ESTILO

Nº edição: 578 | 29.OUT.08 - 10:00 | Atualizado em 06.04 - 01:51

Como negociar com árabes

O que o empresário deve fazer para ter acesso a um dos mercados que mais crescem no mundo

É POSSÍVEL QUE, AO DESEMBARCAR em algum dos 22 países que compõem o mundo árabe para realizar uma transação comercial, o empresário encontre um parceiro que demora para entrar no assunto e, quando isso finalmente acontece, o interlocutor é capaz de gritar, bater na mesa, desdenhar do seu produto e pechinchar por um preço muito inferior ao proposto inicialmente. Se esse mesmo empresário cobrar uma conclusão rápida do negócio, poderá receber de resposta algum provérbio local, algo como “a pressa é amiga de Satã e a paciência é uma dádiva de Deus”, uma das máximas preferidas dos árabes. A única maneira de obter êxito é estar preparado para uma negociação lenta, permeada por sutilezas e cortejos que devem ser prontamente retribuídos. A recompensa? O acesso a um mercado bilionário. Segundo projeções, em 2008 as exportações brasileiras para nações árabes devem chegar a US$ 12 bilhões, um acréscimo de 30% ante 2007.

“Os árabes privilegiam um relacionamento de confiança antes de fazer negócios”, diz Michel Alaby, diretor da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira (CCAB). “No começo, haverá um período marcado por gestos de amabilidade e atenção, que sempre devem ser retribuídos. Eles querem sentir se há interesse em ter uma amizade.” Segundo Alaby, a fase de aproximação pode levar até dois meses, sem que o interesse comercial seja sequer mencionado. Durante esse tempo, o empresário passará por uma sucessão de almoços e jantares, planejados para que as famílias se conheçam. Se a amizade fluir, pode até ser que o negociador árabe dê um beijo no rosto do futuro parceiro comercial. Trata-se de um cumprimento normal entre homens (não entre homens e mulheres). “Respeitar e conhecer a cultura é uma forma de ser reconhecido como uma pessoa amável”, diz Antonio Sarkis, presidente da CCAB.

Nas conversas, assuntos que envolvam cultura e esportes são mais indicados que política e religião. Nessa fase de conhecimento mútuo, é fundamental não colocar a mão no bolso, gesto que é considerado desrespeitoso. O empresário brasileiro também não pode sentar de forma que apareça a sola do sapato. Na tradição árabe, isso é visto como um xingamento. Ao contrário do que muita gente imagina, mulheres são bem recebidas. Em países mais liberais como Líbano e Egito, elas inclusive são preferidas aos homens para tratar de transações comerciais. Chegando à fase da negociação, mais desafios aguardam um ocidental desavisado. “Pode ser que eles usem gestos que prezam pela emoção, como gritar e bater na mesa. O negociador tem de estar preparado para gritar junto, se necessário”, afirma Alaby. “Negociar é um exercício muito salutar na cultura árabe, que tem a premissa de que sempre é possível pagar mais barato.” Em geral, os árabes preferem começar com pequenas compras para avaliar o parceiro em termos de produto, entrega e cumprimento de prazos.

A construtora Odebrecht é uma das empresas brasileiras que melhor entende do assunto. A companhia está presente nos Emirados Árabes para construir um novo terminal de contêineres em Abu Dhabi e participa atualmente da licitação para as obras de expansão do porto de Jebel Ali. “Os Emirados são um dos mercados de construção mais aquecidos no momento, com muitas oportunidades e grandes desafios”, diz Alessandro Gomes, diretor da Odebrecht nos Emirados Árabes. Um exemplo da adaptação por que passou a empresa: “Durante o Ramadã (mês sagrado do calendário islâmico em que os trabalhadores muçulmanos não devem comer ou beber enquanto há luz do dia), nossos funcionários saem mais cedo”, afirma Gomes. A Odebrecht também permite a paralisação das frentes de trabalho para as cinco orações diárias, além de ter a sextafeira como o feriado semanal. “Esperamos que os empresários respeitem a nossa cultura”, afirma Abdullah Bin Suwaidan, vice-diretor do Departamento de Marketing do Turismo e do Comércio de Dubai. “Somos um povo muito hospitaleiro. Quem perceber isso, pode desfrutar de um dos melhores lugares do mundo para se fazer negócios hoje em dia.”


Multimídia

Quem vai mandar nessa turma?

Mauricio de Sousa, criador da Turma da Mônica, prepara-se para passar o comando da empresa para seus filhos. em jogo, um negócio que movimenta mais de R$ 2 bilhões em 30 países

A fórmula do milionário das farmácias

Sidney Oliveira, presidente da Ultrafarma, transformou sua pequena farmácia em uma empresa de R$ 650 milhões. Confira os bastidores da reportagem de André Jankavski

Os novos empreendedores do mercado erótico

Conheça histórias de empresários que mudaram radicalmente de ramo e decidiram apostar na indústria do prazer - que atualmente movimenta mais de US$ 46 bilhões por ano no mundo

Economia - Um vice-presidente com voz própria e personalidade forte

Crédito: Roberto Castro/Ag. Istoé

- - Fatos em Destaque

- - Fatos em Destaque


  • best money here

    em 06/04/2014 01:51:41

    Fml39s A big thank you for your blog post. Awesome.

    Denuncie esse comentário

    • nike free run 2

      em 01/03/2014 13:42:47

      I tweeted about the giveaway on twitter as ssgwkramer.

      Denuncie esse comentário

      • stunning seo guys

        em 21/01/2014 00:50:03

        nKsiuD Thank you for your post. Awesome.

        Denuncie esse comentário

        • ray ban outlet online

          em 10/01/2014 20:48:12

          How good would be a Ferrari without the right engine under the hood ?

          Denuncie esse comentário

          • discounted ray ban

            em 04/01/2014 23:48:01

            my dl#5871887 can u tell what csa score and what infraction i have on it thanks

            Denuncie esse comentário

            Por favor, preencha todos os campos abaixo para deixar seu comentário.
            A Istoé Dinheiro pode utilizar este comentário para divulgação na revista impressa.

              Isto é compartilhar

              Divida sua leitura com seus amigos

              Colunas

              ver todos
              publicidade

              Edições especiais

              índice de matérias edições anteriores edições especiais assine a revista

              © Copyright 1996-2011 Editora Três
              É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
              Fechar [X]