Edição nº 1036 15.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

Rodrigo Caetano
Edição 08.04.2016 - nº 962

Maior empresa de internet do mundo, o Google, sinônimo de buscas na internet, doa 1% do seu lucro líquido para ações sem fins lucrativos, todos os anos. A filantropia faz parte do negócio criado por Larry Page e Sergey Brin desde a criação da companhia. A responsável por gerenciar esses recursos, que ultrapassam US$ 100 milhões, é a americana Jacquelline Fuller, diretora-geral da Google.org, braço de filantropia da empresa. Filha de um diplomata americano, a executiva estava dando os primeiros passos na carreira do pai quando aceitou um trabalho numa pequena startup, que funcionava em cima de uma pizzaria. Era a Gates Foundation, hoje Bill e Melinda Gates Foundation, criada por Bill Gates, fundador da Microsoft, a maior fundação de caridade do mundo, com ativos que ultrapassam US$ 36 bilhões. Desde então, ela se dedica a financiar projetos que tenham capacidade de gerar impactos humanitários ao redor do planeta. No Brasil, o Google realiza este ano, pela segunda vez, o Impact Challenge, iniciativa que vai destinar R$ 10 milhões a ideias inovadoras desenvolvidas no País, em qualquer setor. A empresa também está destinando US$ 1 milhão para ajudar a combater a epidemia de zika na região. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO, Jacquelline fala sobre a necessidade de levar a filantropia para dentro das empresas e como a informação pode ajudar a conter desastres humanitários.

DINHEIRO – A sra. está com medo do vírus zika?
JACQUELLINE FULLER –
 Na verdade, não. Trabalhei para a Fundação Bill e Melinda Gates e morei na Índia, onde também há dengue. Quando estava em Nova Délhi, houve um surto da doença. Estou acostumada.

DINHEIRO – Existe desinformação em relação ao surto de zika aqui no Brasil e é por isso que o Google está se envolvendo nessa questão?
JACQUELLINE – 
Em relação ao zika, estamos fazendo algumas coisas. Esse é um bom exemplo de como o poder da informação, e, mais importante, da informação correta e oficial, é muito importante em uma situação na qual há pânico generalizado. A primeira coisa que fizemos é garantir que as buscas feitas no mecanismo levem a dados corretos sobre sintomas e tratamento. Também doamos US$ 1 milhão à Unicef para ajudar nos trabalhos na região. Além disso, há um grupo de desenvolvedores do Google ajudando a criar uma plataforma que identifique potenciais focos de zika, correlacionando informações sobre deslocamentos de pessoas, clima, entre outras.

DINHEIRO – Essa falta de informação ou pânico exagerado já aconteceu em outras crises, como a do ebola na África, há dois anos… 
JACQUELLINE –
 A melhor forma de agir nesses casos é ter a certeza de que temos a informação com base científica e torná-la disponível para a população. Mas sempre surgem muitos rumores.

DINHEIRO –O Google, como a principal fonte de buscas na internet, se sente responsável, de alguma forma, por essa situação?
JACQUELLINE –
 Nós vimos, tanto no Brasil quanto no resto do mundo, que as buscas por zika vírus subiram três mil por cento. As pessoas usam o Google por que querem encontrar informações confiáveis. Por isso a empresa fez disso uma prioridade.

DINHEIRO – Quais são as iniciativas que o Google está conduzindo na área de filantropia no Brasil?
JACQUELLINE –
 Além do investimento de US$ 1 milhão no combate ao zika, estamos realizando, pela segunda vez no País, o nosso Impact Challenge, que é o maior programa de filantropia da companhia. Fizemos esse programa em 2014 e foi tão bem-sucedido que resolvemos voltar, algo que raramente acontece. Estamos procurando ideias inovadoras pelo mundo que receberão investimentos do Google.

DINHEIRO – Que tipo de inovação a empresa busca?
JACQUELLINE –
 Na última vez que estivemos aqui, investimos em ideias que abrangem tópicos que vão desde violência doméstica, até refrigeradores a energia solar. Mas pode ser educação, meio ambiente ou qualquer outro tópico. Estamos buscando, na verdade, ideias que possam ter grande impacto e cujos times tenham capacidade de desenvolvê-las.

DINHEIRO – E qual é o impacto desses investimentos para os negócios do Google?
JACQUELLINE –
 A filantropia tem sido parte da visão do Google desde o início. A ideia de devolver à sociedade parte do que ganhamos é algo que está ligado ao que somos, como companhia. É uma expressão dos nossos valores e da crença em criar oportunidades em todo o mundo. E entendemos que a melhor maneira do Google ser útil, em termos de filantropia, é ajudando empreendedores a transformar suas ideias em realidade.

DINHEIRO – Mas como fazer filantropia sem parecer oportunista?
JACQUELLINE –
 É justo que as pessoas perguntem às companhias o que elas estão fazendo à sociedade e para devolver parte do que ganharam. Olhando para o que estamos fazendo, localmente, temos um bom exemplo do que significa uma companhia ser realmente responsável. Nosso time no Brasil foi quem propôs para a companhia levar as iniciativas para o País. É ele que faz todo o trabalho pesado. Isso foi muito importante para garantir que todas as regiões brasileiras pudessem participar do projeto.

DINHEIRO – É importante, então, que as iniciativas sejam conduzidas localmente, em conjunto com a comunidade, ao contrário de iniciativas globais que buscam padronizar programas em diferentes regiões…
JACQUELLINE – 
Absolutamente. São as lideranças locais, que, no Brasil, decidiram rodar o programa, que fazem a maior parte do trabalho e desenham as ações e a melhor abordagem para cada região.

DINHEIRO – Então, esse é o futuro da filantropia, ações locais e oriundas das empresas?
JACQUELLINE – 
Eu acredito que as empresas têm de dar algum retorno. Mas, nos Estados Unidos, por exemplo, dos mais de US$ 300 bilhões doados por entidades privadas, no último ano, menos de 5% vêm de corporações. O Google doa 1% dos lucros, todo ano, e isso está ajudando a criar uma nova expectativa e, talvez, uma regra que diz: nossa empresa deveria estar envolvida com a filantropia, ajudando a criar soluções locais para os problemas da sociedade. A filantropia deve estar incorporada às companhias.

DINHEIRO – Os funcionários percebem esse envolvimento da empresa?
JACQUELLINE – 
É realmente impressionante o nível de suporte que recebemos de todos os funcionários. Só no Brasil, em 2014, mais de dois mil colaboradores participaram do Impact Challenge. Foi o maior engajamento que já tivemos. Isso mostra como essa questão faz parte dos valores das pessoas dentro da companhia.

DINHEIRO – O Google.org atua de forma autônoma do Google?
JACQUELLINE – 
Fazemos parte do Google. As decisões que tomamos sobre para quem doar, onde doar e o que doar passam pela companhia. Mas todas as nossas doações são feitas de uma maneira que, pela lei americana, não podem gerar nenhum retorno financeiro à empresa. A companhia “separa” 1% do seu lucro líquido e confia na Google.org para investir em ações sem fins lucrativos, com o objetivo de causar impacto humanitário.

DINHEIRO – De alguma forma, o Google recebe incentivos fiscais?
JACQUELLINE – 
Todas as doações feitas pela companhia são tratadas como qualquer outra despesa comercial. Não há um tratamento fiscal especial. É uma despesa como as outras.

DINHEIRO – A sra. percebe uma dificuldade das pessoas em acreditar que uma empresa é capaz de tomar uma iniciativa como essas sem possuir finalidade lucrativa, ou seja, apenas para devolver algo à sociedade?
JACQUELLINE – 
Nossos fundadores veem a filantropia como uma parte fundamental do negócio. Partimos desse valor. E, como eu disse, aqueles 2 mil funcionários que voluntariaram mostram que as pessoas sentem orgulho disso. Não só da empresa, mas do que estão fazendo e do seu País também. Há uma série de benefícios em investir em filantropia, não financeiros. Hoje, nos ajuda a criar um sentimento nas pessoas envolvidas de que, quando tiverem uma grande ideia, haverá alguém apoiando.

  • Dólar Comercial
    R$3,13300 -0,09%
  • Euro Comercial
    R$3,75050 +0,03%
  • Dow Jones
    22.364,90 +0,15%
  • Nasdaq
    6.458,8900 +0,07%
  • Londres
    7.274,02 +0,29%
  • Frankfurt
    12.550,80 -0,07%
  • Paris
    5.232,16 +0,05%
  • Madrid
    10.369,00 +0,30%
  • Hong Kong
    28.051,40 -0,38%
  • CDI Anual
    8,14% 0,00%

Cenário econômico

Reajuste de planos de saúde e escolas supera inflação


Temer diz na ONU que ‘não há lugar para alternativas à democracia’ na Venezuela

Presidente

Temer diz na ONU que ‘não há lugar para alternativas à democracia’ na Venezuela

Concessões podem gerar R$ 41 bilhões aos cofres públicos em 2018

Infraestrutra

Concessões podem gerar R$ 41 bilhões aos cofres públicos em 2018

Planalto vê Geddel instável e com chance de delatar

Ex-ministro

Planalto vê Geddel instável e com chance de delatar

Colaboração da OAS chega ao Supremo

Delação premiada

Colaboração da OAS chega ao Supremo

Recursos da repatriação permanecem na Suíça

Anistia fiscal

Recursos da repatriação permanecem na Suíça


Negócios


GetNet, do Santander, faz ofensiva à PagSeguro e começa a vender ‘maquininha’

Meios de pagamento

GetNet, do Santander, faz ofensiva à PagSeguro e começa a vender ‘maquininha’

Toys ‘R’ Us apresenta pedido de falência

Rede americana

Rede americana

Toys ‘R’ Us apresenta pedido de falência

Total faz aquisições nas áreas de energia renovável e eficiência energética

Petrolífera

Petrolífera

Total faz aquisições nas áreas de energia renovável e eficiência energética

Caramuru aposta em usina de etanol de soja

Agronegócio

Agronegócio

Caramuru aposta em usina de etanol de soja


Finanças

“Tem 200 cidades interessadas em adotar o pagamento por aproximação no transporte público”, diz CEO da Mastercard

Moeda Forte

“Tem 200 cidades interessadas em adotar o pagamento por aproximação no transporte público”, diz CEO da Mastercard

Pedro Paulo Silveira, analista-chefe da Nova Futura, analisa a alta da bolsa. Há motivos para os sucessivos recordes?

Papo de Economista

Pedro Paulo Silveira, analista-chefe da Nova Futura, analisa a alta da bolsa. Há motivos para os sucessivos recordes?

Pedro Gaudi, analista da Magliano Corretor, comenta o bom desempenho das ações da Vale. É hora de comprar ou vender?

Dinheiro em Ação

Pedro Gaudi, analista da Magliano Corretor, comenta o bom desempenho das ações da Vale. É hora de comprar ou vender?


Mundo


Trump faz estreia na ONU com foco em Venezuela e reformas

Presidente americano

Trump faz estreia na ONU com foco em Venezuela e reformas

China fecha plataformas de câmbio de bitcoins

Moeda Virtual

China fecha plataformas de câmbio de bitcoins

Fundo soberano da Noruega supera pela primera vez US$ 1 trilhão

Valorização

Fundo soberano da Noruega supera pela primera vez US$ 1 trilhão

Oficial soviético que pode ter evitado guerra nuclear morreu em maio

Guerra Fria

Oficial soviético que pode ter evitado guerra nuclear morreu em maio

Furacão Maria provoca devastação em Dominica e ameaça Guadalupe

Catástrofe

Furacão Maria provoca devastação em Dominica e ameaça Guadalupe

O crescimento voltou

Entrevista

Entrevista

O crescimento voltou

Um dos principais conselheiros do presidente Michel Temer, Antonio Delfim Netto continua, aos 89 anos, no comando de umas das mais requisitadas consultorias econômicas

Meirelles defende reformas econômicas para assegurar retomada da economia

Ministro da Fazenda

Meirelles defende reformas econômicas para assegurar retomada da economia

Presidente do BC ressalta a recuperação do Brasil nos últimos 12 meses

Ilan Goldfajn

Presidente do BC ressalta a recuperação do Brasil nos últimos 12 meses

Presente na edição de 2017 de AS MELHORES DA DINHEIRO, Ilan Goldfajn deu destaque as avanços econômicos, como queda da inflação, retomada do PIB e queda da taxa de juros

Presidente executivo da Editora 3 diz que retomada da economia já começou

Caco Alzugaray

Presidente executivo da Editora 3 diz que retomada da economia já começou


Tecnologia


Startups brasileiras começam a ganhar terreno no clube bilionário da inteligência artificial

Nova fronteira

Startups brasileiras começam a ganhar terreno no clube bilionário da inteligência artificial

A nova fronteira tecnológica não é um espaço exclusivo de gigantes como Amazon, Google, Facebook, Microsoft e IBM. Startups nacionais começam a ganhar terreno neste clube bilionário

Novos iPhones não trazem grandes novidades, mas vão ajudar a Apple a encher o caixa

Celular de US$ 1 trilhão

Novos iPhones não trazem grandes novidades, mas vão ajudar a Apple a encher o caixa

Novos iPhones não trazem grandes novidades, mas vão ajudar a Apple a encher ainda mais seu caixa


Entrevista

“O futuro da publicidade passa pela ciência”

Comportamento

Comportamento

“O futuro da publicidade passa pela ciência”

A publicitária americana Nancy Harhut faz estudos há mais de uma década sobre a aplicação de neurociência no marketing


Negócios


Prisão de Wesley Batista amplia as incertezas sobre a JBS

Sem comando

Prisão de Wesley Batista amplia as incertezas sobre a JBS

A prisão de Wesley Batista, presidente da JBS, amplia as incertezas sobre a companhia e fortalece o cenário para a saída do clã do dia a dia da operação

Embraco enxerga na tecnologia o único caminho para aquecer seus negócios

Inovação

Embraco enxerga na tecnologia o único caminho para aquecer seus negócios

Líder mundial na fabricação de motores para refrigeração, a catarinense Embraco, que pertence à Whirlpool, enxerga na tecnologia o único caminho para aquecer seus negócios


Economia

Queda dos juros anima o setor automotivo e de construção

Otimismo

Otimismo

Queda dos juros anima o setor automotivo e de construção

Desaceleração da inflação e corte da taxa Selic abrem caminho para retomada do crédito, que impulsionará a economia nos próximos meses


Finanças


Magazine Luiza anuncia nova oferta de ações, que pode chegar a R$ 1,9 bilhão

Oferta de ações

Magazine Luiza anuncia nova oferta de ações, que pode chegar a R$ 1,9 bilhão

Rede varejista, que acumula alta de quase 450% na bolsa de valores neste ano, anuncia uma nova oferta de ações, que pode chegar a R$ 1,9 bilhão. Saiba por que a empresa de Luiza Trajano se transformou na queridinha do setor de consumo e qual é o potencial do papel

Merkel quer transformar Frankfurt no centro financeiro europeu

Após Brexit

Merkel quer transformar Frankfurt no centro financeiro europeu

A chanceler alemã pega carona nos resquícios do Brexit para aumentar a influência do país, transformar Frankfurt no centro financeiro europeu


Colunas


A Bolsa brinda a estabilidade

Editorial

A Bolsa brinda a estabilidade

Tornozeleira com boleto

Moeda Forte

Tornozeleira com boleto

Milho ou cana-de-açúcar?

Sustentabilidade

Milho ou cana-de-açúcar?

O megaataque hacker

Dinheiro & Tecnologia

O megaataque hacker

Louis Vuitton na arte

Cobiça

Louis Vuitton na arte


Artigo

Doria Vende Tudo (até a Petrobras)

Privatização

Privatização

Doria Vende Tudo (até a Petrobras)

“Onde já se viu passar uns cobres no patrimônio nacional e ficar à mercê de investidores estrangeiros?”, gritarão os defensores da estatal