Edição nº 1020 26.05 Ver ediçõs anteriores

Tinder empresarial

Há dois anos o financista Dan Cohen, que passou por Hedging Griffo e Banco Pine, criou a startup F(x) – lê-se “efe de xis” –, inspirada no aplicativo de relacionamentos Tinder, mas voltada aos negócios. Pois bem, o número de “encontros” triplicou desde então. A fintech coloca, de um lado, companhias que precisam de financiamento e, do outro, bancos ou fundos de investimento com crédito disponível.

Por exemplo, se uma empresa precisa de R$ 50 milhões e deseja pagar CDI mais 4% de juros, a ferramenta dotada de inteligência artificial consegue medir a taxa de sucesso, podendo até indicar alterações na proposta para aumentar a chance de aparecer um interessado. Já são R$ 350 milhões de créditos listados, que devem chegar a R$ 1 bilhão neste ano. A F(x) fica com 1% a 2% do valor dos empréstimos.

Encontro pessoal

O crescimento da operação aconteceu tanto pelo número de financiadores listados, que chegou a 90, como de companhias: são 40 que estão com toda a documentação e as garantias checadas, outras 60 estão em processo final de análise e 350 estão cadastradas, mas ainda não passaram pela prova da burocracia. Esse, aliás, é o único ponto que exige a participação humana, ou seja, visita às empresas para coleta de dados. Como acontece no Tinder, a relação só evolui depois de um cara a cara.

(Nota publicada na Edição 1010 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Márcio Kroehn)

Mais posts

O tesouro do Itaú

Parte das 15 mil obras de arte do Instituto Itaú Cultural, dono do maior acervo corporativo da América Latina e do oitavo do mundo, [...]

Espera a poeira baixar

Um experiente gestor do mercado financeiro revelou à coluna que o momento é de esperar a poeira baixar. Mas que novas denúncias prometem abalar o sistema. As mais bombásticas, diz ele, virão dos fundos de pensão das estatais. Muitos deles estão enrolados até o pescoço no emaranhado de delações envolvendo investimentos controversos em empresas brasileiras […]

Charge: Rodrigo Loures

(Nota publicada na Edição 1020 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo, Márcio Kroehn e Paula Bezerra)

Um Fies corporativo

Dados do Fórum Econômico Mundial de 2015, apontam que, dentre 124 países, o Brasil ocupa a 78a posição em qualificação da mão de obra. De olho nisso, a FundaCred, instituição gaúcha que atua no crédito educacional, intensificou a atuação de sua modalidade voltada ao universo corporativo: o CredCORP. A ideia é prover um crédito estudantil […]

Paquistanesa desiste da Abengoa

A vida não está fácil para a Abengoa. A multinacional espanhola, que está em recuperação judicial, viu um de seus potenciais [...]
Ver mais