Edição nº 1019 19.05 Ver ediçõs anteriores

Usurpadores de ontem, investidores de hoje

A Plataforma argentina na feira de arte contemporânea ARCOmadrid que aconteceu de 22 a 26 de fevereiro, na capital espanhola, foi parte de uma estratégia de reativação das relações comerciais entre os dois países, depois de um longo período de deterioração vivido durante a os governos do casal Kirchner.

Macri e o rei da Espanha abrem a feira ARCOmadrid 2017
Macri e o rei da Espanha abrem a feira ARCOmadrid 2017

À visita do presidente argentino Mauricio Macri e sua participação no fórum “Investir na Argentina” (organizado pelo jornal El País e o Grupo Prisa), com ministros argentinos e empresários espanhóis, somou-se o destaque do país latino-americano no mundo da arte, ao ganhar homenagem na 36ª edição da tradicional feira espanhola.

O sistema de país homenageado, adotado hoje por poucas grandes feiras internacionais, é usado pela ARCO com muita eficiência para ambas as partes. De um lado, atrai novas galeras participantes – agregou dez novas adeptas às duas argentinas veteranas que já participavam do evento. De outro, revela à comunidade internacional as peculiaridades de cenas artísticas de mercados emergentes.

O panorama da arte argentina em Madri trouxe à tona 12 galerias de Buenos Aires. Enquanto a imprensa internacional buscava pistas para compor uma identidade nítida para a região, a artista Leticia Obeid declarava, em vídeo exibido no estande da galeria portenha La Isla Flotante: “No somos índios ni europeos, sino una mistura entre los auténticos proprietários de la tierra y sus usurpadores”.

Usurpadores de ontem, investidores de hoje. O mercado espanhol é estratégico para a Argentina, que volta ao mercado europeu graças à confiança depositada no governo Macri. Essa foi a ideia mais salientada no fórum “Investir na Argentina”.

“O mundo está buscando oportunidades de negócios. Para a Argentina, trata-se de uma oportunidade única de se incorporar a uma economia de mercado”, afirmou Francisco González, presidente do BBVA no encontro.

A ARCOmadrid 2017 fechou as portas de sua 36ª edição confirmando a recuperação do mercado espanhol – após quase dez anos de recessão – e ostentando boa visitação e vendas acima da média do período de crise. Os argentinos venderam, mas também consumiram.

Entre os portenhos que marcaram presença destaca-se Eduardo Costantini, empresário do mercado imobiliário e financeiro, fundador e presidente do Malba (Museo de Arte Latinamericano de Buenos Aires) e dono do “Abaporu”, de Tarsila do Amaral, uma das obras mais importantes do modernismo brasileiro.

Entre uma dezena de aquisições importantes, Costantini incorporou à sua coleção particular uma obra do poeta concretista brasileiro Augusto de Campos (na Luciana Brito Galeria).


Mais posts

Sem decepções

Mesmo no contexto de uma das piores crises econômicas da história do Brasil, leilão supera expectativas

História da arte brasileira vai a leilão

Duzentos e catorze lotes da coleção de arte da massa falida do Banco Santos S.A. são leiloados esta semana em São Paulo

Masters e veteranos

Se nos EUA cai o interesse pelos grandes mestres do passado, no Brasil ainda é a arte moderna quem segura o mercado 

Reinventar a roda

SP-Arte abre em cenário de incertezas, enquanto galerias buscam novos modelos

Start spreading the News

Altar do dólar não inibe a expansão de galerias brasileiras para o mercado internacional. Galeria Nara Roesler e Mendes [...]
Ver mais