Edição nº 1036 15.09 Ver ediçõs anteriores

A inovação que brota em qualquer lugar

Bancorbrás, empresa criada por ex-servidores do Bacen e do BB, reforça sua vertente socioambiental

A inovação que brota em qualquer lugar

“Só valoriza o meio ambiente quem entende sua importância para a saúde do planeta”, Roberta Abreu, coordenadora do Instituto Bancorbrás

No livro O Estado Empreendedor, a pesquisadora Mariana Mazzucato faz uma provocação bem-humorada aos liberais que pregam um Estado mínimo. Segundo a diretora do departamento de economia da inovação da University College London, não fosse a ação do E$stado não teríamos a internet, as telas sensíveis ao toque, o smartphone e uma infinidade de gadgets sem os quais nossa vida seria menos produtiva e menos divertida.

De fato, o processo de demonização do setor público, apontado quase sempre como um empecilho à livre iniciativa e à criatividade, precisa ser reavaliado. Inclusive no Brasil, onde interessantes produtos e serviços, em diversas áreas, surgiram da cabeça de servidores públicos. A lista inclui o orelhão (telefone público), o bina (identificador de chamadas telefônicas) e a urna eletrônica.

Outro segmento no qual os servidores públicos se tornaram fundamentais para o bem-estar dos cidadãos foi nos produtos financeiros. Muitas pessoas não sabem, mas o consórcio, instrumento que permite a aquisição de bens de uma forma planejada, passou por uma grande evolução em razão de decisões tomadas pelo Banco Central e seus servidores.

A Bancorbrás Empreendimentos e Participações, fundada em 1983, surgiu a partir da junção dos esforços de ex-servidores do Bacen e do Banco do Brasil e tem no consórcio um dos segmentos com forte atuação, além de seguros, viagens e clube de turismo, nos quais opera com cinco empresas.

Além da expertise em produtos financeiros, a empresa mantém viva sua vertente de responsabilidade socioambiental, especialmente na Capital Federal, sua principal base de operação. Entre os vários projetos anuais, a administradora de consórcios da Bancorbrás destinou 1% da receita anual de vendas de cotas de consórcio para dar a largada em uma ação que permitiu o plantio de 30 mil árvores em parceria com a SOS Mata Atlântica.

Inauguração da Trilha Indígena Krahô, no Jardim Botânico de Brasília

Parte desta verba foi usada, também, para ajudar a viabilizar a instalação de uma Trilha Indígena Krahô em uma área tomada por pinheiros invasores, no Jardim Botânico de Brasília. “O projeto contou com a consultoria de integrantes dessa tribo, que é originária do Centro-Oeste”, conta Roberta Abreu, coordenadora do Instituto Bancorbrás.

A mais nova tacada na área sócio ambiental do Instituto será colocada em prática em setembro, em parceria com as ONGs Íris Social e Saúde & Alegria e também terá como foco os povos tradicionais. Só que desta vez, na Amazônia. No início de setembro, um grupo de voluntários vai desembarcar na reserva Resex Tapajós-Arapiuns, situada em Santarém (PA) com a missão de construir um viveiro.

A expedição terá duração de 10 dias. “Será uma oportunidade de jovens de diversos pontos do Brasil aprender sobre a cultura indígena e ribeirinha da região”, destaca Roberta. “Afinal, só valoriza o meio ambiente quem entende sua importância para a saúde do planeta”.

Clique e confira maiores informações sobre a expedição

 


Mais posts

De olho na performance e na produtividade alheias

Conheça a Micropower, empresa que cresceu atuando na área de treinamento, focado em resultados

Questão de cuidado

Easy Care Saúde aposta na onda dos aplicativos (app) que gerenciam serviços de atendimento médico

Mulher ao volante! Que ótimo

Empreendedora aposta em transporte de passageiros exclusivo para mulheres

Proibido para menores de 50 anos

Conheça a startup MaturiJobs, agência de empregos virtual que aposta em talentos da terceira idade

Em busca da conexão Salvador-EUA

Empreendedor brasileiro costura estratégias para unir investidores afro-americanos e brasileiros por meio de projetos de tecnologia
Ver mais