Edição nº 1031 11.08 Ver ediçõs anteriores

Por que um País tão fechado?

Por que um País tão fechado?

A economia começa, sim, a andar no trilho. As exportações, especialmente de commodities, são responsáveis por boa parte dessa arrumação. Mas o Brasil ainda é tido e havido como um País demasiadamente protecionista, fechado a parcerias, atrasado nas negociações multilaterais, distante da globalização e de melhores posições no mercado internacional. Praticamente anda de lado quando a análise é sobre a sua presença percentual nos resultados estatísticos de participação no comercio intercontinental ao longo dos anos.

O diagnóstico demolidor foi emitido pela poderosa OMC, a organização que atua como um xerife da praça e que tem, por isso mesmo, os dados mais precisos sobre o status de cada nação nesse jogo. Diz a OMC que o Brasil não fez qualquer mudança significativa na formulação de suas políticas de exportação e importação nos últimos quatro anos. Mais grave: aponta que as empresas nacionais ficaram ao longo desse período dependentes de estímulos. E que tais incentivos – concentrados no pacote de desonerações praticadas irresponsavelmente pelo governo Dilma – não melhoraram a indústria e as demais áreas da atividade produtiva. Ao contrário.

Serviram para torná-las ainda menos eficientes e resistentes à competitividade. Em suma: os programas oficiais minaram as forças do parque local e a disposição para crescer e concorrer. Diversos setores foram afetados, da mineração aos bancos, passando inclusive pela promissora área do agronegócio. O recuo na projeção desses negócios é sentido, inclusive, com a perda de capital humano qualificado e de investimentos em pesquisa. A conta do prejuízo desse verdadeiro desmantelamento da produção brasileira ainda demora a ser paga.

Ela é maior se considerados os desvios em série via corrupção e o mau hábito, inaugurado por Lula, de criar uma espécie de clube dos campeões – grupos empresariais que eram mais beneficiados que os demais, com crédito e protecionismo, para controlar mercados. Os tais campeões de Lula foram, aos poucos, um a um, caindo em desgraça por motivos variados. E nesse rol se incluem as companhias do ex-bilionário Eike Batista e a corporação dos reis da carne, Joesley e Wesley Batista, que estão se desfazendo de várias de suas marcas.

No relatório, a OMC aponta, sem meias palavras, que o Brasil errou feio em seu modelo, que regrediu anos na área de inovação e que ainda apresenta preços demasiadamente caros nos produtos – em virtude, naturalmente, da pesada carga de impostos. No resumo do quadro, o País vai ficando na rabeira do desenvolvimento ao lado dos mais atrasados e com uma cultura cada vez mais protecionista. Não pode mais sequer figurar no plantel de emergentes. Foi o que restou depois de tantas barbaridades econômicas incensadas por gestões petistas.

(Nota publicada na Edição 1028 da Revista Dinheiro)

Mais posts

Impostos, prá que te quero!

Os patos estão na rua. Protestando, como sempre. Nem poderia ser diferente. No pêndulo de alternativas entre aumento da carga fiscal e [...]

Atraso nas votações, aumento no rombo fiscal

Passado o vendaval no Congresso, que parou tudo para julgar a denúncia contra Temer, os brasileiros, que encararam com perplexidade o [...]

Euforia com a reforma de Temer e a condenação de Lula

O mercado teve um forte ajuste no sentido positivo nos últimos dias. Os agentes econômicos precificaram para cima a conquista de Temer [...]

Chegou a conta da não reforma da Previdência

No dilema do cobertor curto, a postergação da reforma previdenciária – que vai ficando em segundo plano, dia após dia, diante de outras [...]

Economia no ritmo da política

Quais as consequências econômicas do permanente estado de instabilidade provocado pela crise política? A resposta começa a vir através [...]
Ver mais