Pecados no banco do vaticano

24/09/2010

Compartilhe:

Imprimir:

Martinho Lutero está rindo à toa: a concorrência voltou a ser acusada de transações financeiras mal-explicadas. Na terça-feira 21, autoridades italianas congelaram ? 23 milhões (US$ 31 milhões) em fundos de uma instituição financeira, o Credito Artigiano, por suspeita de lavagem de dinheiro e de evasão fiscal.  

Seria um pecado venial, não fosse o Credito Artigiano vinculado ao Instituto para as Obras da Religião, também conhecido como Banco do Vaticano. Segundo o Il Sole 24 Ore, principal jornal econômico italiano, as autoridades consideraram suspeitas duas transferências de dinheiro realizadas pelo Artigiano. 
 
76.jpg
Bento XVI: Sua Santidade poderá ter de penitenciar-se como João Paulo II
e cobrir os prejuízos, o que vai provocar choro e ranger de dentes
 
Uma delas foi o envio de ? 21 milhões para o escritório de Frankfurt do banco americano JP Morgan e outra foi a transferência de ? 3 milhões à instituição financeira italiana Banca del Fucino. Segundo a procuradoria de controle financeiro do Banco de Itália, o banco central italiano, Ettore Gotti Tedeschi, presidente do Banco do Vaticano, e Paolo Cipriani, diretor-geral, pecaram por não fornecer as informações
exigidas pelos mecanismos contra a lavagem de dinheiro.
 
Em um editorial publicado na quinta-feira 23, L?Osservatore Romano, jornal oficial do Vaticano disse que os acusados não merecem que se lhes atire a primeira pedra. ?A investigação foi provocada por um mal-entendido entre o Instituto e o banco que recebeu o dinheiro?, declarou o Vaticano, que assegurou que os executivos ? e o banco ? estão livres de pecado.
 
77.jpg
Tedeschi: remessas burlaram as regras contra lavagem de dinheiro 
 
L?Osservatore Romano declarou também que o Instituto ?não pode ser considerado um banco, pois administra os bens das instituições católicas em todo o mundo e, estando no Vaticano, não se sujeita aos mesmos controles que os bancos nacionais.? Não é a primeira vez que a Santa Sé se enrola com suas finanças. A venda indiscriminada das indulgências nos séculos XV e XVI foi a gota d?água que provocou a Reforma Protestante de Lutero. Nos anos 80 do século passado, o Banco Ambrosiano de Milão faliu após ter desviado US$ 1,3 bilhão dos depositantes por meio de empréstimos fraudulentos, muitos deles para empresas de fachada operadas pela Máfia italiana.
 
O Banco do Vaticano, então presidido pelo cardeal americano Paul Marcinkus, era um  dos maiores acionistas do Ambrosiano. Na época, o papa João Paulo II teve de pagar uma penitência salgada: Sua Santidade abençoou com sua assinatura um cheque de US$ 239 milhões para indenizar os credores do banco.  Só Deus sabe se Bento XVI terá de fazer uma penitência como a de João Paulo II, mas não há dúvida que pelos corredores do Vaticano já começou o choro e o ranger de dentes.
 

Avalie esta notícia:  starstarstarstarstar

Compartilhe:

Imprimir:

Deixe um comentário

(O comentário não pode exceder 500 caracteres)