Edição nº 1031 11.08 Ver ediçõs anteriores

Euforia com a reforma de Temer e a condenação de Lula

Euforia com a reforma de Temer e a condenação de Lula

O mercado teve um forte ajuste no sentido positivo nos últimos dias. Os agentes econômicos precificaram para cima a conquista de Temer com a reforma trabalhista e a condenação de Lula. Saltos de ações na bolsa, queda no câmbio e apostas de juros na casa de um dígito pautaram as movimentações da banca e o humor de empresários e financistas. A maioria está convencida de que o mandatário tem condições – mais do que qualquer um no momento – de levar adiante as reformas, se o deixarem seguir no cargo.

Empreendedores e investidores consideram a reforma trabalhista, agora aprovada, uma vitória pessoal de Temer, um marco extraordinário de transformação e mais um sinal concreto de que as mudanças para a retomada do desenvolvimento estão em andamento, tal qual o teto para os gastos públicos (que exigiu emenda constitucional), a revisão das regras para estatais e a negociação da dívida dos Estados. O pacotão desses ajustes, no curto espaço de tempo em que foi alinhavado e entrou em vigor, deu a entender para o setor produtivo que a capacidade de negociação política do peemedebista conta muito apesar da crise de credibilidade aberta após as denúncias contra ele. Do mesmo modo, a praça ficou animada com o enfraquecimento da candidatura Lula.

A viabilidade eleitoral do líder petista vem ficando cada dia mais remota diante do festival de processos cujas sentenças começam a sair com veredicto nada favorável.
O mercado entende que ele – após as declarações que tem feito – causaria um gigantesco desastre na economia com propostas populistas e inviáveis. Por isso mesmo, tê-lo de volta no Planalto seria um pesadelo. Lula, no passado, conseguiu atrair a atenção e razoável apoio desse público quando flexibilizou seu programa de medidas ortodoxas. A mesma manobra não deve ocorrer em uma eventual nova candidatura. Isso é líquido e certo, acreditam os investidores, que perderam a confiança nas promessas do petista.

De uma maneira ou de outra, o fato é que a economia tem resistido bem à piora da crise política, avançando quase descolada dela. Projeções da inflação perto de 3% no ano – podendo registrar em alguns meses inclusive deflação – demonstram que os indicadores monetários vão se moldando a nova realidade e caminham para uma estabilidade que deve, no momento seguinte, gerar mais confiança dos agentes. Principalmente dos consumidores, que aguardam a superação das disputas em Brasília para tocar seus projetos pessoais. A vitória de Temer e o revés de Lula fazem
parte desse contexto.

(Nota publicada na Edição 1027 da Revista Dinheiro)

Mais posts

Impostos, prá que te quero!

Os patos estão na rua. Protestando, como sempre. Nem poderia ser diferente. No pêndulo de alternativas entre aumento da carga fiscal e [...]

Atraso nas votações, aumento no rombo fiscal

Passado o vendaval no Congresso, que parou tudo para julgar a denúncia contra Temer, os brasileiros, que encararam com perplexidade o [...]

Por que um País tão fechado?

A economia começa, sim, a andar no trilho. As exportações, especialmente de commodities, são responsáveis por boa parte dessa [...]

Chegou a conta da não reforma da Previdência

No dilema do cobertor curto, a postergação da reforma previdenciária – que vai ficando em segundo plano, dia após dia, diante de outras [...]

Economia no ritmo da política

Quais as consequências econômicas do permanente estado de instabilidade provocado pela crise política? A resposta começa a vir através [...]
Ver mais