Dinheiro em Ação

GP volta à BR Properties

GP volta à BR Properties

Em busca de liquidez, o BTG Pactual está se desfazendo de diversos ativos. Além da Rede D’Or, outro negócio que movimentou o mercado foi a venda, por R$ 530 milhões, de uma participação de 12,19% na BR Properties. Ligada ao BTG, a companhia explora os aluguéis de edifícios corporativos de alto padrão. O comprador é bem conhecido: a GP Investimentos, criada por Jorge Paulo Lemann e cujo conselho é presidido por Fersen Lambranho. A GP anunciou sua intenção de fazer uma oferta de aquisição para elevar sua participação para até 75% das ações da BR Properties. Para Lambranho, será uma volta à empresa fundada em 2006 e que foi desinvestida em 2010. Procurada, a GP Investimentos não comentou o assunto.

Touro x Urso

O mercado digeriu sem muitos problemas o novo rebaixamento da classificação de risco do Brasil, anunciada pela agência Fitch na quarta-feira 16, e os rumores não confirmados de saída do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Na avaliação dos profissionais do mercado, esses fatos, embora negativos, já eram esperados e estavam refletidos nos preços. Após todos os solavancos, a Bolsa se aproxima do fim de 2015 amargando uma queda de exatos 10% até a quarta-feira 16, depois de recuar 3% em 2014. Há poucos sinais de melhora em 2016.

Fidelidade

Multiplus cria corretora

A empresa de programas de fidelidade Multiplus anunciou, na quarta-feira 16, que vai criar uma corretora para vender seguros de vida e saúde, planos de previdência e capitalização. A intenção da companhia é investir R$ 3,2 milhões para montar a empresa ao longo de 2016. No ano, as ações da Multiplus sobem 25,4%, fazendo a companhia uma das de melhor desempenho em 2015.

Quem foi lá

Sabesp fica fora do ISE

A BM&FBovespa divulgou, na quarta-feira 16, a segunda prévia dos índices que vão valer a partir de 2016. O ISE, Indice de Sustentabilidade Empresarial, perdeu nove ações, entre elas a Sabesp, e ficou com uma carteira de 41 papéis. A Bolsa divulga 23 índices, que incluem 1.480 ações.

Destaque no pregão

Magazine Luiza nos seguros

A rede de lojas Magazine Luiza anunciou, na terça-feira 15, a renovação do acordo de distribuição de seguros firmado com a seguradora de origem francesa Cardif em 2002. Pelo acordo, a empresa, que será presidida por Frederico Trajano a partir do início de 2016, vai receber R$ 330 milhões pela renovação. Ambas companhias, a Magazine Luiza e a Cardif, farão aportes de R$ 55 milhões cada na LuizaSeg, seguradora vinculada à rede de lojas. O movimento gerou uma forte movimentação no mercado, e as ações ordinárias da empresa subiram 17,2% nos dois pregões seguintes. No ano, porém, mesmo com esse ganho, as cotações amargam uma baixa de 84,2%.

Palavra do analista: 
Adeodato Volpi Neto, da empresa de análise independente Eleven, avalia que a renovação da parceria é positiva para a Magazine Luiza. No entanto, esse fato não será capaz de, isoladamente, reverter o mau desempenho dos papéis.

Varejo

Armínio Fraga veste Hering

A Gávea Investimentos, empresa de gestão de recursos criada por Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, anunciou na terça-feira 15 que ampliou para 10% sua participação na empresa de varejo Hering. Em agosto, a Gávea havia comprado 5,32% das ações da companhia, originalmente uma tecelagem, mas que reorientou seus negócios para o varejo. O desempenho fraco dos papéis, que haviam recuado 30% em 2014 e outros 17% neste ano, tornou a aquisição mais atrativa.

Mercado em números

ENERGISA
R$ 1,04 bilhão - 
É valor que a empresa de energia captou por meio da emissão de cerca de um milhão de debêntures simples, e os recursos serão investidos nas controladas

CCR
R$ 400 milhões - 
É quanto a empresa de concessões rodoviárias pretende captar por meio da emissão de debêntures simples, com três anos de prazo

SANTOS BRASIL
R$ 4,26 milhões –
 É quanto a empresa de logística vai pagar a seus acionistas sob a forma de juros sobre o capital próprio

RENOVA ENERGIA
Seis –
 É o número de meses pelos quais a empresa de energia prorrogou o pagamento de suas debêntures, alterando também os juros de remuneração

GOL
3,2% - 
Foi o reajuste médio do preço das passagens padrão e das milhas vendidas à VRG calculado com base na composição dos bilhetes aéreos emitidos no último período de vigência