O Papa que Cristina pediu a Deus

14/03/2013

Compartilhe:

Imprimir:

 Dinheiro_EE_255.jpg

Assista à entrevista com os editores Carla Jimenez (à dir.) e Ralphe Manzoni Jr.

 

Enquanto o mundo celebrava o nome de Jorge Mario Bergoglio, como o papa que sucedeu Bento XVI, a presidenta argentina, Cristina Kirchner, mantinha sua agenda protocolar. Somente horas depois de o papa Francisco ter sido anunciado para o comando da Igreja Católica, Cristina falou, publicamente, sobre a escolha do novo pontífice. Estranhamente, não demonstrou entusiasmo com a formidável notícia que seu país havia recebido: o primeiro papa não europeu em 1.300 anos de história é argentino. ?Desejamos, de coração, a Francisco, que possa lograr um melhor grau de confraternização entre os povos, e entre as religiões?, disse ela, num indisfarçado improviso, durante um evento na capital. 

 
27.jpg
Providência divina: assim como a presidenta Cristina, o Papa argentino é crítico do neoliberalismo
 
Àquela altura, seus compatriotas já estavam nas ruas celebrando a histórica escolha dos 115 cardeais, reunidos no conclave, em Roma, nos últimos dias. ?Boa noite, sou Francisco?, disse o pontífice, do balcão do Vaticano, para o delírio da população argentina, que vibrou com a escolha do papa, identificado com a causa dos menos favorecidos (leia reportagem aqui). A última vez em que os argentinos haviam saído às ruas para fazer barulho foi no dia 8 de novembro, quando mais de 700 mil pessoas foram protestar contra a política econômica da presidenta. O descompasso de Cristina com o sentimento geral da nação fica cada dia mais evidente, não só na celebração do novo papa, mas nas medidas que vêm sendo implementadas por sua equipe de governo. 
 
O tabelamento de preços para evitar as pressões inflacionárias, e o controle de compra de moedas estrangeiras, são algumas das medidas mais recentes do governo Cristina. Na semana passada, os boatos eram de que a presidenta promoveria uma maxidesvalorização do peso. Verdade ou não, o fato é que Cristina ainda paga a fatura da moratória de seu país no final de 2001. Sem crédito internacional, o país vive uma situação fiscal frágil, dependente das divisas com exportações. Enquanto as commodities estavam em alta, até 2011, foi possível administrar o caos. Mas com a queda das cotações a Argentina está à deriva. Será preciso mais que um milagre para reverter o longo inferno astral da maior parceira do Brasil no Mercosul.
 
28.jpg
À espera da salvação: o presidente da Vale, Murilo Ferreira (à esq.), não chegou a um acordo
com o governo argentino. Suspensão do projeto Rio Colorado escancara o risco Cristina
 
A nomeação de um papa argentino, porém, pode ser um alento para a viúva de Néstor Kirchner, que tem a chance de ganhar um aliado importante em suas críticas ao sistema financeiro internacional. Como Cristina, o líder católico é crítico das políticas neoliberais. Em 2002, durante as negociações do país com o Fundo Monetário Internacional (FMI), quando era arcebispo de Buenos Aires, ele disse que os argentinos deveriam parar de ?rezar? para o FMI, porque isso não ajudaria o país a se recuperar de sua maior crise da história. Agora, Cristina tem a chance de capitalizar o papel de liderança global do novo papa em seu benefício. Quem sabe ele poderá ajudá-la nas difíceis negociações com credores e parceiros econômicos. 
 
?Espero que Francisco possa convencer os poderosos do mundo, detentores de armamentos e do poder financeiro, que finalmente dirijam um olhar a suas próprias sociedades e aos países emergentes?, disse Cristina, na noite de quarta-feira 13. ?Que o papa leve a mensagem de diálogo a grandes potências do mundo, porque também queremos o diálogo.? A presidenta terá de investir na diplomacia com o Vaticano, uma vez que ela e Bergoglio tiveram divergências públicas. ?Bergoglio sempre teve uma relação fria com os Kirchner?, afirma o economista Dante Sica, da consultoria Abeceb.com, de Buenos Aires. Kirchner, quando presidente, chegou a afirmar que o então arcebispo de Buenos Aires era ?o verdadeiro líder da oposição?, pelas duras críticas que vinha recebendo por parte dele. 
 
30.jpg
 
 
Três anos atrás, Bergoglio trocou farpas com a presidenta, em função da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Na ocasião, Cristina comparou a fala dele aos discursos dos tempos medievais. Agora, diante do novo papa, a estratégia será outra. A mandatária já avisou que irá à posse de Francisco, onde encontrará a colega brasileira Dilma Rousseff. Para a Argentina, de modo geral, a eleição do papa Francisco terá o mérito de ajudar a população a esquecer um pouco os problemas econômicos, avalia Dante Sica. ?Pela primeira vez, há um fator externo que gera um sinal de otimismo e esperança?, diz o economista. Na segunda-feira 11, eles já haviam tido que engolir o referendo promovido pelo governo britânico nas Ilhas Malvinas para reafirmar o controle do território, alvo de uma guerra em 1982. 
 
Assim como a derrota militar, o referendo foi um massacre: 98,8% dos 1.672 eleitores disseram ?sim? à manutenção do território nas mãos do governo da rainha Elizabeth II. A escolha de um papa portenho garantiu, ainda, combustível para a velha rixa com os brasileiros, uma vez que o gaúcho dom Odilo Scherer era um dos cotados à sucessão de Bento XVI. ?O Vaticano nomeou Bergoglio como represália contra a saída da Vale da Argentina?, ironizou o deputado Jorge Altamira, do Partido Obrero. Mas ele não estava brincando: o clima entre os dois países está pesado. Dois dias antes da eleição do papa Francisco, a mineradora Vale anunciou a suspensão de um investimento de pelo menos US$ 5,9 bilhões no projeto Rio Colorado, na província de Mendoza, para exploração de potássio. 
 
29.jpg
Meia-volta, volver: em 2008, a presidenta Cristina inaugurou um dos frigoríficos da JBS na Argentina.
Agora, o presidente da empresa, Wesley Batista, diz que cansou de perder dinheiro no país vizinho
 
O anúncio escancarou o ?risco Cristina?, que vem desestimulando os investimentos naquele país. Em nota oficial, a Vale informou que suspendeu a implantação do projeto porque ?os fundamentos econômicos não estão alinhados com o compromisso da Vale.? Em bom português, a queixa da mineradora é a mesma da população argentina: inflação manipulada, situação fiscal precária e câmbio fictício. Enquanto os institutos oficiais apontam uma inflação de 9,9% no ano passado, nas ruas de Buenos Aires os preços sobem a um ritmo superior a 25% anuais. O câmbio também é outro poço de areia movediça. Um dólar vale 5 pesos nos bancos e 8 pesos nas casas de câmbio. 
 
A frágil situação fiscal da Argentina, por sua vez, faz com que o governo recuse pedidos de benefícios tributários, inclusive da Vale, que já havia investido US$ 2,2 bilhões na Rio Colorado. Informalmente, executivos da empresa admitiam que o projeto poderia custar US$ 11 bilhões. Na terça-feira 12, Cristina elevou o tom. Um comunicado oficial da Presidência ?lamentou a decisão unilateral da Vale?. No dia seguinte, o ministro do Planejamento, Julio de Vido, deixou no ar a possibilidade de cassar a concessão. ?Existe um descumprimento flagrante do contrato?, disse Vido. A mineradora brasileira, em todo caso, deixou aberta a possibilidade de retomar o projeto. Na prática, as negociações já seriam dadas como encerradas.
 
31.jpg
 
 
A Vale não é a única empresa brasileira a rever seus investimentos na Argentina. A JBS, processadora de carne bovina, fechou quatro frigoríficos nos últimos anos, ficando apenas com uma operação na província de Rosário. O plano inicial era montar uma plataforma de exportações. Medidas intervencionistas, porém, inviabilizaram o projeto. Uma delas previa que, para cada 2,5 quilos de carne exportados, a JBS teria de vender um quilo no mercado interno, com preço subsidiado. ?Não vamos mais nos permitir perder dinheiro na Argentina?, disse Wesley Batista, presidente da companhia, em março de 2012. Para evitar prejuízos, a empresa de logística ALL também anunciou a venda dos seus ativos na Argentina, incluindo as concessões de ferrovias. 
 
A quebra de safra e as restrições a importações reduziram o transporte de carga. Já a multinacional americana John Deere, que investiu US$ 130 milhões na ampliação de sua fábrica em Rosario, estaria enfrentando dificuldades para cumprir a exigência de 55% de conteúdo local. ?Os produtores locais não têm qualidade?, diz uma fonte próxima à empresa. Em Brasília, a decisão da Vale não foi comentada publicamente. Nos bastidores, porém, o Planalto lamenta a suspensão do projeto, porque ajudaria a melhorar as relações entre os dois países. Desde o ano passado, o governo de Cristina havia aumentado as restrições aos produtos brasileiros. Em 2012, o superávit para o País foi de apenas US$ 1,5 bilhão, um terço do valor de 2011. 
 
32.jpg
Fé para as dúvidas: Cristina terá de superar as rusgas do passado com o novo pontífice para ter seu apoio contra a crise
que enfurece os argentinos. Na foto, à esquerda, o panelaço de novembro de 2012
 
O potássio argentino da mina da Vale poderia trazer algum alívio, pois o produto seria exportado ao Brasil, e geraria um saldo à Argentina. O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, observa que os argentinos já reduziram em 18% as importações brasileiras. Enquanto isso, as compras da China caíram apenas 6%, e as importações dos Estados Unidos aumentaram 9%. ?Eles estão trocando o Brasil por outros fornecedores?, afirma. Esses dados foram apresentados pelo governo brasileiro numa reunião em Buenos Aires no dia 4, que seria preparatória para o encontro de Cristina com Dilma, que aconteceria no dia 7. Foi cancelado por causa da morte do presidente venezuelano Hugo Chávez. 
 
Está sendo remarcado para a segunda semana de abril. Na agenda, o item mais polêmico é o desejo argentino de rever o acordo automotivo, que estabeleceu cotas para a exportação de veículos e autopeças de cada país e, a partir de julho, entrará num regime de livre comércio. Na avaliação de analistas, o caso da Vale é apenas a ponta mais visível de um movimento bem mais amplo. Paira uma dúvida, por exemplo, sobre as três empreiteiras brasileiras que trabalhavam com a mineradora na Rio Colorado. A Odebrecht, em conjunto com a ítalo-argentina Techint, era a responsável pela mina; a Camargo Corrêa foi contratada para as obras em 790 quilômetros de ferrovia; e a Andrade Gutierrez, para o porto em Bahia Blanca, ponto de exportação do produto. 
 
O consultor Thiago de Aragão, da Arko Advice, de Brasília, lembra que as empresas também estão preocupadas com um possível default técnico. O calote acontecerá se o país não vier a renegociar sua dívida com uma parcela de credores internacionais que não aceitaram o valor oferecido pelos bônus argentinos e cobram a dívida na Justiça americana. ?O país não depende de fatores econômicos, mas de orgulho e emoção?, diz Aragão. Pois para sair dessa encruzilhada, Cristina terá de apelar para seu lado mais racional, até para contar com o novo papa como aliado. Com viagem marcada ao Brasil, para a Jornada Mundial da Juventude, em julho, o papa Francisco deve fortalecer uma corrente de fé para solucionar os problemas que assombram a Argentina, e por tabela, as empresas brasileiras.
 
33.jpg
 

Avalie esta notícia:  starstarstarstarstar

Compartilhe:

Imprimir:

Deixe um comentário

(O comentário não pode exceder 500 caracteres)