MERCADO DIGITAL

Nº edição: 625 | 30.SET.09 - 10:00 | Atualizado em 17.04 - 10:47

Um começo com US$100 milhões

Fundo de investimento desembarca no Brasil com a ambição (e dinheiro) para criar a maior empresa de serviços em TI da América Latina

Por Roberta Namour


i144561.jpg
Novos sócios: Da esq. para a dir., Todd Furniss e Jeff Rich, da Plum Tree, e Marcelo França, da Performa Partners: parceria em busca de oportunidades
 
Na segunda-feira 21, os americanos Jeff Rich e Todd Furniss desembarcaram em São Paulo com aproximadamente US$ 85 milhões no bolso e uma grande ambição. Sócios da empresa de investimentos Plum Tree, com sede em Dallas, nos Estados Unidos, eles pretendem criar até o final do ano que vem a maior empresa de BPO - terceirização de serviços corporativos - do Brasil.

"O País tem enorme potencial e esse setor tende a crescer com a mesma força do PIB nacional", afirma Furniss. Para colocar o plano em prática, a empresa fechou uma parceria com a brasileira Performa Partners, que vai entrar com um investimento inicial de quase US$ 15 milhões no projeto. Juntas, as companhias pretendem adquirir, num primeiro momento, pelo menos oito empresas de terceirização de serviços.

Isso é só o começo, de acordo com os sócios americanos. "Nós não temos um limite para investir no País", afirma Rich. "Tudo dependerá do número de oportunidades que encontrarmos."

A primeira aquisição está prevista para ser finalizada até o final do ano. Segundo os executivos, há 14 opções de investimentos sendo analisadas, inclusive em alguns países da América Latina, como Argentina, Chile e Venezuela. "Não existe nenhuma empresa de BPO de grande porte no mercado latino-americano", diz Marcelo França, sócio da Performa. "Nossa meta é alcançar a primeira posição."

O foco dos investimentos da sociedade entre a Plum Tree e a Performa são empresas especializadas em terceirização de TI e serviços de call center. Segundo França, serão priorizadas companhias com faturamento entre R$ 25 milhões e R$ 30 milhões O mercado de BPO é incipiente no Brasil e, por isso mesmo, deve proporcionar muitas oportunidades de negócio. Segundo analistas, as empresas nacionais não têm estrutura suficiente para atender à crescente demanda.

"Na maioria dos casos, serviços de BPO são atividades pontuais exercidas por empresas de consultoria em TI", afirma Paulo Almeida, sócio-diretor da empresa de TI KPO Consulting and Educational Services. De acordo com o Instituto Gartner, o segmento vai crescer no Brasil de 10% a 12% em 2009. Enquanto isso, pesquisas globais indicam uma queda de 4,3% nos orçamentos das empresas para contratação de outsourcing.

"O ingresso de fundos como esse traz uma nova expertise ao Brasil, o que acaba tornando o País mais competitivo no cenário internacional", afirma Vagner Jaime Rodrigues, sócio da Trevisan Outsourcing. A Plum Tree tem apenas um ano de existência, mas os dois americanos são considerados ícones do mercado de BPO. Rich foi CEO da ACS - empresa que está entre as 500 maiores da revista Fortune. Sob seu comando, a ACS viu sua receita crescer de US$ 300 milhões para US$ 5,3 bilhões num período recorde de pouco mais de cinco anos.

Ele liderou um intenso processo de mais de 70 aquisições, com investimentos superiores a US$ 3 bilhões. Furniss foi presidente do Everest Group, consultoria estratégica com foco nos segmentos de operações e global sourcing. Enquanto ele esteve à frente da empresa, a receita do Everest Group cresceu 400%, o número de funcionários quadruplicou e a atuação geográfica foi expandida de dois para seis países. Hoje, os dois executivos se dedicam a identificar oportunidades de investimentos em países emergentes.Tudo indica que o Brasil será a próxima jogada certeira da dupla.

R$ 25 milhões é o faturamento mínimo que a empresa de BPO deve ter para se encaixar no perfil exigido pelo time de investidores estrangeiros

 i144562.jpg

 


Multimídia

Quem vai mandar nessa turma?

Mauricio de Sousa, criador da Turma da Mônica, prepara-se para passar o comando da empresa para seus filhos. em jogo, um negócio que movimenta mais de R$ 2 bilhões em 30 países

A fórmula do milionário das farmácias

Sidney Oliveira, presidente da Ultrafarma, transformou sua pequena farmácia em uma empresa de R$ 650 milhões. Confira os bastidores da reportagem de André Jankavski

Os novos empreendedores do mercado erótico

Conheça histórias de empresários que mudaram radicalmente de ramo e decidiram apostar na indústria do prazer - que atualmente movimenta mais de US$ 46 bilhões por ano no mundo

Economia - Um vice-presidente com voz própria e personalidade forte

Crédito: Roberto Castro/Ag. Istoé

- - Fatos em Destaque

- - Fatos em Destaque


  • ???? ??? ??

    em 24/10/2013 00:21:42

    ?? ???? ???? ??? ?? http://www.hkxcwl.com/??????-5n-4.html/

    Denuncie esse comentário

    • ?????? ??

      em 09/10/2013 18:28:02

      ? ????????? ?????? ?? http://www.bagsoink.info/

      Denuncie esse comentário

      • Thiago de Assis

        em 27/11/2011 11:42:39

        Dentro do universo de BPO, o elemento de destaque é o KPO. O KPO é um modelo de terceirização do conhecimento, como atividades de inteligência competitiva, produção de conteúdo (palestras/ppts executivos) e muito mais. No Brasil, a pioneira em KPO é a K4B Knowledge For Business - www.k4b.net.br

        Denuncie esse comentário

        Por favor, preencha todos os campos abaixo para deixar seu comentário.
        A Istoé Dinheiro pode utilizar este comentário para divulgação na revista impressa.

          Isto é compartilhar

          Divida sua leitura com seus amigos

          Colunas

          ver todos
          publicidade

          Edições especiais

          índice de matérias edições anteriores edições especiais assine a revista

          © Copyright 1996-2011 Editora Três
          É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
          Fechar [X]