Mudanças ao estilo Bradesco

30/07/2010

Compartilhe:

Imprimir:

 Sete executivos ganharam assento em torno da mítica mesa oval do Bradesco, na sede da Cidade de Deus, em Osasco (SP). Na segunda-feira 26, o conselho de administração, presidido por Lázaro de Mello Brandão, aprovou as promoções. Minutos depois, os conselheiros e os novos integrantes da diretoria executiva posaram para a foto que ilustra esta reportagem. 

34.jpg

                      Promoções: o reforço da cúpula, em foto exclusiva obtida pela Dinheiro. Da esquerda para a direita: Carlos Alberto Rodrigues Guilherme,
                                     conselheiro da administração; Luiz Carlos Trabuco Cappi; Alexandre Gluher; Luiz Carlos Angelotti; Antonio Bornia,
                                   vice-presidente do conselho de administração; Nilton Pelegrino; Denise Aguiar Alvarez, conselheira da administração;
                        Josué Augusto Pancini, Lázaro de Mello Brandão; Alfredo Menezes; João Aguiar Alvarez, conselheiro da administração; e André Cano
 

Com o sorriso estampado no rosto, o grupo não esconde a satisfação diante do fotógrafo. É a primeira grande mudança na equipe comandada por Luiz Carlos Trabuco Cappi, no cargo há pouco mais de um ano. O Bradesco, fiel ao seu modelo de carreira fechada, privilegiou a prata da casa e alçou gestores departamentais à cúpula da organização.
 
Sem abrir mão do estilo cauteloso criado há quase sete décadas por Amador Aguiar, a organização renovou-se para disputar com mais vigor a nova fase do mercado bancário, mais focada no crescimento orgânico do que nas aquisições de concorrentes. 
 
?Nossa cultura é a valorização da carreira, que nada mais é que a promoção continuada de pessoas, num sistema de sucessão de talentos?, afirmou Brandão, ao anunciar as mudanças. Para oxigenar a organização, o sistema de rodízio entre os diretores de departamento foi acentuado.  Na briga pelos clientes nas agências de todo o Brasil, os comandantes das várias áreas precisam entender de todos os negócios do grupo.
 
?Intensificamos o rodízio para continuar o processo de formação de quadros com perfil multidisciplinar, preparando o futuro da organização?, disse Trabuco, que antes de assumir a presidência dirigia a Bradesco Seguros. Isso depois de passar por várias áreas de negócios. 
 
A estratégia é animar a tropa toda para conquistar os milhões de brasileiros que irão ascender socialmente, a exemplo dos 30 milhões que tornaram-se classe média nos últimos oito anos e viraram consumidores de serviços bancários. 
 
Os ?novos? líderes, com suas caras conhecidas, serão os protagonistas da disputa com outros gigantes do varejo, como Banco do Brasil, Itaú Unibanco e Santander. ?Para os próximos dez, 20 anos, precisamos ter um posicionamento de mercado inovador, moderno, mas com valores arraigados em nossa cultura?, acrescenta Trabuco. 
 
Esse trabalho começa dentro de casa. Segundo o presidente, cerca de dois milhões de correntistas do banco migraram das classes E e D para a classe C nos últimos dois anos. 
 
?Essa revolução silenciosa na pirâmide demográfica é favorável a um banco como o nosso, que está presente em diversas regiões?, comentou o executivo na quarta-feira 28, em teleconferência com jornalistas para anunciar os resultados do segundo trimestre. 
 
O lucro líquido no período alcançou R$ 2,4 bilhões, 4,7% acima do de igual período de 2009. Em média, os analistas previam uma cifra de R$ 2,25 bilhões. No semestre, as receitas do banco somaram R$ 6,4 bilhões, uma alta de 13,2% sobre igual período de 2009. A maior fatia individual veio da rubrica cartões (veja quadro).
 

35.jpg

 
 Para melhorar esses resultados, Trabuco despachará no mesmo ambiente dos novos executivos do primeiro escalão. Foram criados sete cargos de diretores executivos adjuntos. 
 
Alfredo Menezes, 48 anos, atuará na tesouraria; Alexandre Gluher, 49 anos, na gestão corporativa. André Cano, 52 anos, tocará as áreas de recursos humanos, treinamento e organização e métodos (O&M). 
 
Josué Augusto Pancini, 50 anos, cuidará das redes de atendimento de varejo e prime. A controladoria será a responsabilidade de Luiz Carlos Angelotti, 45 anos. 
 
Marcelo Noronha, 44 anos, comandará o setor de cartões. Nilton Pelegrino, 56 anos, a infraestrutura. O vice-presidente, José Luiz Acar Pedro, um dos talentos herdados quando o Bradesco comprou o BCN do banqueiro Pedro Conde, deixou o banco. Segundo o comunicado da instituição, Acar pretende seguir novos desafios pessoais.
 

Avalie esta notícia:  starstarstarstarstar

Compartilhe:

Imprimir:

Deixe um comentário

(O comentário não pode exceder 500 caracteres)