Economia

A gravação que pode mudar a história

Autogrampo de Joesley Batista ameaça o acordo de delação premiada dos executivos da JBS, as bilionárias vendas de ativos do Grupo J&F e até o destino das reformas econômicas e de Michel Temer

Crédito: Suamy Beydoun/Agif/Folhapress

Encurralado: Joesley Batista é cercado por jornalistas na saída de seu depoimento à Polícia Federal, em 9 de agosto deste ano (Crédito: Suamy Beydoun/Agif/Folhapress)

Parafraseando o meio-campista do São Paulo FC, Hernanes, conhecido como profeta, que disse em sua reapresentação ao futebol brasileiro que “a vida do jogador é uma sucessiva sucessão de sucessões que se sucedem sucessivamente”, o empresário Joesley Batista poderia dizer que “a vida de um delator é traquinar na traquinagem traquinando numa sucessão de traquinagens”. Acionista controlador do Grupo J&F, que tem, atualmente, a JBS como seu principal negócio, Joesley embolou o meio de campo nos negócios da família.

Na semana passada, parte dos 16 áudios entregue pelo grupo para a Procuradoria-Geral da República (PGR), em 31 de agosto, como complemento ao acordo de delação premiada, revelou uma conversa de quase quatro horas entre Joesley e o diretor de relações institucionais do grupo, Ricardo Saud. O conteúdo é estarrecedor e mostra os podres poderes de um empresário que jogou nos bastidores da República e manipulou informações e personagens para sair ileso de seus crimes.

Questão de honra: presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia cobrou a apuração rápida e transparente dos fatos que vieram à tona nas gravações (Crédito:Luiz Silveira/Agência CNJ)

A todo o momento, o ouvinte fica com a certeza de que Joesley estava um passo à frente do Ministério Público (MP), tanto por saber o que os procuradores aceitariam dele, como o que ele poderia omitir. A certa altura da gravação, Joesley revela uma preocupação a Saud, em meio a risos: “você já imaginou a Tici, quando eu tiver de contar pra ela minhas traquinagens? Porque eu vou ter que contar uns 10 minutos antes de sair no Jornal Nacional”. Tici é sua esposa, Ticiana Villas Boas.

As traquinagens de Joesley, agora, são alvo de Rodrigo Janot, procurador-geral da República, responsável por conceder privilégios inéditos naquela que foi chamada de “delação megapremiada”. Pelo conteúdo que o próprio Joesley classificou como bomba atômica, ele e seu irmão, Wesley, não seriam presos nem usariam tornozeleira eletrônica. O termo previa que a dupla não seria afastada de suas funções executivas em suas empresas e eles teriam ainda o direito de morar nos Estados Unidos.

Seleção: a JBS precisa mostrar saúde financeira para não interromper a entrega de matéria-prima (Crédito:AFP Photo / Rodrigo Fonseca)

Antes de assinar o acordo e receber a imunidade, no final de maio deste ano, Joesley resumiu o que esperava da delação. “Nós somos a joia da coroa deles. O Marcello [Miller, ex-procurador] já descobriu e falou pro Janot: ‘nós temos o cara, o pessoal que vai dar todas as provas que nós precisamos’. Ele já entendeu isso”, revela a gravação, realizada em 17 de março. “O Janot, espertão, o que falou: ‘Bota pra fuder. Põe pressão neles pra eles entregarem tudo. Mas não mexe com eles. Dá pânico neles, mas não mexe com eles’” (leia frases selecionadas abaixo).

Do ponto de vista dos negócios, a exposição da conversa indiscreta, revelada numa gravação acidental entre Joesley e Saud, não poderia ter acontecido em pior momento. Eles estavam se desfazendo de ativos importantes, equacionando as dívidas e resolvendo seus problemas na Justiça. A dúvida é se, diante das consequências, tudo pode ir por água abaixo. No sábado, 2 de setembro, a holandesa Paper Excellence anunciou a aquisição da Eldorado Celulose, por R$ 15 bilhões.

Essa empresa pertence à família chinesa Widjaja, que também é dona da Asia Pulp and Paper (APP), que aparecia como favorita para adquirir a companhia da J&F. A Eldorado esteve na mira de diversos grupos de papel e celulose, como a chilena Arauco, que chegou a ter um contrato de exclusividade para a compra. As brasileiras Fibria e Suzano também demonstraram interesse no ativo. Procurada, a Paper Excellence afirmou que não iria se pronunciar.

“Os compradores dos ativos da J&F não estão na Lava Jato e os negócios adquiridos são uma oportunidade de crescimento para eles”, diz Douglas Carvalho, sócio-fundador da Target Advisor, boutique especializada em fusões e aquisições. “Todos os preços das vendas foram de mercado. As gravações só prejudicam o Joesley e a holding.” Essa foi a terceira venda de uma empresa pelos irmãos Batista, que já haviam negociado a Vigor com a mexicana Lala e a Alpargatas com o fundo brasileiro de investimentos Cambuhy (leia quadro “O que é, o que foi” ao final da reportagem).

Vergonha alheia: o procurador-geral Rodrigo Janot concedeu benefícios aos irmãos Batista que foram questionados. Agora, com as revelações, terá de rever os privilégios (Crédito:André Dusek / Estadão Conteúoo)

Além dessas três empresas, o frigorífico Minerva adquiriu unidades da JBS na América do Sul. Outros três negócios menores ainda estão à venda: o banco Original e as empresas Flora, de higiene e limpeza, e Âmbar, de energia. “As negociações que estavam em andamento pararam porque o risco aumentou”, diz o gestor de um fundo de private equity, que pediu anonimato. “É difícil que os negócios já fechados melem. Somente em caso de passivos irreversíveis. Mas, com essa ficção armada pelos gestores, os ativos podem ter problemas.”

O plano de desinvestimento da holding pode, sim, estar a perigo. Uma cláusula do acordo de leniência firmado com o MP abre uma brecha que pode trazer sérias implicações para o grupo e para as empresas. Ela prevê que a leniência pode ser integralmente rescindida caso o acordo de colaboração dos gestores da empresa seja anulado pelo Supremo Tribubal Federal (STF). Nesse caso, não está claro se os negócios também perderiam as proteções e se os compradores teriam de assumir os passivos. “É uma insegurança jurídica que joga muitas incertezas sobre o passivo judicial da J&F”, diz Paulo Furquim de Azevedo, coordenador do centro de estudos em negócios do Insper.

Dedo de seta: Ricardo Saud, lobista do grupo J&F, teria sido o responsável pela gravação atrapalhada do áudio que pode provocar a reviravolta e o cancelamento do acordo de delação (Crédito:Divulgação)

Uma das consequências é a maior dificuldade para captar recursos e financiamentos. Ao todo, o J&F já conseguiu levantar R$ 24,5 bilhões – a multa assinada na delação é de R$ 10,3 bilhões para ser paga em 25 anos. Acumular um caixa tão robusto, em tão pouco tempo, pode ajudar as empresas que ainda fazem parte grupo, principalmente a JBS, a sobreviver a essa nova turbulência. É a prova de que os negócios não ficarão enfraquecidos financeiramente em razão de uma eventual prisão dos irmãos Batista, que pode fechar a torneira do crédito para o grupo e prejudicar a saúde das empresas.

A JBS, por exemplo, sempre foi conhecida por pagar à vista seus fornecedores. Desde que essa crise teve início, a empresa passou a fazer os pagamentos com 30 dias. Se esses fornecedores deixarem de entregar bois por medo de calote, a maior empresa de proteína não terá produtos para vender. É desse ciclo perverso que a JBS quer escapar. Um dos principais mistérios em torno da JBS começou a ser revelado nos anexos à delação dos irmãos Batista. A offshore Blessed, com sede em Delaware, nos Estados Unidos, sempre pertenceu à família.

Durante muito tempo, especulava-se que um dos filhos do ex-presidente Lula era o sócio oculto da maior empresa de proteína animal do mundo. Agora, Joesley e Wesley contaram à PGR que as seguradoras US Commonwealth Life e Light House Capital eram as representantes da família na Blessed e os beneficiários das apólices eram os herdeiros deles. A bênção criativa dos irmãos entrou na mira da Receita Federal e da Comissão de Valores Mobiliários por evasão fiscal e fraude contra os acionistas minoritários da JBS.

Isso porque a offshore, criada em dezembro de 2009, adquiriu o frigorífico Bertin por uma fração do valor anunciado na época (US$ 10 mil por 70% do frigorífico). Esse arranjo mudou completamente o negócio anunciado da fusão bilionária, que avaliou a JBS por R$ 18 bilhões e o Bertin, por R$ 12 bilhões. Em outubro do ano passado, Wesley e Joesley compraram a participação de 9,25% da Blessed na JBS por US$ 300 milhões. O dinheiro será transferido aos filhos quando os pais morrerem, uma maneira de driblar o imposto sobre herança.

Cheiro azedo?: a Vigor foi vendida para o Grupo Lala. Se forem descobertos novos problemas, negócio pode ser desfeito (Crédito:Delfim Martins)

Os números da fusão JBS-Bertin podem ter sido inflados para maquiar as perdas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no Bertin, que, em 2008, havia adquirido 27,5% da empresa por R$ 2,5 bilhões. Não pegaria bem para o banco, que estava sendo muito criticado pela ajuda aos campeões nacionais, assumir esse prejuízo. Esse será mais um componente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), instaurada na terça-feira 5, para investigar, entre outras questões, irregularidades em empréstimos e financiamentos concedidos pelo BNDES à JBS, entre 2007 e 2016.

No período, o faturamento do frigorífico saltou de R$ 4 bilhões para R$ 170 bilhões. “A abertura desse processo, justamente nesse momento, me parece uma retaliação”, diz João Paulo de Freitas, analista da consultoria Upside Investor, que acrescenta: “Os desdobramentos dessa apuração podem complicar ainda mais a situação da holding.” O BNDES também está no centro de outro imbróglio da J&F. Dono de uma fatia de 21,32% na JBS, por meio do BNDESPar, seu braço de participações, o banco se envolveu em uma disputa jurídica com os irmãos Batista, que detêm 42,16% do frigorífico.

Visita incômoda: a Polícia Federal esteve na sede da JBS, no início de julho, numa nova fase da operação Lava Jato (Crédito:Taba Benedicto/Folhapress)

O capítulo mais recente dessa guerra de acionistas envolveu uma liminar para impedir a participação de Wesley na Assembleia-Geral Extraordinária da empresa, que seria realizada na manhã da sexta-feira, 1º de setembro. O BNDES alegava conflito de interesses, já que um dos pontos que seriam discutidos e votados era o afastamento de Wesley Batista do comando da companhia. Minutos antes do início da reunião, a J&F obteve um recurso para suspender a assembleia. De acordo com a decisão da juíza Giselle de Amaro e França, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, a existência ou não de conflito de interesses deveria ser discutida na esfera de arbitragem, como prevê o estatuto da JBS.

Com a combinação de todos esses acontecimentos recentes, os analistas consultados pela DINHEIRO entendem que a tese defendida pelo BNDES ganha força. Para Shin Lai, analista da consultoria Upside Investor, afastar os irmãos Batista da gestão e das tomadas de decisões é o caminho mais sensato para a JBS. “A empresa está destruindo o seu valor. Isso traz muita volatilidade para as ações. Os investidores não conseguem enxergar o fim dos problemas”, afirma o especialista. A ação da JBS caiu 8,3% na terça 5 (leia quadro “Na carne” acima).

Lá e cá: o ex-procurador Marcello Miller teria feito jogo duplo. por isso, é a nova figura-chave na revisão dos acordos (Crédito:Alex Lanza/MPMG)

Joesley renunciou à presidência do conselho de administração da companhia no fim de maio. “O Wesley deve deixar a presidência da JBS, mas isso não acontecerá imediatamente. O cenário provável é uma saída negociada e no médio prazo”, diz uma fonte próxima à empresa. Paulo Furquim, do Insper, ressalta apenas um desafio caso esse afastamento se concretize. “Não está claro se a gestão ainda é muito personalizada na dupla. Por isso, é difícil saber se a JBS conseguiria sobreviver sem eles.”
Após a divulgação dos novos áudios, que tiveram o sigilo retirado pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no SFT, Janot deixou claro que vai revisar o acordo, entre outros motivos pelas omissões dos delatores.

Apesar de a anulação ser a possibilidade mais provável, ela acabaria com os benefícios concedidos aos irmãos Batista, mas não anularia as provas nem impediria a abertura de novas denúncias contra o presidente Michel Temer, o que poderia atrapalhar as reformas. “Joesley e Saud ludibriaram a Procuradoria, degradaram a imagem do Brasil no plano internacional e atentaram contra a dignidade da Justiça. Mostraram a arrogância dos criminosos do colarinho branco”, afirmou o ministro Luis Fux. “A primeira providência que tem que ser tomada é a prisão deles. Eles devem sair do exílio nova iorquino para o exílio da Papuda”, disse ele numa menção ao presídio de Brasília, conhecido por receber políticos. Joesley e Saud despertaram a ira do Poder Judiciário.

Deu no pé: a Alpargatas foi o primeiro ativo negociado no plano de desinvestimentos da J&F (Crédito:Divulgação)

O fato de as gravações colocarem em xeque a credibilidade de membros do STF é um dos principais ingredientes que sustentam a avaliação de que as sanções impostas serão da anulação total dos termos negociados ao invés de uma revisão de alguns dos benefícios. “É pouco provável que não haja uma punição severa”, diz um especialista na área jurídica. “O conteúdo expõe uma afronta ao sistema judiciário e uma clara tentativa de obstrução do processo”, afirma a fonte, ressaltando que já há elementos e motivações suficientes para que sejam feitos pedidos de prisões preventivas. “Se algum dia Joesley cogitou viver como um magnata nos Estados Unidos, agora, isso está totalmente descartado.”

Na conversa, eles afirmam que o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT-SP), teria cinco ministros do STF na mão. Os ministros Ricardo Lewandovski, Gilmar Mendes e a presidente da Corte, Cármen Lúcia, são citados nominalmente. “Eu falei pro Marcello [Miller, ex-procurador]: ‘você quer pegar o Supremo? Pega o Zé. Seguinte, guarda o Zé que ele entrega o Supremo’”, disse Joesley para o seu lobista, no áudio. Cármen Lúcia fez um pronunciamento e pediu que a PF e a PGR investiguem imediatamente o conteúdo do áudio.

De saída?: o BNDES, acionista da JBS, defende que Wesley Batista deixe o comando da companhia (Crédito:Silvia Costanti / Valor)

“Agride-se, de maneira inédita na história do País, a dignidade institucional deste Supremo Tribunal Federal e a honorabilidade de seus integrantes”, disse ela. “Impõe-se a apuração clara, profunda e definitiva das alegações em respeito ao direito dos cidadãos brasileiros e um Judiciário honrado.” Para uma fonte a par das negociações dos acordos de colaboração premiada da J&F, a holding cometeu dois erros cruciais. O primeiro deles, obviamente, foi gravar as tais conversas comprometedoras. “O segundo foi não ter preparado o terreno com o Janot a respeito do conteúdo contido nessas gravações”, afirma. A reação de Janot também é alvo de críticas.

Ele, que deixa a procuradoria-geral no próximo dia 16, ficou enfraquecido com o episódio. “O Janot ficou desesperado ao ver seu nome mencionado nos áudios e envolveu todo mundo nessa confusão, inclusive o STF.” O destino dos irmãos Batista e de Saud dependem de um novo personagem-chave: o ex-procurador Marcello Miller, que teria atuado como consultor e informante de Joesley nas negociações com o MP e a PGR. Miller pediu exoneração de seu cargo público no final de fevereiro deste ano, mas ele só deixou a função no início de abril, quando foi contratado pelo escritório de advocacia Trench, Rossi e Watanabe. Depois da mudança do ex-procurador, a JBS contratou essa banca para cuidar da sua defesa.

No papel: a Eldorado foi vendida para a Paper Excellence dois dias antes da divulgação dos áudios (Crédito:Kelsen Fernandes / AG. ISTOE)

O advogado Francisco de Assis e Silva afirmou que as negociações tiveram início em fevereiro, quando Miller ainda dava expediente na PGR. Se comprovada essa ligação e a consultoria prestada por Miller aos delatores, que teriam recebido informação privilegiada sobre o andamento dos processos, todo o acordo pode ser cancelado. “Ainda não se tem a exata dimensão da atuação do Marcello Miller nesse processo”, diz uma fonte a par das negociações do acordo de colaboração premiada dos executivos da J&F. “Apurar esses fatos é a chave. O que ele fez vai definir a sorte do Joesley e dos demais.” Em nota, Miller ressaltou que “tem convicção de que não cometeu qualquer crime ou ato de improbidade administrativa”.

Ao longo da semana passada, o J&F distribuiu duas notas de esclarecimento. A primeira, no dia 4, diz que a “interpretação precipitada dada ao material entregue pelos próprios executivos à Procuradoria-Geral da República será rapidamente esclarecida, assim que a gravação for melhor examinada”. A empresa ressaltou que o diálogo contém “meras elucubrações, sem qualquer respaldo fático”, que não houve uma palavra sequer a comprometer autoridades e que não houve contaminação que comprometa o ato de boa-fé dos colaboradores.

No dia seguinte, Joesley e Saud assinaram a nota de esclarecimento que afirma que as “referências feitas por nós ao excelentíssimo senhor Procurador-Geral da República e aos excelentíssimos senhores e senhoras ministros do Supremo Tribunal Federal não guardam nenhuma conexão com a verdade. Em seguida, eles completam: “o que nós falamos não é verdade, pedimos as mais sinceras desculpas por este ato desrespeitoso e vergonhoso e reiteramos o nosso mais profundo respeito aos ministros e ministras do Supremo Tribunal Federal, ao Procurador-Geral da República e a todos os membros do Ministério Público”.

A JBS também esclareceu que aderiu, no dia 6 de setembro, ao acordo de leniência celebrado pela holding em 5 de junho com o MPF por entender que a adesão está “sendo realizada no melhor interesse da Companhia, resguardando-a dos impactos financeiros do acordo de leniência, que serão integralmente assumidos pela J&F”. A empresa complementa dizendo que vem fazendo um aprimoramento nas suas regras de compliance. É o mínimo para evitar novas traquinagens.