Negócios

Lucro líquido da Telefônica Vivo no terceiro trimestre tem queda de 16,1%

A Telefônica Vivo informou nesta quarta-feira, 4, que teve lucro líquido consolidado de R$ 886,2 milhões no terceiro trimestre, queda de 16,1% ante a cifra de R$ 1,055 bilhão do mesmo período de 2014. Na comparação com o montante de R$ 933 milhões do segundo trimestre, houve queda de 5%. Os resultados são pro forma devido à inclusão dos números da GVT a partir de 1 de janeiro de 2014.

A empresa explica que a queda no lucro líquido na comparação anual deveu-se ao maior nível de depreciação e amortização, somado à maior despesa financeira no período. O lucro líquido

contábil acumulado do ano, que considera a consolidação da GVT a partir de maio

de 2015, atingiu R$ 2,335 bilhões e, no pro forma, R$ 2,289 bilhões, queda de 43,1%.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes dos juros, depreciação e amortização) do terceiro trimestre ficou em R$ 3,179 bilhões, alta de 3,6% ante a de R$ 3,067 bilhões do mesmo período de 2014. Ante o segundo trimestre houve avanço de 1,5%. A margem Ebitda ficou em 30%. No ano até setembro, o indicador teve alta de 2,8%, para R$ 9,425 bilhões, com margem de 30%.

A Telefônica Vivo também informou o Ebitda recorrente, onde somou um montante de R$ 3,198 bilhões, alta de 4,3% ante a cifra de R$ 3,067 bilhões do terceiro trimestre de 2014 e aumento de 2,1% na comparação com o segundo trimestre. A margem Ebitda recorrente foi de 30,2% no trimestre. “Este desempenho é explicado pelo aumento das receitas móveis e fixas, sendo parcialmente compensado por maiores esforços comerciais, aumento da PDD, maiores custos relacionados à garantia de qualidade e capacidade, além de maiores gastos com conteúdo de TV”, declarou a companhia, no release de resultados. No ano, o Ebitda recorrente da empresa foi de R$ 9,444 bilhões, alta de 3%, com margem de 30,1%.

Já a receita operacional líquida da Telefônica Vivo foi de R$ 10,580 bilhões no terceiro trimestre, alta de 5,2% ante a cifra de R$ 10,056 bilhões do mesmo período de 2014. Ante o segundo trimestre, houve aumento de 1,5%. No ano, a receita operacional líquida aumentou 5,2%, para R$ 31,372 bilhões. O resultado foi impulsionado pela crescente receita de dados e SVA. “A receita de serviço móvel obteve variação positiva anual de 4,5% no trimestre, ainda que afetada pelo efeito da redução de VU-M ocorrida em 24 de fevereiro de 2015. Excluindo tal efeito, o crescimento da receita de serviço móvel do terceiro trimestre seria de uma alta de 7,5% no período”, explicou a companhia, no documento.