Negócios

Luiz Carlos Trabuco Cappi é o empreendedor do ano nas finanças em 2015

Com a bilionária compra do HSBC no Brasil, o Bradesco volta à briga pela liderança entre os bancos privados

Luiz Carlos Trabuco Cappi é o empreendedor do ano nas finanças em 2015

US$ 5,2 bilhões: foi o valor que o Bradesco pagou pelo HSBC no Brasil (foto: Ilustração: Ricardo Alonso)

Quando o executivo Luiz Carlos Trabuco Cappi assumiu a presidência do Bradesco, em março de 2009, o banco havia acabado de perder a liderança para o rival Itaú Unibanco. Cauteloso, ele descartou uma corrida pela primeira colocação no ranking bancário. “A liderança em si não é um objetivo”, disse ele, em uma entrevista na época. “Nosso objetivo é fazer o melhor trabalho nos municípios que atendemos.” Em agosto deste ano, no entanto, Trabuco fez um dos lances mais ousados à frente do Bradesco.

Com o aval de Lázaro Brandão, presidente do Conselho, ele comprou a filial brasileira do HSBC por US$ 5,2 bilhões, no maior negócio no Brasil em 2015. Com a aquisição, o Bradesco reabre a briga pela liderança no segmento privado. Uma soma simples das participações de mercado do Bradesco e do HSBC faz o banco da Cidade de Deus, em Osasco, superar o Itaú Unibanco em três itens: rede de agências, número de correntistas e total de fundos de investimentos. Em outros três, aproxima-se do rival: ativos, depósitos e empréstimos concedidos.

“Com o HSBC, conquistamos de uma vez o que demoraríamos cerca de seis anos para obter por meio do crescimento orgânico”, disse Trabuco à DINHEIRO, na ocasião da compra, que ainda não foi aprovada pelos órgãos reguladores – a previsão do mercado é que o Bradesco receba o sinal verde no primeiro trimestre de 2016. Por esse motivo, Trabuco foi escolhido o EMPREENDEDOR DO ANO NAS FINANÇAS pela DINHEIRO. Nascido em Marília, em 1951, a cidade de origem do Bradesco, Trabuco se formou pela Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras da Universidade de São Paulo.

O executivo começou a trabalhar no banco em 1969. Como é costume na instituição, passou por todos os escalões de hierarquia. Mas se cacifou para assumir a presidência pelo trabalho que realizou na Bradesco Seguros, que comandou de 2003 a 2009. Essa área até hoje contribuiu com cerca de 30% do lucro do Bradesco. Assim que sentou na cadeira de presidente, Trabuco criou uma universidade corporativa e passou a buscar a renovação dos quadros de liderança, conversando com executivos de todos os escalões do banco.

Para dar conta disso, estabeleceu rituais para dar autonomia aos que eram promovidos. Aqueles que ascendiam eram reunidos no Salão Nobre, o mais solene do banco, utilizado para assembleias de acionistas. A cada um deles era aberta a palavra. “Quem recebe o microfone deve ter o que falar, passar uma mensagem, vocalizar posicionamentos, uma estratégia e um plano de ação”, avisava Trabuco, segundo um fonte que participou desses encontros. Um sinal da renovação promovida por Trabuco é a busca por profissionais do mercado.

Um exemplo é Renato Ejnisman, diretor-executivo responsável Bradesco BBI, que atuou no Bank of America e BankBoston. De hábitos simples, Trabuco chega ao banco por volta das 7 horas da manhã. Trabalha até as 18 horas, mas, em geral, estende o expediente em jantares de negócio. No começo do ano, seu nome foi cogitado para assumir o Ministério da Fazenda. Não aceitou o convite da presidente Dilma Rousseff. “O Trabuco nasceu para trabalhar no Bradesco”, diz um executivo que o conhece bem. De fato: seu nome é o mais forte para suceder a Lázaro Brandão, visto por todos como a alma do banco.

—–
Confira os demais empreendedores de 2015:

Jorge Paulo Lemann é o empreendedor do ano em 2015 

Joesley Batista é o empreendedor do ano na indústria em 2015

David Neeleman é o empreendedor do ano nos serviços em 2015

Amos Genish é o empreendedor do ano nas telecomunicações em 2015