e seus executivos.

Assim, nós, por este meio, exigimos que você pare e desista de tal conduta difamatória imediatamente. Qualquer disseminação posterior dessas declarações falsas, viciosas, especulativas e infundadas é feita por conta e risco do seu cliente. Ausente a cessação imediata da conduta difamatória, não teremos outra escolha senão procurar todos os recursos disponíveis sob a lei.

Como aconselhei anteriormente, defendemos a legalidade de nossa apuração de notícias e relatórios sobre esse assunto de interesse e preocupação públicos. Além disso, a American Media não é impedida de continuar suas matérias sobre uma história que é inequivocamente de interesse público – uma posição que Bezos claramente aprecia como refletido na carta de Boies Schiller de 9 de janeiro à American Media afirmando que seu cliente “não pretende desencorajar reportagens” sobre ele e “apoia os esforços jornalísticos”.

Dito isso, se o seu cliente concordar em interromper e desistir desse comportamento difamatório, estaremos dispostos a nos engajar em conversas construtivas em relação a mensagens e fotos que temos em nosso poder. Dylan Howard está pronto para discutir o assunto conforme sua conveniência.

Atenciosamente,

https://medium.com/@jeffreypbezos/no-thank-you-mr-pecker-146e3922310f