Edição nº 1011 24.03 Ver ediçõs anteriores

Um mergulho no Brasil

Um mergulho no Brasil

A americana iFly, empresa com os maiores simuladores de paraquedismo do mundo, mergulhou de cabeça no mercado nacional. Tanto é que a companhia, presente no Brasil há um ano com unidades em São Paulo e Brasília, planeja novos investimentos. “Até 2019, vamos inaugurar mais uma unidade em São Paulo e outras no Rio de Janeiro e Belo Horizonte”, diz Fabio Diniz, CEO da companhia na América Latina.

Detalhe: cada simulador demanda um investimento de cerca de R$ 30 milhões. Diante de tanta tecnologia, não é para menos. “Cada sessão dentro do simulador, dura dois minutos e equivale a três saltos de 4 mil metros de altitude, cada”, diz Diniz.

Paraquedas corporativo

O otimismo da empresa se contrapõe com a realidade encontrada no início de suas operações por aqui. “Quando fizemos o planejamento para entrar no Brasil, a taxa de desemprego era de 4% e o País crescia”, diz Diniz. Ao iniciar as operações, com investimento de R$ 60 milhões, o cenário era completamente diferente. A saída foi mudar o foco. “Nossa ideia inicial era a de que 85% do faturamento viriam de pessoas físicas e o restante do mercado corporativo.”

Hoje, 60% das receitas vêm de pessoas físicas e 40% de pessoas jurídicas em busca de eventos que fujam do lugar comum. Empresas como Nike, Qualcomm, Google, entre outras, já organizaram eventos no espaço e serviram como paraquedas para a iFly fugir do impacto negativo da economia.

(Nota publicada na Edição 1010 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Márcio Kroehn)

Mais posts

A saída da Longchamp

A grife francesa Longchamp está saindo do Brasil. E não se trata apenas da crise. Quem conhece o mercado atesta sem sombra de dúvida: [...]

O novo investimento da Barilla

A marca italiana Barilla está investindo na importação de um novo produto para o mercado brasileiro: os tradicionais biscoitos Mulino [...]

Como a Visa está se transformando em uma empresa de tecnologia

Desde agosto do ano passado, quando assumiu a presidência da Visa no Brasil, o executivo Fernando Teles passou a trabalhar [...]

Charge: carne forte

(Nota publicada na Edição 1011 da revista Dinheiro, com colaboração de: Márcio Kroehn)

Rouba monte

A crise econômica tem feito as grandes gestoras especializadas em administrar fortunas familiares (wealth management) se estapearem pelo dinheiro disponível no mercado. “Virou um trabalho de rouba monte”, diz um conhecido gestor, ao explicar o nível em que chegou a competição entre as empresas do setor. (Nota publicada na Edição 1011 da revista Dinheiro, com […]

Ver mais

Recomendadas

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.