Negócios

Os banqueiros invadem a praia da moda

Com a compra da Alpargatas, dona da marca Havaianas, por R$ 3,5 bilhões, o banqueiro Pedro Moreira Salles e as famílias Setubal e Villela fazem sua mais ousada incursão no mundo do varejo

Crédito: Stocktributor

Com o cabelo quase totalmente raspado e um indisfarçável ar de derrota, um cabisbaixo Joesley Batista, CEO do grupo J&F, assinou as centenas de páginas do contrato de venda da Alpargatas, no início da noite de quarta-feira 12. Seu irmão Wesley Batista, que comanda o frigorífico JBS, rubricava os papéis com um semblante igualmente desanimado. Os documentos foram assinados no luxuoso escritório de advocacia Viera Rezende, na avenida Faria Lima, em São Paulo, sob o olhar atento de Marcelo Barbosa, sócio do escritório e que horas depois teria seu nome confirmado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para assumir a presidência da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o xerife do mercado de capitais brasileiro, em substituição a Leonardo Pereira.

Naquele momento, por R$ 3,5 bilhões, a Alpargatas mudava de mãos. Ou, melhor, de pés. Saem de cena a encrencada família Batista. Em seu lugar, assumem o banqueiro Pedro Moreira Salles, do fundo Cambuhy e da Brasil Warrant, e as famílias Setubal e Villela, controladores da Itaúsa. Em comum, os dois são donos do banco Itaú. A partir de agora, serão também responsáveis por definir o futuro da icônica marca de sandálias Havaianas, da grife Osklen e da linha de artigos esportivos Mizuno, caso o negócio seja aprovado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Os novos donos: Pedro Moreira Salles (à esq.), do fundo Cambuhy, e Alfredo Egydio Setubal, da Itaúsa. O plano dos dois dois é diversificar seus investimentos com a compra bilionária da Alpargatas (Crédito:Claudio Gatti e João Castellano / Ag. IstoÉ)

“Não temos pressa para diversificar o nosso portfólio”, afirmou Alfredo Egydio Setubal, presidente da Itaúsa, em uma teleconferência com analistas, na sexta-feira 14. “Mas a Alpargatas foi uma oportunidade única, que surgiu de repente, e que não podíamos abrir mão”

Foi, segundo apurou a DINHEIRO, uma negociação rápida. Em meados de junho, quando ficou claro que a holding J&F teria de se desfazer de ativos para pagar a bilionária multa de seu acordo de leniência e as dívidas de curto prazo do grupo, os banqueiros do Itaú BBA receberam ordens de desengavetar as pastas com os dados da Alpargatas.

O banco de investimentos havia olhado a companhia com lupa 19 meses antes. Em novembro de 2015, quando a empreiteira Camargo Corrêa teve de se desfazer do negócio, o Cambuhy associou-se à Gávea, de Armínio Fraga, para comprar a empresa. Moreira Salles e Fraga foram atropelados pela J&F. Naquela época, os irmãos Batista conseguiram um empréstimo especial de R$ 2,7 bilhões da Caixa Econômica Federal, pagando o negócio à vista. Essa linha de crédito saiu graças a propinas pagas por Joesley, segundo depoimento à Polícia Federal de Lúcio Funaro, considerado operador do PMDB e que está preso pela operação Lava Jato. Com carência de dois anos e cobrando taxas equivalentes a 100% dos juros de mercado – só para comparar, os juros médios para empresas custam 255% dessa taxa – o financiamento permitiu à J&F arrematar a empresa. Foi uma derrota dura de engolir para os Moreira Salles.

Por esse motivo, dessa vez, uma das primeiras medidas de Moreira Salles foi a assinatura de um contrato de exclusividade para a Itaúsa e para o Cambuhy. “Isso deu tempo aos compradores de analisar os números e também o possível contencioso jurídico”, diz um participante das negociações. Além do Vieira Rezende e do banco JP Morgan, os compradores contrataram uma falange de advogados. Especialistas nas áreas cível, criminal, em direito concorrencial e também em delações premiadas esquadrinharam as encrencas dos Batista. Apesar de rápidas, as conversas não foram exatamente amigáveis. O negócio esteve à beira de fracassar. A família Batista começou a conversa pedindo R$ 4 bilhões pela Alpargatas, mas concordou em vender com um desconto de R$ 200 milhões. Numa reunião no começo da semana passada, em que participaram Pedro Moreira Salles e Marcelo Medeiros, que comandam a empresa de investimentos Cambuhy, os irmãos Batista se surpreenderam.

Time de veteranos: Márcio Utsch, presidente (à esquerda), está há 20 anos na Alpargatas. Foi ele quem comprou a grife Osklen, de Oskar Metsavaht (à direita) (Crédito:Rafael Hupsel e Jorge Bispo/Folhapress)

Ouviram da dupla que o teto da oferta seria R$ 3,5 bilhões e que só fechariam o negócio com garantias contra os desdobramentos jurídicos. Eles temiam que a Alpargatas pudesse ser envolvida na operação Lava Jato. Superadas as diferenças, os apertos de mãos foram feitos, sem muita comemoração, conforme o relato dos presentes na ocasião da assinatura do contrato de venda. “Sob qualquer métrica, a Alpargatas era o melhor ativo à venda no mercado”, diz um banqueiro de investimentos que acompanhou o processo.

Apesar de o negócio estar fechado, ele só será pago depois que algumas pendências forem resolvidas, segundo apurou a DINHEIRO. As ações da Alpargatas pertencentes aos Batista foram dadas, há meses, ao Bradesco, como garantia dos empréstimos de concedidos pelo banco às diversas empresas da J&F. Estima-se que o banco de Osasco tenha R$ 3 bilhões a receber dos irmãos Batista. Quando o Bradesco liberar essas garantias e as ações forem transferidas aos compradores, o valor será pago. As dívidas do Itaú Unibanco, estimadas em R$ 1,5 bilhão, não foram incluídas na negociação.

DIVERSIFICAÇÃO A transação é simbólica por dois motivos: marca a entrada da Itaúsa e do Cambuhy com força na praia da moda e é a primeira venda de ativos desde que a J&F firmou sua delação premiada, que mergulhou o Brasil no caos político. Desde maio, quando a delação se tornou pública, a família Batista iniciou uma corrida para se desfazer de ativos, como a empresa de lácteos Vigor, a fabricante de celulose Eldorado e o banco Original. As pessoas que conversaram com Joesley e Wesley Batista informam que suas exigências eram simples. “O pagamento precisava ser à vista, quem comprasse tinha de levar tudo e a transação não podia demorar”, diz uma fonte, que chegou a avaliar a Alpargatas. “Embora quisessem mostrar tranquilidade, a ansiedade era enorme para fechar o negócio.” É fácil de entender a urgência dos irmãos Batista. Segundo a agência de classificação de risco Standard & Poor’s, os ativos e o caixa da J&F somam R$ 19,4 bilhões. O valor é R$ 2,2 bilhões a menos do que a holding tem de compromissos a pagar. Essa conta ainda não considera a dívidas de cada empresa do grupo, que foram assumidas pela J&F.

Se para os Batista a venda sinaliza o começo da solução de suas encrencas, para os compradores o negócio pode ser considerado, sem exagero, uma nova fase na estratégia. Com a Alpargatas, Itaúsa e Cambuhy entram com força total no varejo brasileiro. A gestora da família Moreira Salles tem uma pequena participação na fabricante de roupas Hering, mas nada que se compare à relevância da dona da marcas Havaianas. Para entender a lógica do negócio, é preciso lembrar que o Itaú Unibanco gera, em média, R$ 20 bilhões de lucro por ano. Definir o que fazer com tanto dinheiro é um bom problema. Mesmo assim, sua solução não é trivial. Segundo um executivo do mercado financeiro, conhecedor dos meandros do edifício envidraçado que abriga a sede da Itaúsa, na zona sul de São Paulo, reinvestir essa bolada em negócios bancários está cada vez mais difícil. “O Itaú Unibanco ficou grande demais para o mercado bancário brasileiro”, diz o executivo.

Adquirir negócios laterais, como a empresa de distribuição de produtos financeiros XP Investimentos, comprada por cerca de R$ 6 bilhões, não resolve. A saída é diversificar. “Nosso foco são os setores com baixo risco de execução e em empresas sólidas, maduras, nas quais possamos melhorar ainda mais a operação”, afirmou Alfredo Setubal. O caso da Alpargatas parece se encaixar perfeitamente nessa tese de investimentos. Suas marcas são fortes, com alto potencial de valorização no médio prazo. Ela tem presença internacional, algo que interessa ao grupo, e sua participação no Brasil mostra que, mesmo enfrentando problemas, mantém uma liderança tranquila. Melhor que isso, seus resultados são mais estáveis que os do setor bancário, que vem sofrendo com a retração da economia e os solavancos dos juros e do câmbio. “A participação do banco vai cair um pouco, dos atuais 95% para 90% do total do grupo Itaúsa, mas é o suficiente para tornar os números do grupo mais previsíveis”, diz um banqueiro.

O saldo que a J&F deixa em sua saída, no entanto, não é, necessariamente, positivo. Entre janeiro e março, a Alpargatas apurou uma receita de R$ 807 milhões, o que representou uma queda de 18,7% sobre igual período, um ano antes. Na mesma base de comparação, o grupo vendeu 16,7 milhões de pares de sandálias a menos no mercado brasileiro, um recuo de 32%. “Espero nunca mais ter um resultado ruim para contar para vocês”, afirmou constrangido o presidente da Alpargatas, Márcio Utsch, que está há 20 anos na empresa, durante o anúncio dos resultados primeiro trimestre, em teleconferência com os investidores.

O desempenho desagradou os analistas de mercado.  “Mesmo com a crise, os indicadores foram muito inferiores aos da concorrência”, diz Ana Paula Tozzi, CEO da AGR Consultores. “Faltou foco ao negócio. No fim do dia, a Alpargatas se tornou apenas mais um bife dentro de uma holding gigantesca.” Sócio da Target Advisor, consultoria de fusões e aquisições especializada em varejo, Douglas Carvalho acrescenta: “A J&F não tinha como pagar o boleto e, simplesmente, repassou essa conta.”

Para os analistas consultados pela DINHEIRO, no entanto, o acordo não foi, nem de perto, um mau negócio para o consórcio formado por Itaúsa, Cambuhy e Brasil Warrant.

Especialmente dentro da estratégia de diversificação de portfólio das duas famílias envolvidas. Entre outros elementos, o preço pago e o fato de a Alpargatas possuir marcas fortes, com alto potencial de valorização no médio prazo, justificaram o investimento. “A Alpargatas é um ativo prime, com um modelo já testado no exterior”, diz Marcos Gouvêa de Souza, diretor-geral do Grupo GS& Gouvêa de Souza, especializado no varejo. Em 2016, a companhia apurou uma receita de R$ 4,05 bilhões. A participação das operações internacionais nesse montante foi de 35%.

Irmãos encrencados: Joesley (à esquerda) e Wesley Batista correm contra o tempo para vender ativos do grupo J&F para pagar acordo de leniência e dívidas bilionárias (Crédito:Dida Sampaio/Estadao e Pedro Dias)

“Poucas empresas brasileiras de moda têm esse potencial externo, o que muda totalmente a equação”, diz Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC). “Talvez só a Arezzo, além da Alpargatas, tenha essa vocação.” O futuro da Alpargatas sob o novo comando, porém, está longe de um consenso. O perfil dos empresários envolvidos é um dos pontos que mais dividem opiniões. “Há um grande risco de se ter uma visão financeira, de cobrança excessiva por resultados trimestrais, se sobrepondo ao planejamento de longo prazo”, diz um executivo do setor, que pediu anonimato.

Em contrapartida, o fato de esses gestores possuírem um histórico de atuação no mercado financeiro, extremamente regulado, pode trazer benefícios. “A entrada das duas famílias vai reforçar a governança da operação e a confiança dos investidores”, afirma Shin Lai, estrategista de renda variável da consultoria Upside Investor. “É inegável a capacidade que eles têm de construir negócios perenes e de recolocar a gestão nos trilhos.”

A pouca intimidade dos banqueiros com a dinâmica e a velocidade do varejo é outra questão polêmica. Atualmente, esse contato restringe a participação de 4,7% que o fundo Cambuhy tem na Hering. Embora seja precoce afirmar se haverá, de fato, uma aproximação, a exploração de sinergias entre as duas operações é outro componente que abre boas perspectivas no horizonte da Alpargatas. A possibilidade de acelerar a aposta em outras categorias de produtos, um movimento já ensaiado pela Havaianas, é uma das frentes com maior potencial, segundo os analistas. A ampla presença no varejo para impulsionar essa estratégia é mais um elemento. Somadas, as duas marcas possuem mais de 1,5 mil lojas, entre unidades próprias e franquias. A pequena fatia detida na Hering não é vista, necessariamente, como um impeditivo para esse movimento. “As ações da Hering não são muito pulverizadas e nada impede que o Cambuhy amplie sua fatia e incentive esse diálogo”, diz Ana Paula Tozzi, da AGR Consultores. “As duas marcas não são concorrentes, são complementares.” No mundo das finanças, as famílias Moreira Salles, Setubal e Villela mostram que sabem ganhar dinheiro. A aventura no varejo está apenas começando.