Edição nº 1023 15.06 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

Rodrigo Caetano
Edição 08.04.2016 - nº 962

Maior empresa de internet do mundo, o Google, sinônimo de buscas na internet, doa 1% do seu lucro líquido para ações sem fins lucrativos, todos os anos. A filantropia faz parte do negócio criado por Larry Page e Sergey Brin desde a criação da companhia. A responsável por gerenciar esses recursos, que ultrapassam US$ 100 milhões, é a americana Jacquelline Fuller, diretora-geral da Google.org, braço de filantropia da empresa. Filha de um diplomata americano, a executiva estava dando os primeiros passos na carreira do pai quando aceitou um trabalho numa pequena startup, que funcionava em cima de uma pizzaria. Era a Gates Foundation, hoje Bill e Melinda Gates Foundation, criada por Bill Gates, fundador da Microsoft, a maior fundação de caridade do mundo, com ativos que ultrapassam US$ 36 bilhões. Desde então, ela se dedica a financiar projetos que tenham capacidade de gerar impactos humanitários ao redor do planeta. No Brasil, o Google realiza este ano, pela segunda vez, o Impact Challenge, iniciativa que vai destinar R$ 10 milhões a ideias inovadoras desenvolvidas no País, em qualquer setor. A empresa também está destinando US$ 1 milhão para ajudar a combater a epidemia de zika na região. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO, Jacquelline fala sobre a necessidade de levar a filantropia para dentro das empresas e como a informação pode ajudar a conter desastres humanitários.

DINHEIRO – A sra. está com medo do vírus zika?
JACQUELLINE FULLER –
 Na verdade, não. Trabalhei para a Fundação Bill e Melinda Gates e morei na Índia, onde também há dengue. Quando estava em Nova Délhi, houve um surto da doença. Estou acostumada.

DINHEIRO – Existe desinformação em relação ao surto de zika aqui no Brasil e é por isso que o Google está se envolvendo nessa questão?
JACQUELLINE – 
Em relação ao zika, estamos fazendo algumas coisas. Esse é um bom exemplo de como o poder da informação, e, mais importante, da informação correta e oficial, é muito importante em uma situação na qual há pânico generalizado. A primeira coisa que fizemos é garantir que as buscas feitas no mecanismo levem a dados corretos sobre sintomas e tratamento. Também doamos US$ 1 milhão à Unicef para ajudar nos trabalhos na região. Além disso, há um grupo de desenvolvedores do Google ajudando a criar uma plataforma que identifique potenciais focos de zika, correlacionando informações sobre deslocamentos de pessoas, clima, entre outras.

DINHEIRO – Essa falta de informação ou pânico exagerado já aconteceu em outras crises, como a do ebola na África, há dois anos… 
JACQUELLINE –
 A melhor forma de agir nesses casos é ter a certeza de que temos a informação com base científica e torná-la disponível para a população. Mas sempre surgem muitos rumores.

DINHEIRO –O Google, como a principal fonte de buscas na internet, se sente responsável, de alguma forma, por essa situação?
JACQUELLINE –
 Nós vimos, tanto no Brasil quanto no resto do mundo, que as buscas por zika vírus subiram três mil por cento. As pessoas usam o Google por que querem encontrar informações confiáveis. Por isso a empresa fez disso uma prioridade.

DINHEIRO – Quais são as iniciativas que o Google está conduzindo na área de filantropia no Brasil?
JACQUELLINE –
 Além do investimento de US$ 1 milhão no combate ao zika, estamos realizando, pela segunda vez no País, o nosso Impact Challenge, que é o maior programa de filantropia da companhia. Fizemos esse programa em 2014 e foi tão bem-sucedido que resolvemos voltar, algo que raramente acontece. Estamos procurando ideias inovadoras pelo mundo que receberão investimentos do Google.

DINHEIRO – Que tipo de inovação a empresa busca?
JACQUELLINE –
 Na última vez que estivemos aqui, investimos em ideias que abrangem tópicos que vão desde violência doméstica, até refrigeradores a energia solar. Mas pode ser educação, meio ambiente ou qualquer outro tópico. Estamos buscando, na verdade, ideias que possam ter grande impacto e cujos times tenham capacidade de desenvolvê-las.

DINHEIRO – E qual é o impacto desses investimentos para os negócios do Google?
JACQUELLINE –
 A filantropia tem sido parte da visão do Google desde o início. A ideia de devolver à sociedade parte do que ganhamos é algo que está ligado ao que somos, como companhia. É uma expressão dos nossos valores e da crença em criar oportunidades em todo o mundo. E entendemos que a melhor maneira do Google ser útil, em termos de filantropia, é ajudando empreendedores a transformar suas ideias em realidade.

DINHEIRO – Mas como fazer filantropia sem parecer oportunista?
JACQUELLINE –
 É justo que as pessoas perguntem às companhias o que elas estão fazendo à sociedade e para devolver parte do que ganharam. Olhando para o que estamos fazendo, localmente, temos um bom exemplo do que significa uma companhia ser realmente responsável. Nosso time no Brasil foi quem propôs para a companhia levar as iniciativas para o País. É ele que faz todo o trabalho pesado. Isso foi muito importante para garantir que todas as regiões brasileiras pudessem participar do projeto.

DINHEIRO – É importante, então, que as iniciativas sejam conduzidas localmente, em conjunto com a comunidade, ao contrário de iniciativas globais que buscam padronizar programas em diferentes regiões…
JACQUELLINE – 
Absolutamente. São as lideranças locais, que, no Brasil, decidiram rodar o programa, que fazem a maior parte do trabalho e desenham as ações e a melhor abordagem para cada região.

DINHEIRO – Então, esse é o futuro da filantropia, ações locais e oriundas das empresas?
JACQUELLINE – 
Eu acredito que as empresas têm de dar algum retorno. Mas, nos Estados Unidos, por exemplo, dos mais de US$ 300 bilhões doados por entidades privadas, no último ano, menos de 5% vêm de corporações. O Google doa 1% dos lucros, todo ano, e isso está ajudando a criar uma nova expectativa e, talvez, uma regra que diz: nossa empresa deveria estar envolvida com a filantropia, ajudando a criar soluções locais para os problemas da sociedade. A filantropia deve estar incorporada às companhias.

DINHEIRO – Os funcionários percebem esse envolvimento da empresa?
JACQUELLINE – 
É realmente impressionante o nível de suporte que recebemos de todos os funcionários. Só no Brasil, em 2014, mais de dois mil colaboradores participaram do Impact Challenge. Foi o maior engajamento que já tivemos. Isso mostra como essa questão faz parte dos valores das pessoas dentro da companhia.

DINHEIRO – O Google.org atua de forma autônoma do Google?
JACQUELLINE – 
Fazemos parte do Google. As decisões que tomamos sobre para quem doar, onde doar e o que doar passam pela companhia. Mas todas as nossas doações são feitas de uma maneira que, pela lei americana, não podem gerar nenhum retorno financeiro à empresa. A companhia “separa” 1% do seu lucro líquido e confia na Google.org para investir em ações sem fins lucrativos, com o objetivo de causar impacto humanitário.

DINHEIRO – De alguma forma, o Google recebe incentivos fiscais?
JACQUELLINE – 
Todas as doações feitas pela companhia são tratadas como qualquer outra despesa comercial. Não há um tratamento fiscal especial. É uma despesa como as outras.

DINHEIRO – A sra. percebe uma dificuldade das pessoas em acreditar que uma empresa é capaz de tomar uma iniciativa como essas sem possuir finalidade lucrativa, ou seja, apenas para devolver algo à sociedade?
JACQUELLINE – 
Nossos fundadores veem a filantropia como uma parte fundamental do negócio. Partimos desse valor. E, como eu disse, aqueles 2 mil funcionários que voluntariaram mostram que as pessoas sentem orgulho disso. Não só da empresa, mas do que estão fazendo e do seu País também. Há uma série de benefícios em investir em filantropia, não financeiros. Hoje, nos ajuda a criar um sentimento nas pessoas envolvidas de que, quando tiverem uma grande ideia, haverá alguém apoiando.

  • Dólar Comercial
    R$3,33300 0,00%
  • Euro Comercial
    R$3,71590 -0,13%
  • Dow Jones
    21.433,60 +0,11%
  • Nasdaq
    6.253,0600 +0,31%
  • Londres
    7.439,29 -0,11%
  • Frankfurt
    12.794,00 +0,15%
  • Paris
    5.281,93 +0,15%
  • Madrid
    10.709,90 -0,29%
  • Hong Kong
    25.674,50 -0,08%
  • CDI Anual
    10,14% 0,00%

Justiça

Julgamento reinicia no STF e terceiro ministro vota pela validade da delação da JBS


Fibria confirma interesse em comprar Eldorado, dos irmãos Batista

Negociação

Fibria confirma interesse em comprar Eldorado, dos irmãos Batista

Após novo revés no Congresso, Temer diz que reformas são inadiáveis

Crise política

Após novo revés no Congresso, Temer diz que reformas são inadiáveis

Defesa da JBS fala que empresa sofre ‘retaliação’

Delação

Defesa da JBS fala que empresa sofre ‘retaliação’

Com dívida de R$ 3,8 bi, Triunfo tenta evitar recuperação judicial

Negócios

Com dívida de R$ 3,8 bi, Triunfo tenta evitar recuperação judicial

Confiança do empresário industrial cai em junho, revela CNI

Indústria

Confiança do empresário industrial cai em junho, revela CNI


TV Dinheiro


Headhanter fala sobre o aumento da contratação de executivos brasileiros no exterior

Moeda forte

Headhanter fala sobre o aumento da contratação de executivos brasileiros no exterior

Qual expectativa para a recuperação das vendas no Brasil?

Dinheiro em Ação

Dinheiro em Ação

Qual expectativa para a recuperação das vendas no Brasil?

Quais os fatores que influenciam na variação do dólar?

Descomplicando a economia

Descomplicando a economia

Quais os fatores que influenciam na variação do dólar?

Economista debate crise econômica e má gestão

Papo de economista

Papo de economista

Economista debate crise econômica e má gestão


Economia


BC vê inflação menor em 2017 e 2018, mas deve reduzir corte nos juros

Relatório

BC vê inflação menor em 2017 e 2018, mas deve reduzir corte nos juros

Mudança nas regras da Previdência deve ter atraso

Reforma

Mudança nas regras da Previdência deve ter atraso


Negócios


Adidas faz ‘virada’ de marca ao apostar em moda

Marketing

Adidas faz ‘virada’ de marca ao apostar em moda

Varejo

Magazine Luiza suspende estudos para oferta pública de ações

JBS

Associação de funcionários do BNDES se surpreende com bloqueio de bens da JBS

AGU

Manifestação contra JBS não coloca em suspeição funcionários do BNDES


Blogs


Boom de fintechs brasileiras oferece novas oportunidades para os investidores

Empreendedorismo, por Romero Rodrigues

Boom de fintechs brasileiras oferece novas oportunidades para os investidores

O que o Argo pode fazer pela Fiat

República do Automóvel

O que o Argo pode fazer pela Fiat

Criado para substituir o Punto, o Bravo e algumas versões do Palio, o hatch produzido em Betim faz parte de uma estratégia que não mira só o volume de vendas, mas principalmente a redução de custos


Marketing Esportivo


Quais os planos da NBA para alavancar sua marca no Brasil

Fortalecimento

Quais os planos da NBA para alavancar sua marca no Brasil

Berço de fenômenos do esporte e do marketing mundial, a liga americana de basquete, dona de uma receita global de US$ 5,8 bilhões, prepara um novo salto para popularizar sua marca no País

Para conquistar adeptos, americanos ajudam esporte a renascer no país

Novo Basquete

Para conquistar adeptos, americanos ajudam esporte a renascer no país

Para a NBA, desenvolver o basquete brasileiro é fundamental para os negócios e ganhos de longo prazo. Entenda como a liga americana vem sendo peça chave para o renascimento do esporte no País


Entrevista

“O cenário mais provável é que Temer chegue ao final do mandato”

Rodrigo Rollemberg, governador do DF

Rodrigo Rollemberg, governador do DF

“O cenário mais provável é que Temer chegue ao final do mandato”

A despeito de seu partido, o PSB, Rollemberg apoia reformas e evita confrontar postura de Temer. "Renúncia é uma decisão unilateral"


Tecnologia


Como Masayoshi Son, do Softbank, está criando o maior rival da Uber

SEM LEVAR UM PASSAGEIRO

Como Masayoshi Son, do Softbank, está criando o maior rival da Uber

Como o empreendedor japonês Masayoshi Son, fundador do grupo Softbank, está criando um competidor global ao mais popular aplicativo de transporte do planeta

Moleskine tenta turbinar vendas ao usar novas tecnologias

CAMINHO DIGITAL

Moleskine tenta turbinar vendas ao usar novas tecnologias

Famosa pelos bloquinhos de papel, a empresa italiana tenta se reinventar com o uso da tecnologia. Conheça o plano para turbinar as suas vendas por aqui


Especial Franquias


Quais as alternativas para não colocar dinheiro do próprio bolso em uma franquia

Sonho do negócio próprio

Quais as alternativas para não colocar dinheiro do próprio bolso em uma franquia

As franquias são um caminho natural para quem deseja começar a empreender. O problema é arrumar os recursos para abrir uma empresa. As linhas de financiamento ainda são escassas e o melhor é usar dinheiro próprio. Mas existem algumas alternativas

Os conselhos de Carlos Wizard, fundador das escolas Wizard, para se dar bem no setor

Apaixonado por franquias

Apaixonado por franquias

Os conselhos de Carlos Wizard, fundador das escolas Wizard, para se dar bem no setor

Academias continuam apostando nas franquias para ganhar cada vez musculatura

Suando para Inovar

Suando para Inovar

Academias continuam apostando nas franquias para ganhar cada vez musculatura

Após crise, especialistas dizem que este é o momento para investir em um novo negócio

A hora é agora

A hora é agora

Após crise, especialistas dizem que este é o momento para investir em um novo negócio


Economia


Países latino-americanos buscam novo impulso para suas economias

DECLÍNIO DAS COMMODITIES

Países latino-americanos buscam novo impulso para suas economias

Imersos em crises políticas, Brasil, Argentina, Venezuela, México e até o Chile não conseguiram se reinventar após o fim do ciclo virtuoso das commodities. Recuperação econômica continuará lenta na maioria desses países

Por que o Brasil recebeu o novo escritório global da Câmara Internacional

10 perguntas a ALEXIS MOURRE

Por que o Brasil recebeu o novo escritório global da Câmara Internacional

10 perguntas para Alexis Mourre, presidente da Corte Internacional de Arbitragem


Finanças

Podendo ser vendido, Original entra na mira do Santander

Relâmpago

Relâmpago

Podendo ser vendido, Original entra na mira do Santander

Alheio aos escândalos do grupo J&F, de Joesley Batista, o banco possui boa plataforma tecnológica e conhecimento no agronegócio. Dois atrativos aos olhos espanhóis.


Negócios


Conheça a fórmula do CEO que multiplicou as vendas da farmacêutica Takeda

Cosmopolita

Conheça a fórmula do CEO que multiplicou as vendas da farmacêutica Takeda

Depois de multiplicar por quatro os resultados da farmacêutica japonesa, em apenas cinco anos, Ricardo Marek recebe a missão de comandar os negócios em 35 países. Conheça a sua fórmula

Quais os planos da Caoa para continuar crescendo com a Hyundai no Brasil

Casamento

Quais os planos da Caoa para continuar crescendo com a Hyundai no Brasil

O grupo brasileiro e a montadora coreana se consolidam entre as quatro maiores marcas do setor e negociam a extensão de uma fórmula que deu certo


Colunas


As benevolências de Temer

Editorial

As benevolências de Temer

Temidas delações de Palocci e de Funaro fazem o mercado financeiro tremer

Moeda forte

Temidas delações de Palocci e de Funaro fazem o mercado financeiro tremer

Paris é uma festa

Sustentabilidade

Paris é uma festa

Piratas, tremei!

Cobiça

Piratas, tremei!

O fim do mistério sobre o “carro” da Apple

Dinheiro & Tecnologia

O fim do mistério sobre o “carro” da Apple


Artigo

Porque a falta de renda e os juros fazem o país patinar

Economia

Economia

Porque a falta de renda e os juros fazem o país patinar

O impacto do dinheiro extra do FGTS no desempenho do varejo sublinha o fato que, no Brasil, ganha-se mal. Sobra pouco para o consumo