Edição nº 1037 22.09 Ver ediçõs anteriores

A infindável dívida dos Estados

A infindável dívida dos Estados

Primeiro na fila, dada a situação dramática e o caixa depauperado por gestões fraudulentas de Sergio Cabral & Cia., o Rio tenta ficar com o nariz fora d’água. Respira por aparelhos e ganhou um alívio de quase R$ 63 bilhões nas contas via empréstimos e compromissos de cortar despesas e procurar receitas extras no mercado. Terá de fazer o que deixou de lado nos últimos anos. Existe ameaça no ar: se o Estado não cumprir o assinado, a União vai partir para a exigência de demissões em massa e privatização do ensino.

O regime de recuperação fiscal que entra em voga na Cidade Maravilhosa – caso o governador Pezão faça o prometido, é bom frisar – prevê menos isenções para as empresas ali instaladas, mais impostos via aumento da alíquota de ICMS no caso de energia, telecomunicações, gasolina, bebidas entre outros itens, rigor nos gastos e o programa de demissões voluntárias. Em resumo: é só arrocho. E não tinha outra maneira de conduzir a situação após o longo período de esculhambação geral nas receitas, provocada pelos aloprados governadores fluminenses.

Entre os cidadãos pagadores de impostos há revolta e insatisfação e muito pouco espaço para resistir. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, filho de cariocas da gema, foi pessoalmente assinar a proposta com autoridades locais e derramou lágrimas de emoção por estar ajudando a terra de sua família. Decerto não adiantarão choro nem vela caso as intenções de honrar com o prometido sejam deixadas para trás. O Tesouro Nacional já havia feito ressalvas a aportes novos na praça. Até pelo mau exemplo que isso passa aos demais Estados endividados.

Boa parte deles está em um quadro de penúria. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) virou letra morta para os mandatários. O que eles costumeiramente vêm apostando é na benevolência infinita da União. Tome-se mais uma vez o caso fluminense. Levantamento da Firjan mostra que 87% dos municípios da região encerraram 2016 em situação fiscal crítica, invariavelmente com as contas fora da LRF. Maia fez valer o socorro graças a sua pressão sobre o Executivo Federal.

Aproveitou, naturalmente, para fazer do gesto uma arma eleitoral e da cerimônia de assinatura um palanque de promessas. Que os concidadãos do parlamentar não caiam mais no conto do vigário de acreditar em salvadores da pátria e oportunistas contumazes ávidos por ludibriar o povo em busca de voto. O que o Rio precisa no momento é de responsabilidade e disciplina na gestão da economia. Algo que vale para todos os Estados da Nação, igualmente encalacrados em dívidas sem fim.

(Nota publicada na Edição 1035 da Revista Dinheiro)

Mais posts

Malabarismos orçamentários

Sem choro nem vela o BNDES terá mesmo de devolver ao Tesouro Nacional cerca de R$ 50 bilhões neste ano e outros R$ 130 bilhões em 2018. [...]

A Bolsa brinda a estabilidade

Foi um desempenho digno de nota. O índice Bovespa fechou em sua máxima histórica, aos 75 mil pontos, espantando quem – fora do habitat [...]

O consumo puxa o bonde

Foi pelo consumo que veio a salvação. Sabe-se agora. A retomada da economia está sendo puxada à base de compradores na rua. É o próprio [...]

Sua empresa quer pagar a conta?

Voltou à ordem do dia e dos interesses partidários a discussão sobre o financiamento eleitoral por parte das empresas. Políticos em [...]

Vem aí a nova taxa de juros TLP. Isso é bom?

No ambiente econômico um decisivo debate em torno da troca da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) pela nova – e calculada em outras [...]
Ver mais