Negócios

A magia vai continuar?

Criadora de Harry Potter, a escritora britânica J.K. Rowling estreia como roteirista e se inspira em sua criatura para tentar replicar o sucesso do jovem bruxo nos cinemas

A magia vai continuar?

A escritora britânica J. K. Rowling, criadora da saga do bruxo Harry Potter, foi a primeira autora de livros a atingir, em 2011, um patrimônio bilionário. Rowling, no entanto, logo deixou o seleto grupo de endinheirados após doar cerca de US$ 200 milhões para a caridade e ficar com uma fortuna de “apenas” US$ 800 milhões. Aos 50 anos de idade e com a conta bancária recheada, ela poderia ter pendurado a sua pena. Mas não foi o caminho que escolheu.

A criadora do mundo de Hogwarts estreará como roteirista do primeiro filme da trilogia “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, inspirada no livro homônimo e que se passa nos EUA setenta anos antes do nascimento de Potter. Prevista para ser lançada mundialmente em novembro, a película tem orçamento estimado em US$ 200 milhões e estrelas do porte do vencedor do Oscar Eddie Redmayne, que viveu Stephen Hawking em “A Teoria de Tudo”. A grande dúvida, por enquanto, é se a escritora conseguirá repetir os sucessos de crítica e, claro, financeiro de sua obra-prima.

O desafio é grande. Os oito filmes de Harry Potter arrecadaram US$ 7,7 bilhões em todo o planeta, segundo o site americano Box Office Mojo, especializado em cinema. A saga impressa vendeu mais de 400 milhões de exemplares, três milhões deles no Brasil. Para completar, quase US$ 700 milhões foram investidos em dois parques temáticos do bruxo, um em Orlando, na Flórida, e outro na cidade japonesa de Osaka. “Com todo o sucesso e a força da marca de Rowling, é normal ter altas expectativas com os novos trabalhos dela”, diz Andrew Stephen, professor de marketing da Universidade Oxford, na Inglaterra. “Uma falha pode desapontar os fãs.”

E a aceitação deles será fundamental para a continuidade do projeto. Como a trilogia não é baseada em livros, mas uma história criada por J.K. Rowling diretamente para as grandes telas, o encaminhamento do roteiro, ou até mesmo a continuidade dos filmes após o primeiro lançamento, será ligado ao resultado das bilheterias. O sucesso para outros ganhos financeiros provenientes do filme, como a lucrativa venda de produtos licenciados, também dependerá da possibilidade da má-gica de Rowling se repetir mais uma vez.