Dinheiro em Ação

Um susto de R$ 219 bilhões

Crédito: Felipe Dana

Papéis avulsos

O movimento no pregão da B3, na quinta-feira 18, mostra que as palavras, sim, têm valor. Para ser exato, R$ 219 bilhões. Essa foi a perda do valor de mercado de todas as empresas listadas em um único dia. Só as três principais estatais, Petrobras, Banco do Brasil e Eletrobras, viram sua capitalização encolher R$ 50,6 bilhões. O que atemorizou os investidores foi a possibilidade de que os diálogos entre o presidente Michel Temer e o CEO do grupo J&F, Joesley Batista, gravados pelo empresário que assinou uma delação premiada, lancem o governo em desordem. Mais do que temerem a saída de Temer, o que os participantes do mercado não querem nem ouvir falar é a possibilidade de que a troca de comando trave o processo de negociação das reformas, a trabalhista e a da previdência, principalmente. Mesmo com a queda dos preços, a sugestão dos especialistas é que os investidores sejam cautelosos.

DIN1019-emacao2

 

Construção

PDG reforça caixa com vendas à vista

A incorporadora PDG Realty divulgou, na terça-feira 16, um prejuízo de R$ 275,7 milhões no primeiro trimestre. Apesar da perda, foi um resultado melhor do que o prejuízo de R$ 410,48 milhões no mesmo período de 2016. A empresa preferiu as vendas à vista para fortalecer o caixa. No trimestre, as vendas brutas caíram 80%, para R$ 81 milhões, e os distratos foram de R$ 141 milhões. A PDG pediu recuperação judicial em fevereiro e o plano deverá ser entregue à Justiça até junho. No ano, as ações sobem 68,1%.

 

Touro x Urso

DIN1019-emacao3As gravações que motivaram o pedido de prisão, negado, de Aécio Neves e que lançaram suspeitas de prevaricação e obstrução da Justiça sobre o presidente Michel Temer provocaram um forte impacto no mercado. O Índice Bovespa chegou a cair 10,7% na quinta-feira 18, e fechou em queda de 8,8%. O dólar subiu, e encerrou o dia a R$ 3,38, alta de 8,1%.

 

Petróleo

Petrobras capta mais barato

Os desinvestimentos da Petrobras reavivaram o interesse dos investidores internacionais pelos bônus da empresa. Na segunda-feira 15, a estatal anunciou a captação de US$ 4 bilhões em bônus globais com vencimentos em 2022, 2027 e 2044. Os juros do papel mais curto caíram para 4,875% ao ano, ante os 6,125% de janeiro. Em maio de 2016, a Petrobras havia pago 8,625%. No ano, as ações da petroleira estatal recuam 11,6%.

 

Destaque no pregão

Lucro da Azul decola após IPO

David Neeleman
Rafael Hupsel / Ag. Istoe

Uma revolução silenciosa, em curso desde dezembro passado, turbinou os lucros da aérea Azul. No primeiro trimestre, a empresa fundada por David Neeleman lucrou R$ 53,3 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 66,9 milhões de 2016. Boa parte disso deveu-se à entrada em operação de cinco aviões Airbus modelo A320 Neo, em dezembro. Essas aeronaves consomem 20% menos combustível que os E-Jets 195, da Embraer. O querosene de aviação (QAV), cujos preços subiram 8% no primeiro trimestre, responde por mais de 40% das despesas de aéreas no Brasil, e uma redução em seu consumo impacta diretamente os lucros. Segundo Neeleman, presidente do Conselho de Administração, a companhia direcionou os E-Jets para rotas com menos de duas horas de duração e de menor densidade, e reservou os A320 para destinos com maior demanda, como as capitais “Devemos ter entre seis e oito novos A320 neste ano, o que deve elevar a oferta de assentos em até 13%”, disse ele em teleconferência na segunda-feira 15.

Palavra do analista:
Michael Linenberg, analista do Deutsche Bank, avalia que a margem operacional da empresa deverá subir para até 11% neste ano. Ele recomenda comprar as ações, com preço-alvo de R$ 31,50. Os analistas da Citi Corretora também, mas o preço-alvo é de R$ 37 por ação

 

Saneamento

Sabesp busca capital

DIN1019-emacao5A Sabesp, empresa de saneamento do Estado de São Paulo, está em busca de capital. A companhia informou para a CVM que está estudando criar uma empresa que controlará a estatal paulista. Hoje, o governo do Estado possui 50,3% das ações. A notícia fez as ações da Sabesp, que são listadas no Novo Mercado, subirem 6,8% no pregão da terça-feira 16. No ano, elas acumulam uma alta de 3,8%.

 

DIN1019-emacao6

 

Mercado em números

EUCATEX
44,8% – Foi a alta dos lucros da empresa de painéis de madeira no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2016. O lucro foi de R$ 6,4 milhões. A receita líquida aumentou 2,8%, para R$ 283,1 milhões

BRASKEM
R$ 1,9 bilhão – Foi o lucro líquido consolidado da empresa petroquímica no primeiro trimestre, uma alta de 147% em relação ao mesmo período de 2016

DEBÊNTURES
R$ 1,3 bilhão – Foi o total de debêntures incentivadas emitidas até o fim de abril, um aumento de 320% em relação ao total emitido nos quatro primeiros meses de 2016

WHIRLPOOL
R$ 91,1 milhões – Foi o lucro líquido da fabricante de eletrodomésticos nos primeiros três meses do ano. A cifra é 85,5% superior ao registrado no mesmo período de 2016

DASA
R$ 78 milhões – Foi o lucro líquido da rede de medicina diagnóstica no primeiro trimestre do ano. Um salto de mais de 500% na comparação anual