ECONOMIA

online | ECONOMIA | 07.MAR.13 - 21:09 | Atualizado em 18.04 - 09:45

Governo discutirá regulação de preços de praticagem

Por Adriana Fernandes e Célia Froufe

Em meio a críticas do setor empresarial e dos trabalhadores à Medida Provisória 595, a MP dos Portos, o governo colocou nesta quinta-feira em consulta pública a proposta de regulação dos preços dos serviços dos práticos. Esses profissionais, que são chamados negativamente de "flanelinhas de navios", conduzem as embarcações até os terminais portuários prestando assessoria aos comandantes no trajeto.

A regulação dos preços de praticagem é considerada um ponto fundamental para garantir maior competitividade aos portos brasileiros, porque os custos do serviço no Brasil estão entre os mais altos do mundo. No ranking com 144 países feito pelo Forum Econômico Mundial, o Brasil ocupa a 135ª posição no item qualidade dos portos.

A proposta de nova regulação foi preparada pela Comissão Nacional para Assuntos de Praticagem (CNAP), criada em dezembro do ano passado, para fixar uma metodologia de regulação da praticagem, com preços máximos, e propor medidas para o aperfeiçoamento do serviço. Na proposta, a comissão destaca que a tarefa tem alta relevância para a eficiência não apenas do comércio internacional brasileiro, mas também no desenvolvimento da navegação de cabotagem no País.

A comissão identificou que o mercado de praticagem pode ser caracterizado pela presença de falhas de mercados. Por isso, a avaliação é que é necessária a regulação do preço do serviço, como acontece em diversos países. No documento aberto para consulta pública, o governo ressalta que a regulação econômica, com vistas à correção das falhas de mercado, não visa a inibir a geração de lucros, mas sim trazê-los a um patamar "considerados normais" para a atividade.

A metodologia proposta estabelece o preço básico do serviço de praticagem. A partir dele, poderá ser estabelecida uma estrutura tarifária. A consulta publicada no Diário Oficial da União, fica aberta até o dia 5 de abril para apresentações de sugestões.

Temendo que mudanças possam afetar suas condições de trabalho, a categoria dos práticos promete entrar em greve. Recentemente, a presidente Dilma Rousseff assegurou que os profissionais não perderão seus direitos.

Copyright © 2013 Agência Estado. Todos os direitos reservados.


ASSUNTOS RELACIONADOS

Multimídia

A missão mais difícil de Belini

O executivo que fez da Fiat a maior montadora do País tem pela frente a tarefa de manter a liderança do mercado em um ambiente de crise, cercado por concorrentes cada vez mais agressivos e numerosos. Confira os bastidores da reportagem

Quem vai mandar nessa turma?

Mauricio de Sousa, criador da Turma da Mônica, prepara-se para passar o comando da empresa para seus filhos. em jogo, um negócio que movimenta mais de R$ 2 bilhões em 30 países

Os novos empreendedores do mercado erótico

Conheça histórias de empresários que mudaram radicalmente de ramo e decidiram apostar na indústria do prazer - que atualmente movimenta mais de US$ 46 bilhões por ano no mundo

Economia - Um vice-presidente com voz própria e personalidade forte

Crédito: Roberto Castro/Ag. Istoé

- - Fatos em Destaque

- - Fatos em Destaque


  • RICARDO AUG

    em 08/03/2013 07:59:56

    Os Práticos são aquaviários e não Portuários, portanto não são afetados pela MP 595. Os práticos em mais de 205 anos de atividade no Brasil nunca ameaçaram greve. A recusa de embarque é punida rigorosamente por lei e na eventual reincidência há perda de habilitação. Não há histórico de ter ocorrido.

    Denuncie esse comentário

    Por favor, preencha todos os campos abaixo para deixar seu comentário.
    A Istoé Dinheiro pode utilizar este comentário para divulgação na revista impressa.

      Isto é compartilhar

      Divida sua leitura com seus amigos

      Colunas

      ver todos
      publicidade

      Edições especiais

      índice de matérias edições anteriores edições especiais assine a revista

      © Copyright 1996-2011 Editora Três
      É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
      Fechar [X]