Negócios

XP: Venda ao Itaú leva Guilherme Benchimol ao topo do mundo

Uma salinha em Porto Alegre. R$ 15 mil em capital. Quatro sócios e quatro computadores usados. Começando de baixo, o administrador de empresas carioca criou um negócio que revolucionou a maneira de investir no Brasil e obrigou os bancos a se mexerem

Crédito: Claudio Belli/Valor

Guilherme Benchimol, sócio da XP Investimentos: “Estávamos preparando uma abertura de capital, mas a vida nos prega surpresas.” (Crédito: Claudio Belli/Valor)

Pouquíssimos frequentadores da sede do Itaú Unibanco, no Jabaquara, sabiam da negociação para a compra da XP Investimentos. Conduzidas por Roberto Setubal e pelo diretor Fernando Della Torre Chagas, as tratativas envolveram horas de reuniões, muitas delas na sede do escritório de advocacia Barbosa, Müssnich, Aragão, na região da Faria Lima. O negócio seria confirmado na noite da quinta-feira 11, com a compra, por R$ 6,3 bilhões, de 49,9% das ações.

DIN1018-xp3Desse total, R$ 5,7 bilhões vão para os acionistas e R$ 600 milhões de injeção de capital na XP, para pagar investimentos em tecnologia e a compra da corretora Rico, anunciada no fim de 2016. O que surpreendeu – e irritou – alguns dos executivos do banco foi que, durante as conversas, Setubal teria acenado com a possibilidade de colocar o carioca Guilherme Benchimol, um dos fundadores e principal executivo da XP, na corrida pela sucessão de Candido Bracher.

Pelos estatutos do Itaú Unibanco, o sucessor de Setubal, entronizado no início de maio, deverá deixar o cargo ao atingir a idade máxima da presidência, de 62 anos, em 2020. Apesar de a hipótese ser considerada remota, ela animou as conversas do mercado ao longo da manhã da quinta-feira. E, mais do que isso, mostra o coroamento da trajetória de Benchimol, que recebeu um banho de champanhe ao som de aplausos de sua equipe ao assinar o contrato.

A mera hipótese mostra que, aos 40 anos, o administrador de empresas que, em 2001, havia apostado R$ 15 mil para fundar uma pequena empresa para distribuir investimentos em Porto Alegre, havia chegado ao topo do mundo financeiro. “Estávamos preparando uma abertura de capital, mas a vida nos prega surpresas”, disse Benchimol em um comunicado enviado aos funcionários na manhã da sexta-feira 12.

A trajetória da XP tinha tudo para dar errado. Benchimol e seu ex-sócio Marcelo Maisonnave haviam sido dispensados da corretora InvestShop, fundada em 1999 pelo banco Bozano, Simonsen. Sem ânimo para trabalhar para os outros, resolveram empreender. Juntaram as economias, alugaram uma salinha no centro de Porto Alegre, compraram quatro computadores usados e tentaram vender ações pela internet. A empresa nasceu sem nome. “Vamos fundar a empresa XPTO”, brincava Benchimol, que depois resolveu economizar duas letras.

No começo, foi difícil atrair à Bolsa um público acostumado à poupança, ainda mais com os solavancos provocados pela primeira eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência, em 2002, e pela crise imobiliária americana, em 2008. O começo não era promissor, mas o ultramaratonista e participante de corridas de aventura Benchimol virou o jogo quando passou a oferecer duas coisas que seus clientes não tinham. A primeira foi educação financeira, inicialmente por meio de cursos e palestras, e depois virtualmente, que existe até hoje. A segunda foi acesso a produtos financeiros melhores que os oferecidos pelos bancos de varejo.

A XP ganhou tração ao convencer os investidores que os Certificados de Depósito Bancário (CDB) de bancos médios, que pagavam mais juros, eram seguros. Se o banco quebrasse, explicavam os agentes autônomos da XP, o investidor estava protegido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). “Isso fez toda a diferença”, diz Paulo Secches, presidente do instituto Officina Sophia, especializado em pesquisa de mercado no setor financeiro. “Quem investe pela internet entende os riscos e os ganhos de diversificar seus investimentos, e a segurança é um dos principais fatores de decisão.”

Agência do Itaú Unibanco: Bancos vinham perdendo competitividade para as independentes na distribuição de investimentos
Agência do Itaú Unibanco: Bancos vinham perdendo competitividade para as independentes na distribuição de investimentos (Crédito:Divulgação)

Ao atender o desejo de uma parcela crescente dos investidores por produtos financeiros melhores que os dos bancos, a XP estava no local e na hora certas. Os resultados são exuberantes. No fim de abril, a companhia – que preparava uma abertura de capital na bolsa, processo abortado pela venda para o Itaú – acumulava R$ 85 bilhões de ativos sob administração e uma participação de mercado no setor de investimento de pessoa física de 2%. A XP encerrou 2016 com patrimônio líquido de R$ 1,095 bilhão e o lucro líquido passou de R$ 43 milhões, em 2014, para R$ 251 milhões no ano passado, segundo o prospecto protocolado na quarta-feira 10 na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A XP possui 410 mil clientes ativos, atendidos por 2 mil agentes autônomos. A compra vai ocorrer por fases. A participação do Itaú na XP começa com 49,9%, pode subir para 75% em duas etapas até 2022, e chegar em 100% em 2024 ou 2033 (veja o quadro ao final da reportagem). Prova do sucesso de Benchimol foram os ganhos de seus sócios. As participações adquiridas pelo Itaú Unibanco pertencem ao fundo de private equity americano General Atlantic (GA) – que estreou no Brasil com o aporte na XP – e à gestora carioca Dynamo. Juntos, eles têm 49,5%. Os 50,5% restantes estão nas mãos de Benchimol e outros sócios da XP. GA e Dynamo compraram 33% da XP por R$ 420 milhões em 2012.

Em 2016, levaram outros 10%, por R$ 450 milhões. Assim, a GA entrou em uma XP que valia R$ 1,2 bilhão e saiu de uma que vale R$ 12 bilhões, alta de 900%. Esse número não veio por acaso. Nos últimos anos, a migração de clientes para investimentos alternativos vinha incomodando os bancos. A contraofensiva passou pela oferta de produtos de outras gestoras, a chamada arquitetura aberta. “A arquitetura aberta é irreversível na indústria de fundos, e as instituições que lutarem contra ela vão perder espaço no mercado”, diz Daniel Maeda, superintendente da CVM.

DIN1018-xp4Assim, para o Itaú, a aquisição visa contornar a perda recente dos investimentos de clientes Personalité, e também cria uma barreira para minar o crescimento de concorrentes da XP. Empresas como Guide Investimentos, Easynvest, Genial e até o BTG Pactual, lançaram suas plataformas virtuais de investimentos. O próprio Itaú incursionou nessa área, com o Itaú 360º, que vende fundos de outros bancos. “Mas levaria anos para conseguirmos ganhar uma participação relevante no mercado, e a compra da XP nos permite economizar esse tempo”, diz um executivo do banco. “Vamos manter a operação independente”, disse Marcelo Kopel, diretor de Relações com Investidores do Itaú, em uma teleconferência com analistas na manhã da sexta-feira 12.

Para ele, as principais vantagens são que a operação consome pouco capital do banco e permite maior flexibilidade. A transação deve movimentar ainda mais esse mercado e fazer outras corretoras tentem trilhar o caminho aberto pela XP. Uma delas é a Guide Investimentos. Aline Sun, sócia da Guide, planeja aproveitar o momento para divulgar sua marca e atrair novos investidores. “A chancela do Itaú Unibanco fortalece as corretoras”, diz ela. “Aumenta a confiança dos investidores e reforça a transformação que estamos promovendo no mercado.” A corretora possui R$ 11 bilhões de ativos sob gestão e 40 mil clientes e Sun, que prepara sua primeira campanha publicitária, resolver acelerar o processo.

Fechada após pouco mais de dois meses de negociação, a compra reforça o sucesso da fórmula desenvolvida pelo Itaú na compra da Porto Seguro, em 2009. Todos no mercado cobiçavam a seguradora, mas o Itaú foi o vencedor ao oferecer o que o controlador Jayme Garfinkel mais queria: autonomia para manter a fórmula de sucesso do negócio. O mesmo valeu para o banco BMG, comprado em 2012 por meio de uma joint-venture negociada em tempo recorde por Setubal e a família mineira Pentagna Guimarães. Agora, o novo desafio para Benchimol será convencer seus clientes que, mesmo sendo controlado por um banco, ele não deixará de lado os princípios que o levaram ao topo do mundo.

DIN1018-xp5