Estilo

No berço das cervejas

Que tal se hospedar em um hotel em que é possível tomar banho de cerveja artesanal ou hidratar o rosto com cremes à base da bebida? É com essa proposta que a escocesa BrewDog vai mergulhar no ramo da hotelaria

Crédito: Divulgação

Bed & Beer: o primeiro hotel será nos EUA, mas há planos para outro, na Escócia (Crédito: Divulgação)

No mundo das cervejas premium e artesanais, o que conta para o consumidor não é o volume, mas a qualidade de produção e os sabores especiais alcançados pelo mestre cervejeiro. E, nesse mercado que privilegia o trabalho manual, uma marca está se tornando uma estrela global sem perder a exclusividade. Fundada no Nordeste da Escócia pelos jovens James Watt e Martin Dickie, a BrewDog, em apenas 10 anos, passou de uma fabricante de cervejas de garagem para se tornar conhecida mundialmente, exportando 40 milhões de garrafas por ano para 60 países. A ponto de sua marca ser forte o suficiente para sustentar uma rede de bares pelo mundo.

Agora, já são 49, incluindo um em São Paulo, o primeiro fora da Europa, fundado há três anos . “Quando o inauguramos, havia uma legião de fãs da BrewDog no Brasil, por ela ter crescido privilegiando o aspecto artesanal e o cuidado com a qualidade de ingredientes em vez da escala”, diz Paulo Bitelman, empresário do ramo de restaurantes e sócio do bar da marca em São Paulo, junto com o importador Gilberto Tarantino. O próximo passo para a empresa escocesa, que está avaliada em 300 milhões de libras esterlinas (US$ 370 milhões), será ainda mais ambicioso: a abertura do The Doghouse, um hotel em Columbus, no Estado americano de Ohio.

Dinseylândia para adultos: o hotel terá freezer ao lado do chuveiro e spa com produtos de cerveja
Dinseylândia para adultos: o hotel terá freezer ao lado do chuveiro e spa com produtos de cerveja (Crédito:Divulgação)

O projeto deve custar US$ 6 milhões e ter as suas portas abertas no segundo semestre de 2018. O principal atrativo será o estilo Bed & Beer: os 50 quartos terão torneiras que jorram cerveja Punk IPA, refrigeradores cheios ao lado do chuveiro e até banheiras de cerveja. A vista será para uma cervejaria da empresa. O restaurante do hotel vai ainda oferecer café da manhã e outras refeições criadas em torno da bebida. Não há como fugir. O spa terá tratamento facial, pedicure e massagens, com produtos à base de cerveja.

Para financiar o projeto, a empresa abriu uma campanha de crowdfunding (financiamento coletivo). A arrecadação, iniciada no dia 2 de março, atingiu, em 36 horas, US$ 160 mil, mais do que o dobro previsto. O restante vai ser investido pela própria empresa. Mais de mil pessoas doaram, com a promessa de receber vantagens e promoções no hotel, quando for inaugurado. Entre elas, estadias gratuitas, a oportunidade de criar a própria cerveja e até de ter o hotel inteiro por um dia.

“A iniciativa conecta a tendência do turismo experiencial com o marketing experiencial”, diz Antonio Carlos Morim, coordenador da pós-graduação da ESPM. A BrewDog tem atraído os amantes de cerveja para ajudá-la a crescer. Entre 2013 e 2016, levantou £ 15 milhões, num esquema chamado Equity Para Punks, que ofereceu até 23% das ações da empresa e se tornou o maior crowdfunding do mundo. Com isso, ela ganhou 46 mil acionistas. O sucesso permite até brincar com os competidores mais poderosos. O seu relatório anual inclui a “informação” de que a empresa sequestrou “o presidente da AB InBev e o obrigou a beber cerveja boa”.