Edição nº 1028 21.07 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

“A filantropia deve estar incorporada às companhias”

Rodrigo Caetano
Edição 08.04.2016 - nº 962

Maior empresa de internet do mundo, o Google, sinônimo de buscas na internet, doa 1% do seu lucro líquido para ações sem fins lucrativos, todos os anos. A filantropia faz parte do negócio criado por Larry Page e Sergey Brin desde a criação da companhia. A responsável por gerenciar esses recursos, que ultrapassam US$ 100 milhões, é a americana Jacquelline Fuller, diretora-geral da Google.org, braço de filantropia da empresa. Filha de um diplomata americano, a executiva estava dando os primeiros passos na carreira do pai quando aceitou um trabalho numa pequena startup, que funcionava em cima de uma pizzaria. Era a Gates Foundation, hoje Bill e Melinda Gates Foundation, criada por Bill Gates, fundador da Microsoft, a maior fundação de caridade do mundo, com ativos que ultrapassam US$ 36 bilhões. Desde então, ela se dedica a financiar projetos que tenham capacidade de gerar impactos humanitários ao redor do planeta. No Brasil, o Google realiza este ano, pela segunda vez, o Impact Challenge, iniciativa que vai destinar R$ 10 milhões a ideias inovadoras desenvolvidas no País, em qualquer setor. A empresa também está destinando US$ 1 milhão para ajudar a combater a epidemia de zika na região. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO, Jacquelline fala sobre a necessidade de levar a filantropia para dentro das empresas e como a informação pode ajudar a conter desastres humanitários.

DINHEIRO – A sra. está com medo do vírus zika?
JACQUELLINE FULLER –
 Na verdade, não. Trabalhei para a Fundação Bill e Melinda Gates e morei na Índia, onde também há dengue. Quando estava em Nova Délhi, houve um surto da doença. Estou acostumada.

DINHEIRO – Existe desinformação em relação ao surto de zika aqui no Brasil e é por isso que o Google está se envolvendo nessa questão?
JACQUELLINE – 
Em relação ao zika, estamos fazendo algumas coisas. Esse é um bom exemplo de como o poder da informação, e, mais importante, da informação correta e oficial, é muito importante em uma situação na qual há pânico generalizado. A primeira coisa que fizemos é garantir que as buscas feitas no mecanismo levem a dados corretos sobre sintomas e tratamento. Também doamos US$ 1 milhão à Unicef para ajudar nos trabalhos na região. Além disso, há um grupo de desenvolvedores do Google ajudando a criar uma plataforma que identifique potenciais focos de zika, correlacionando informações sobre deslocamentos de pessoas, clima, entre outras.

DINHEIRO – Essa falta de informação ou pânico exagerado já aconteceu em outras crises, como a do ebola na África, há dois anos… 
JACQUELLINE –
 A melhor forma de agir nesses casos é ter a certeza de que temos a informação com base científica e torná-la disponível para a população. Mas sempre surgem muitos rumores.

DINHEIRO –O Google, como a principal fonte de buscas na internet, se sente responsável, de alguma forma, por essa situação?
JACQUELLINE –
 Nós vimos, tanto no Brasil quanto no resto do mundo, que as buscas por zika vírus subiram três mil por cento. As pessoas usam o Google por que querem encontrar informações confiáveis. Por isso a empresa fez disso uma prioridade.

DINHEIRO – Quais são as iniciativas que o Google está conduzindo na área de filantropia no Brasil?
JACQUELLINE –
 Além do investimento de US$ 1 milhão no combate ao zika, estamos realizando, pela segunda vez no País, o nosso Impact Challenge, que é o maior programa de filantropia da companhia. Fizemos esse programa em 2014 e foi tão bem-sucedido que resolvemos voltar, algo que raramente acontece. Estamos procurando ideias inovadoras pelo mundo que receberão investimentos do Google.

DINHEIRO – Que tipo de inovação a empresa busca?
JACQUELLINE –
 Na última vez que estivemos aqui, investimos em ideias que abrangem tópicos que vão desde violência doméstica, até refrigeradores a energia solar. Mas pode ser educação, meio ambiente ou qualquer outro tópico. Estamos buscando, na verdade, ideias que possam ter grande impacto e cujos times tenham capacidade de desenvolvê-las.

DINHEIRO – E qual é o impacto desses investimentos para os negócios do Google?
JACQUELLINE –
 A filantropia tem sido parte da visão do Google desde o início. A ideia de devolver à sociedade parte do que ganhamos é algo que está ligado ao que somos, como companhia. É uma expressão dos nossos valores e da crença em criar oportunidades em todo o mundo. E entendemos que a melhor maneira do Google ser útil, em termos de filantropia, é ajudando empreendedores a transformar suas ideias em realidade.

DINHEIRO – Mas como fazer filantropia sem parecer oportunista?
JACQUELLINE –
 É justo que as pessoas perguntem às companhias o que elas estão fazendo à sociedade e para devolver parte do que ganharam. Olhando para o que estamos fazendo, localmente, temos um bom exemplo do que significa uma companhia ser realmente responsável. Nosso time no Brasil foi quem propôs para a companhia levar as iniciativas para o País. É ele que faz todo o trabalho pesado. Isso foi muito importante para garantir que todas as regiões brasileiras pudessem participar do projeto.

DINHEIRO – É importante, então, que as iniciativas sejam conduzidas localmente, em conjunto com a comunidade, ao contrário de iniciativas globais que buscam padronizar programas em diferentes regiões…
JACQUELLINE – 
Absolutamente. São as lideranças locais, que, no Brasil, decidiram rodar o programa, que fazem a maior parte do trabalho e desenham as ações e a melhor abordagem para cada região.

DINHEIRO – Então, esse é o futuro da filantropia, ações locais e oriundas das empresas?
JACQUELLINE – 
Eu acredito que as empresas têm de dar algum retorno. Mas, nos Estados Unidos, por exemplo, dos mais de US$ 300 bilhões doados por entidades privadas, no último ano, menos de 5% vêm de corporações. O Google doa 1% dos lucros, todo ano, e isso está ajudando a criar uma nova expectativa e, talvez, uma regra que diz: nossa empresa deveria estar envolvida com a filantropia, ajudando a criar soluções locais para os problemas da sociedade. A filantropia deve estar incorporada às companhias.

DINHEIRO – Os funcionários percebem esse envolvimento da empresa?
JACQUELLINE – 
É realmente impressionante o nível de suporte que recebemos de todos os funcionários. Só no Brasil, em 2014, mais de dois mil colaboradores participaram do Impact Challenge. Foi o maior engajamento que já tivemos. Isso mostra como essa questão faz parte dos valores das pessoas dentro da companhia.

DINHEIRO – O Google.org atua de forma autônoma do Google?
JACQUELLINE – 
Fazemos parte do Google. As decisões que tomamos sobre para quem doar, onde doar e o que doar passam pela companhia. Mas todas as nossas doações são feitas de uma maneira que, pela lei americana, não podem gerar nenhum retorno financeiro à empresa. A companhia “separa” 1% do seu lucro líquido e confia na Google.org para investir em ações sem fins lucrativos, com o objetivo de causar impacto humanitário.

DINHEIRO – De alguma forma, o Google recebe incentivos fiscais?
JACQUELLINE – 
Todas as doações feitas pela companhia são tratadas como qualquer outra despesa comercial. Não há um tratamento fiscal especial. É uma despesa como as outras.

DINHEIRO – A sra. percebe uma dificuldade das pessoas em acreditar que uma empresa é capaz de tomar uma iniciativa como essas sem possuir finalidade lucrativa, ou seja, apenas para devolver algo à sociedade?
JACQUELLINE – 
Nossos fundadores veem a filantropia como uma parte fundamental do negócio. Partimos desse valor. E, como eu disse, aqueles 2 mil funcionários que voluntariaram mostram que as pessoas sentem orgulho disso. Não só da empresa, mas do que estão fazendo e do seu País também. Há uma série de benefícios em investir em filantropia, não financeiros. Hoje, nos ajuda a criar um sentimento nas pessoas envolvidas de que, quando tiverem uma grande ideia, haverá alguém apoiando.


Entrevista

“A equipe econômica é muito forte, inspira confiança”

Ingo Pçöger, presidente do Conselho Empresarial da América Latina

Ingo Pçöger, presidente do Conselho Empresarial da América Latina

“A equipe econômica é muito forte, inspira confiança”

Brasileiro de origem alemã, Plöger, enxerga as reformas brasileiras como um processo de amadurecimento da região. "O continente nunca deixou de ser atraente para os investidores pela grande gama de oportunidades"


Negócios


Para equilibrar receitas, Amanco diversifica negócios no País

Malabarismo

Para equilibrar receitas, Amanco diversifica negócios no País

Para equilibrar suas receitas, a gigante mexicana, que já é vice-líder em tubos e conexões, diversifica os negócios no País

ThyssenKrupp volta seu foco para negócios de sua expertise

Sobe ou desce?

ThyssenKrupp volta seu foco para negócios de sua expertise

Depois de negociar a siderúrgica CSA, a alemã ThyssenKrupp volta a se focar em seus negócios mais tradicionais. O problema é que ela vai aumentar a sua dependência na retomada da atividade industrial e na construção no Brasil


Economia

Avaliação da OMC evidencia protecionismo brasileiro

Made in Brazil

Made in Brazil

Avaliação da OMC evidencia protecionismo brasileiro

Tradicionalmente, as avaliações frequentes da OMC sobre economias específicas são marcados por um tom mais ameno. No caso brasileiro, a ênfase chamou a atenção. Como um exemplo, os técnicos atribuem a crise da indústria brasileira à baixa integração com a economia mundial e a falhas estruturais que continuam afetando a competitividade

Ajustes na política serão tão poucos que não deveriam ter o nome de Reforma

Vazio de ideias

Ajustes na política serão tão poucos que não deveriam ter o nome de Reforma

Na volta do recesso parlamentar, o Congresso vai debater as novas regras para as eleições em 2018. Os ajustes na legislação São tão poucos que não deveriam receber o nome de Reforma Política

Por que rever a estabilidade pode levar eficiência a serviços estatais

Burocracia em Xeque

Por que rever a estabilidade pode levar eficiência a serviços estatais

Em tempos de restrição orçamentária, estabilidade do servidor público volta ao centro do debate sobre reformas. Flexibilização é vista como alternativa para aumentar a eficiência dos serviços estatais

“O Reino Unido não se tornará protecionista”

10 perguntar para Ivan Rogers

“O Reino Unido não se tornará protecionista”

10 perguntas para Ivan Rogers, ex-embaixador do Reino Unido na União Europeia


Finanças


Como as mudanças na legislação trabalhista ajudam a Alelo a ir além do vale-refeição

O benefício por trás da reforma

Como as mudanças na legislação trabalhista ajudam a Alelo a ir além do vale-refeição

As mudanças na legislação trabalhista ajudam a Alelo a ir além do vale-refeição. Agora, a empresa quer convencer os patrões a oferecerem bônus de saúde, cultura, pedágios e até “vale-Uber” aos empregados

Filho de George Soros deixa a presidência da gestora de recursos do pai

Filho de peixe, peixinho não é

Filho de George Soros deixa a presidência da gestora de recursos do pai

Robert, primogênito de George Soros, deixa a presidência da gestora de recursos do pai, mostrando que a vida está difícil para os fundos de hedge


Tecnologia


Entenda como empreendedores estão aproveitando a febre do ouro 'digital'

O outro lado da Bitcoin

Entenda como empreendedores estão aproveitando a febre do ouro 'digital'

A moeda virtual, que antes era vista apenas como coisa de nerd, se tornou um negócio lucrativo e gigantesco, valendo mais de US$ 35 bilhões. Entenda como funciona esse mercado e como empresas e empreendedores estão aproveitando a febre do ouro digital

Telegram é obrigado a usar filtros para barrar conteúdo enviado pelo aplicativo

Segurança virtual

Telegram é obrigado a usar filtros para barrar conteúdo enviado pelo aplicativo


Colunas


Por que um país tão fechado?

Editorial

Por que um país tão fechado?

O grito de gol da Ituran

Moeda Forte

O grito de gol da Ituran

Os benefícios da economia social

Sustentabilidade

Os benefícios da economia social

A ameaça da Amazon

Dinheiro & Tecnologia

A ameaça da Amazon

Destinos do verão

Cobiça

Destinos do verão


Artigo

Elevar tributos é o tipo de decisão que desanima o setor produtivo

O perigo do aumento de impostos

O perigo do aumento de impostos

Elevar tributos é o tipo de decisão que desanima o setor produtivo

A elevação de impostos nunca foi o plano A. Mas não é segredo para ninguém que o quadro fiscal herdado do governo Dilma era gravíssimo. Entretanto, o perigo por trás do aumento, é que ele se repita a qualquer momento